Nas Bancas

Miguel Costa ao lado das filhas: “Não há nada melhor no mundo do que ser pai”

O ator fez esta sessão fotográfica no Alentejo ao lado das filhas, Luisinha, de três anos, e Teresinha, que tem agora seis meses.

CARAS
4 de agosto de 2015, 10:20

O sorriso rasgado e incon­fundível de Miguel Costa é a imagem de marca do ator, que tem feito sobretudo televisão. Apaixonado pela representação, confessa-se um homem de sorte por todos os trabalhos em que se envolveu nos últimos anos. Contudo, sente que foi na vida pessoal que lhe saiu a sorte grande. Feliz ao lado de Joana Rosa há mais de seis anos, viu esse sentimento aumentar exponencialmente com o nascimento das filhas, Luisinha, de três anos, e Teresinha, de seis meses. “Não há nada melhor no mundo, para mim, do que ser pai e do que cons­truir uma família com a minha mulher e as minhas duas filhas. Não há nada que me faça sentir algo tão intenso e uma emoção tão grande como a paternidade. As minhas filhas são tudo para mim. Quando elas nasceram, o meu coração triplicou de tamanho, é um amor desmesurado”, confessou à CARAS durante um fim de semana em família, no Alentejo. No entanto, não foi apenas esse amor desmesurado que Miguel agora conhece na primeira pessoa que lhe aumentou o coração. Foi também o amor ainda maior que passou a sentir por Joana, a partir do momento em que a viu no papel de mãe. “Tenho uma admiração total pela Joana. A ca­da dia que passa ela está cada vez mais bonita, em todos os sentidos. A maternidade torna as mulheres ainda mais especiais. Para mim, a Joana é a mulher mais bonita do mundo, a par das minhas filhas. E é uma mulher incrível! É a melhor mãe que conheço e a melhor mulher. Tem uma dedicação enorme às nossas filhas e a mim. Já durante a primeira gravidez ela mostrou que ia ser uma excelente mãe. E depois tudo se confirmou”, sublinhou, embevecido. Na verdade, Miguel Costa não tem dúvidas de que é ao lado da mulher que a vida faz todo o sentido. “O nascimento das nossas filhas fortaleceu ainda mais a nossa relação. Os primeiros meses de vida de um bebé são muito exigentes e o tempo que antes tínhamos para a relação está agora dividido com os filhos. Mas é preciso continuar a dar valor à pessoa que está connosco. Não há relações perfeitas, mas eu tenho uma que não trocava por nada! Imagino-me sempre a envelhecer ao lado da Joana”, garantiu.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras