Nas Bancas

Em processo de separação, Ivete Oliveira admite: “Vou amar o António até morrer”

António Oliveira e a antiga professora estão a separar-se após 22 anos de união.

Marta Mesquita
13 de setembro de 2015, 10:00

Ainda há quem sofra por amor. Muito. É o caso de Ivete Oliveira, que depois de 22 anos de uma união feliz, 12 dos quais casada, se está a divorciar do ex-selecionador nacional António Oliveira. Sem pudores, a antiga professora, de 61 anos, não esconde a dor e fragilidade quando fala da sua “travessia do deserto”, expressão que usa para descrever o período difícil que vive. De férias no Algarve, numa casa que pertence a António, Ivete deu-nos uma entrevista emotiva em que revela os motivos que ditaram a sua separação. E em que começou logo por esclarecer: “Não quero, de maneira nenhuma, que as pessoas pensem que o António me fez mal.”
– Esta separação foi consensual?
Ivete Oliveira
– Não! Foi o António que se quis divorciar. Isto já se prolonga há mais ou menos um ano e meio... Passei 15 anos sem nunca me zangar com o meu marido [emociona-se]. Tínhamos uns arrufos, mas nunca nos deitámos chateados.
– Então, o que é que ditou o fim de um casamento que parecia tão feliz?
– A degradação do meu casamento começa na altura em que adoeci. Aliás, na primeira vez que tive cancro, há 11 anos, correu tudo bem, convenci-me de que estava curada e a minha dedicação ao António continuou a ser a mesma, total e absoluta. Mas quando menos esperava, há seis anos, voltei a ser atacada pelo inimigo. Já sabia que desta vez a cura seria muito mais difícil. E aí começou o meu suplício. A minha neoplasia mamária provoca ansiedade, depressão, stresse e alterações de humor que podem prolongar-se por meses e até anos. Nessa altura, fui tratar-me para os Estados Unidos. Foi um período de solidão.
– Mas a sua família sempre a apoiou...
– Sim, mas o António e os meus filhos trabalham e eu estive lá dez meses! Quando me vi novamente doente, com a possibilidade de morrer a curto prazo, comecei a pensar que deveria olhar mais para mim... e tornei-me uma Ivete diferente. Antes, esquecia-me de mim, porque a minha dedicação ao meu marido era total. Pode parecer ridículo, mas calcei-o muitas vezes e era eu que o vestia todos os dias. E fazia isso por prazer! Mas deixei de o fazer, porque passei a escolher a minha roupa e não a dele.
– E quando começou a mudar de comportamento, o seu marido queixou-se?
– Sim, mais do que uma vez. O António disse-me por diversas vezes que o nosso casamento estava em perigo. Nunca acreditei que o meu casamento acabasse, porque o único homem que amei na vida foi o António. Tenho de aprender a viver sem ele, mas vou amá-lo até morrer. É isso que penso [emociona-se]! O tempo passa, quero agarrar-me às coisas desagradáveis do meu marido, mas vem sempre ao de cima o bem que ele me fez e os anos felizes que tivemos...
– Portanto, o seu marido lutou pelo vosso casamento...
– Sim, ele não desistiu de nós. Lutou bastante e devo-lhe esse reconhecimento. Mas só entende um doente oncológico quem já o foi... Muitos maridos não sabem que uma quimioterapia como a que fiz nos EUA é de tal maneira forte que mexe com a libido, que é muito importante na vida de um casal. E o António não me percebeu e começou a desligar-se de mim. Aconteceu tudo devagarinho, nem fui dando conta. Ouvir o meu marido dizer que deixou de gostar de mim foi algo que me feriu a alma [emociona-se]. Mas mesmo depois disto tudo, prometeu-me que me pagaria até morrer os meus exames nos EUA. Sei que ele é meu amigo...
– E a Ivete tem algum sentimento de culpa?
– Não me culpo. Sempre fui honesta com o meu marido e isso implicava não esconder as transformações que se deram na minha personalidade. E voltaria, provavelmente, a fazer a mesma coisa, mesmo tendo este desfecho. Tenho de respeitar a minha maneira de ser.
– Ivete, como é que se supera o momento em que se ouve o homem que se ama dizer: “Deixei de gostar de ti”?
– Acho que nunca fui tão ferida... [emociona-se]. Para mim, foi uma meia-morte. A única coisa que me poderia destruir de vez era perder um filho. Fora isso, só perder o António. Tive momentos difíceis na vida e nunca fui a um psiquiatra, mas com o que se passou com o António fui obrigada a recorrer a um. Fiquei com uma depressão profunda e agora estou a tentar sair dela.
– E nunca pensou em reconquistá-lo?
– Não. Deixar de gostar de alguém é algo definitivo e eu estava habituada a um amor e uma paixão muito grandes. Como tal, acho mesmo que o meu casamento acabou. O António também entrou na andropausa e tornou-se mais difícil... Escrevi-lhe muitos e-mails de amor, outros de raiva, e nunca obtive resposta.
– Está de férias no Algarve, numa casa que pertence ao António, e tem estado com os filhos e os netos dele. Continua a ser a sua família?
– Vim para o Algarve para tentar sair desta travessia do deserto. Estou debilitada fisicamente, porque como muito pouco... O meu amor pelo António não é doentio, porque nunca o persegui. Para ser correta, persegui uma ou duas vezes, mas porque ele me mentiu. Mas a verdade é que, depois destes meses todos, continuo a sofrer terrivelmente. E sim, esta continua a ser a minha família, pelo menos até o António arranjar uma nova pessoa.
– Já antecipou esse momento?
– Sei que é muito provável que o meu marido arranje outra pessoa, até porque tem três coisas a favor dele: é rico, é bem parecido e tem horários que lhe permitem fazer o que quiser com a mulher que ama. É um homem apetecível. Penso que uma nova relação dele não me vai perturbar, nem tão-pouco vou querer saber o que quer que seja.
– Está a sofrer muito, mas vai ter de continuar a sua vida. Como perspetiva o futuro?
– Vou-me divorciar, para fazer a vontade ao António. Não gostava de me divorciar, mesmo estando separada. Não gosto do termo “divorciada”. Vou tentar sair do Porto, para fazer o meu luto com calma. E quando me sentir capaz, vou voltar a fazer a minha vida.
– Acha que vai conseguir, um dia, ser amiga do António?
– Se conseguir deixar de gostar dele, será o meu melhor amigo. Acho que não vou conseguir tratá-lo por ex-marido... O António é o grande amor da minha vida, vamos ver o tempo que vou demorar a esquecê-lo...

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras