Nas Bancas

Especial Maria Barroso: Os anos de atriz

Apaixonada pela representação, transbordava talento. O fascismo depressa lhe abortou a carreira.

CARAS
7 de julho de 2015, 12:23

Rapariga “mais do que tímida”, Maria Barroso mostrou cedo a sua têmpera corajosa lutando contra essa característica para seguir aquela que sentia ser a sua missão de vida: representar. Quando concluiu o Curso de Teatro do Conservatório Nacional, em 1948, já se tinha consagrado no palco, onde se estreou em 45, pois o talento dramático, trágico, diria David Mourão-Ferreira, da jovem de aparência frágil, mas carácter forte, depressa foi reconhecido pela crítica.
O convite para integrar a mais conceitua­da companhia do país, a de Amélia Rey Colaço e Robles Monteiro, e que residia no Teatro Nacional D. Maria II, surgiu logo em 45, mas o seu engajamento político – era acusada de declamar poemas subversivos – e os anticorpos que Mário Soares criava junto do regime de Salazar depressa puseram fim a uma promissora carreira. Demitida da companhia, só pontualmente voltaria a representar: o regresso aconteceu em 1966, pela mão de Paulo Rocha, no filme Mudar de Vida. Em 1974, Manoel de Oliveira hesitou em convidá-la (era então mulher do ministro dos Negócios Estrangeiros) para a versão cinematográfica de Benilde ou a Virgem Mãe. Aceitou,  encantada por voltar a esta peça de José Régio que protagonizara no Nacional, em 47, ao lado de Rey Colaço. Oliveira dar-lhe-ia ainda papéis em Amor de Perdição (79) e Le Soulier de Satin (85).
A frustração dessa paixão abortada, foi-a superando a declamar poesia. Uma faceta em que se notabilizou graças à sua voz suave, mas convicta, e à sua dicção perfeita.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras