Nas Bancas

Manuel Luís Goucha admite: "A minha maior extravagância é ser feliz"

O apresentador de ‘Você na TV!’ e de ‘Masterchef’ conversou com a CARAS sobre a sua filosofia de vida e as suas conquistas pessoais e profissionais, revelando ainda a relação que tem com os afetos. 

Marta Mesquita
6 de junho de 2015, 12:00

Manuel Luís Goucha chega ao Mosteiro de São Dinis e São Bernardo, onde funciona o Instituto de Odivelas, exatamente à hora marcada. De camisa irrepreensivelmente engomada, o apresentador não desilude na aparência: é o mesmo Manuel Luís, elegante e de porte distinto, que se vê na televisão. No local, o apresentador, que é um apaixonado pela gastronomia e pela História de Portugal, deslumbra-se de imediato com os azulejos da cozinha do convento. E é com o habitual à-vontade que conta à equipa histórias de sabores e de amores proibidos “confecionados” entre aquelas paredes.
Aos 60 anos, Manuel Luís Goucha dispensa apresentações. Cara incontornável das manhãs televisivas, o apresentador conquistou o seu lugar por mérito próprio e é sem falsas modéstias que admite “sou dos melhores.” Apesar de viver uma relação longa e feliz com Rui Oliveira, o apresentador assegura que o trabalho é a sua vida, o que nunca pôs em causa a importância que dá aos afetos.
Tendo como mote a coleção de sapatos que desenhou, à qual chamou Destino(s), Manuel Luís conversou com a CARAS sobre o trabalho, a vida e os sonhos por realizar. E o que começou como uma entrevista deu lugar a uma conversa descontraída que nos deixou com vontade de ter o gravador no on pela tarde fora.
– Não podíamos fazer esta produção num sítio mais apropriado, já que é um apaixonado pela gastronomia conventual e pela História de Portugal...
Manuel Luís Goucha – Também associo este espaço a uma certa quietude, os conventos têm essa paz. São lugares dos homens com os olhos postos no céu. Sou agnóstico, mas gosto muito destes lugares de reflexão e de oração. E depois, dos conventos sai a pujante doçaria conventual!
– Sendo alguém que viaja tanto, ainda é fácil surpreender-se?
– Surpreendo-me cada vez mais! E sobretudo em Portugal. Há zonas do país que ainda nem conheço. E sou irrequieto por natureza, quero conhecer cada vez mais coisas. Sou um curioso.
– A idade não atenuou essa curiosidade em relação à vida?
– Não quero que a idade me traga serenidade! Quero ser irrequieto e curioso até ao último instante da minha vida. Ter desafios é o que nos estimula. Temos sempre tudo para aprender. E não perco tempo em questões menores nem com coisas que não têm importância alguma.
– Tem 60 anos. Lida bem com o avançar da idade?
– Tenho 59, porque me recuso a fazer 60. [risos] Lido muito bem, porque não estou uma velha carcaça! Mas irrita-me a ideia de ter 60 anos.
– É um homem muito racional, que questiona tudo. Não tem certezas na vida?
– Se tiver certezas fico sem margem para me pôr em causa. Nem tenho a pretensão de ter certezas. E se as tivesse seriam apenas a minha verdade! Não me dou tanta im­portância assim. Aliás, dou-me importância porque sou profissional e sei o homem em que me tornei, gosto daquilo que sou e como sou.
– Portanto, não alimenta o seu ego...
– Nada. Quer dizer, a minha profissão é narcísica, alimenta o ego. Não me venham dizer que quem faz televisão não tem o ego inchado! O difícil é, justamente, convi­vermos com os outros egos. Mas não me levo a sério para me achar o melhor.
– Mas essa afirmação pode parecer contraditória, já que aparenta ser um homem seguro e orgulhoso de si próprio...
– Mas eu sou seguro. Como cidadão, tenho valores e pontos de vista que me norteiam o caminho. Respeito muito as opiniões dos outros, não aceito é que me queiram catequizar! O meu caminho nem sempre é em linha reta, mas as curvas e os despistes são o que torna a vida interessante.
– Então não se importa de errar...
– Já errei muitas vezes. O erro faz parte de um percurso que se quer construir. Agora, aprendo é com os meus erros.
– E nesse caminho procura o perfeccionismo?
– A minha vida é a profissão, sobra muito pouco tempo para o resto. O meu trabalho é uma grande paixão, tal como a arte. São dois vetores que conduzem a minha vida. Acabo sempre por estar a trabalhar. O que me move é mesmo o trabalho. Mais do que o perfeccionismo, o que procuro é não me desiludir a mim próprio. Em ato
algum da minha vida quero ficar triste comigo. Mas em termos profissionais procuro o perfeccionismo que não existe, na verdade.
– Mas não quer ser considerado o melhor apresentador televisivo?
– Eu sou dos melhores, não tenho dúvidas disso. Estou na primeira linha da apresentação em Portugal. Mas que importância é que isto tem? Nenhuma! Tem importância para mim, porque quero ser um grande profissional da televisão.
– E para um homem que valoriza tanto o trabalho, que lugar lhe merecem os afetos?
– O afeto é palpável, tem espessura. E eu também tenho o meu lado afetivo.
– Mas precisa dos afetos? É um homem carente?
– Não sou um homem carente. Gosto de pessoas e gosto de ser gostado. Mas adoro estar comigo próprio. Contudo, não tenho condição de eremita. Sou um homem de afetos, mas não sou piegas.
– Nos últimos anos, o Manuel Luís adotou uma atitude mais descontraída em relação à sua vida privada, chegando a posar com o Rui, o seu companheiro, por exemplo...
– O Rui faz parte da minha vida e se ele vai a sítios públicos comigo, poso com ele. Mas não falo da minha relação. A única coisa que já disse foi que o Rui é a pessoa mais importante da minha vida a seguir à minha mãe. Somos duas pessoas distintas, mas que partilham afetos e a mesma casa. As coisas têm de ser assumidas com grande naturalidade, tranquilidade e, acima de tudo, com elegância.
– E imagina que a sua vida, daqui a uns anos, seja apenas “amor e uma cabana”? Ou melhor “amor e uma casa em Sintra”? Imagina a sua vida sem a televisão?
– Sem a televisão terá de ser, mas conto ainda fazer muita coisa no ecrã. Não vou estar muitos mais anos a fazer programas diários, mas poderei estar a fazer conteúdos sobre História, por exemplo. E posso nem viver em Sintra! Adorava viver no Alentejo, no Douro ou nos Açores. Não me quero ver é sentadinho, com uma manta em cima dos joelhos a ver o programa da manhã! [risos] Sou feliz, porque tenho a vida que sempre quis.
– Ao fim de tantos anos ainda se sente realizado ao fazer o Você na TV!?

– Dá-me tanto gozo como no primeiro dia. Saio de lá feliz e cansado de tanto rir. A minha maior extravagância é ser feliz. Tenho três horas diárias de pura felicidade.
– Entretanto, surgiu o desafio de criar a sua própria linha de sapatos...
– A Eureka convidou-me para criar uma coleção e achei o desafio muito interessante. Escolhemos como tema as viagens e batizei logo a coleção de Destino(s), com o “s” entre parêntesis para jogarmos com o destino. Escolhi quatro cidades de que gosto muito: Paris, Lisboa, Veneza e Marraquexe. Há mais, para uma futura coleção. Criámos seis modelos, um deles é unissexo. E o aliciante foi trabalhar a visão que tenho de cada cidade e materializá-la em sapatos. E fizemos sapatos para mulheres e para homens. Tudo foi pensado ao pormenor.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras