Nas Bancas

Celeste Rodrigues em família: “Quero viver pelo menos até aos 100 anos”

Na companhia do neto, Diogo, e dos bisnetos, Sebastião e Gaspar, Celeste Rodrigues foi a cicerone da CARAS no Museu do Fado. A conversa passou, inevitavelmente, por Amália, a irmã que só conheceu aos cinco anos, mas com quem criou uma relação de grande cumplicidade.

CARAS
29 de agosto de 2015, 14:00

Encontrámos Celeste Rodrigues, de 92 anos, o seu neto, o realizador Diogo Varela Silva, de 44 anos, e os filhos deste, Sebastião e Gaspar, num espaço que lhes é muito familiar, o Museu do Fado, para uma conversa em que Amália Rodrigues, irmã mais velha de Celeste, também ‘participou’, mirando-nos das fotografias que a imortalizam naquelas paredes. Vamos escutá-los!
– A sua família veio do Fundão para Lisboa em 1928. Que recordações tem da sua infância, Celeste?
Celeste Rodrigues – Do Fundão, poucas, pois vim para Lisboa com cinco anos. Lem­bro-me de que o meu pai era músico numa banda e que depois arranjou um contrato em Lisboa e mudámo-nos para cá. Só conheci a minha irmã Amália nessa altura, porque ela já cá vivia, mas depois não nos largámos mais. Onde ia uma, ia a outra. Chorava uma, chorava a outra, como se fossemos gémeas.
– E dos seus avós, que recordações tem?
– Do meu avô materno, tenho recordações maravilhosas. Quando chegava do trabalho, os netos agarravam-se todos a ele, era muito querido. A minha avó paterna era magrinha e senhora do seu nariz. Não vivia connosco, mas também tenho boas recordações dela. Os nossos serões eram passados a cantar e a ouvir música. A minha mãe tinha uma voz como nunca ouvi... Tudo o que eu e a minha irmã cantávamos, devemos-lho a ela! Agora convive-se pouco, vemos as famílias juntas na mesma mesa, mas em vez de conversarem, cada um está a mexer no seu telemóvel...
– Falando de família, nem o casamento nem os filhos estavam nos seus planos...
– Eu tinha medo de não estar à altura da responsabilidade. Mas depois de ter a pri­meira filha, quis logo ter a segunda. Penso que, ao ter um filho, qualquer pessoa se sente a mais rica do mundo. É uma alegria!
– E que tipo de avós foram os seus pais?
– A minha mãe era uma avó melhor do que eu. Quando alguém estava doente, ela ficava acordada toda a noite, a tentar baixar a febre...
– Como lidava com o facto de ir para fora cantar e ter de deixar cá as suas filhas?
– Custava-me imenso! Ainda assim, recusei várias ofertas para poder ficar com as filhas e com os netos. Repare, eu nem tinha sonhado ser artista, queria ser aviadora. É engraçado, até tenho medo de andar de avião!
– As suas filhas vivem nos EUA. Cos­tuma visitá-las?
– Quando ia lá cantar, ficava sempre um mês ou mais... Agora, falamos muito pelo Skype. O meu neto Diogo fez lá o liceu, mas depois quis vir para Portugal, para minha casa. Acabou por se tornar o meu agente.
– Que tipo de avó foi?
– Ia buscar e pôr à escola... fazer a comida é que não, que sou má cozinheira. Se fazia um prato de que o Diogo gostasse, andava uma se­mana inteira a fazer-lhe a mesma coisa [risos].
– Mas, claramente, o coração dele sempre esteve inclinado para o mesmo lado que o da avó...
– Ele só tem pena de não cantar! Mas os meus bisnetos vão pelo mesmo caminho. O Sebastião tem uma banda e quer seguir a carreira de cineasta do pai. Quando canta em inglês, canta muito bem. Já o fado... é uma desgraça.
– O que sente quando ouve o seu bisneto Gaspar dizer que quer aprender a tocar guitarra portuguesa para a acompanhar?
– Como quero viver pelo menos até aos 100 anos, ele ainda tem muito tempo para o fazer e, de facto, já me acompanhou várias vezes! Tenho muito prazer na vida, em abrir os olhos, em ver e ouvir coisas maravilhosas. As pessoas são exigentes demais, acham que precisam de muita coisa para viver.
– Não sente saudades de nada?
– Sinto saudades da minha infância! Tinha a família toda junta... Como seres humanos, todos eram muito bonitos.
– Diogo, falando do seu avô Varela Sil­va, que é uma grande referência no teatro nacional, que recordações tem dele?
Diogo Varela Silva – Tenho recordações ótimas! Na minha estreia, deu-me uma foto dele com uma dedicatória que ainda hoje guardo: “Para aquele que há de ser o ator Diogo Varela, do seu já admirador Varela Silva.” Mais tarde cheguei a ser encenado por ele, mas eu era muito canastrão... O meu lugar é atrás das câmaras.
– O que sente ao ver o seu filho Gaspar a tocar guitarra portuguesa e a acompanhar a bisavó?
– Sinto um orgulho enorme quando vejo os meus filhos em palco, quer seja o Gas­par com a sua guitarra portuguesa, seja o Sebastião com a sua banda. É óbvio que é uma ternura ver o Gaspar tocar para a bisavó, são 80 anos de diferença, é uma recordação linda que ele sempre terá da avó Celeste.
– Gaspar, como aconteceu isto de querer tocar guitarra para a sua bisavó?
Gaspar – Sempre gostei de fado e de ouvir a minha avó, e quis aprender para poder acompanhá-la.
– E continua a dizer que ela é a maior fadista do mundo?
– Claro, a avó Celeste e a tia Amália!
– Se fossem convidados a participar num concurso de talentos, aceitariam o convite?
Sebastião – Tal como à nossa bisavó, o que nos interessa não é a exposição mediática, mas sim trabalhar muito e com qualidade!
Diogo – A minha avó até atende o telefone com uma voz diferente para não a convidarem para nada na televisão. Usa a pronúncia do Fundão e finge ser a empregada, diz sempre: “A senhora não está!”. [risos]

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras