Nas Bancas

Especial Maria Barroso: Uma mulher de causas

As várias prisões do pai, opositor do regime salazarista, terão estado na génese da forte consciência política e cívica que Maria de Jesus Barroso desenvolveu desde cedo, muito antes de conhecer Mário Soares. Mulher de convicções firmes, lutou por elas ao longo de toda a sua vida.

CARAS
7 de julho de 2015, 15:05

Na entrevista que deu ao jornal I em maio deste ano, Maria Barroso explicou a génese da sua dimensão política: “O ambiente que tinha em casa a isso me levava, a política tinha tanta importância como o teatro, a poesia e as artes.”
Maria Barroso foi de facto, e como frisou Marcelo Rebelo de Sousa, muito mais do que a mulher de Mário Soares. Porque já pensava pela sua própria cabeça antes de conhecer o líder histórico do PS e nunca se limitou a viver à sombra das ideias do marido. Aliás, nem sequer esteve sempre de acordo com ele. E se em ter­mos de vida doméstica dizia evitar situações que o contrariassem, não se coibia de o confrontar se alguma crença não coincidia.
Única mulher entre os fundadores do PS, em 1973, foi deputada nas legislaturas iniciadas em 76, 79, 80 e 83, e primeira-dama de 86 a 96. Anos em que se bateu pela liberdade, pela justiça social, pelo respeito pelos direitos humanos. A sua aparência frágil escondia, na verdade, uma personalidade combativa, que mesmo depois de sair de Belém continuou a lutar contra todas as situações que a incomodavam na sociedade, nomeadamen­te enquanto presidente da Cruz Vermelha Portuguesa (de 1997 a 2003) e da Fundação Pro Dignitate, que criou em 1994.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras