Nas Bancas

Tiago Teotónio Pereira: “Este papel foi a oportunidade para mostrar o meu valor”

O ator, filho de Mafalda Bessa e enteado de Nicolau Breyner, dá vida a Messias na novela da SIC “Mar Salgado” e conta que esta personagem trouxe felicidade à sua vida. No passado domingo, 24 de maio, viu o seu talento reconhecido com o Globo de Ouro de Revelação do Ano 2014. 

Vanessa Bento
26 de maio de 2015, 12:00

Aos 25 anos, Tiago Teotónio Pereira é um dos atores sensação da telenovela da SIC Mar Salgado. Humilde, assume-se feliz e agradecido por este papel e demonstra-o todos os dias nas gravações, onde quer fazer sempre mais e melhor. Quase um ano depois de ter começado a dar vida a Messias, o ator prepara-se agora para a despedida, mas já com os olhos postos em novos projetos. E foi num dos seus cenários preferidos, na Praia Grande, em Sintra, onde pratica surf desde pequeno, que Tiago abriu o livro da sua vida à CARAS. Um livro onde a mãe, Mafalda Bessa, casada com Nicolau Breyner, assume uma importância preponderante.   
– Como é que a representação surgiu na sua vida?
Tiago Teotónio Pereira – Não posso dizer que sonho com isto desde pequeno. Quando fazia peças de teatro na escola tinha muita vergonha e fazia sempre de árvore, para ficar lá atrás. Mas houve a oportunidade de fazer um casting para as Chiquititas e tudo se desenrolou a partir daí. Eu já tinha interesse e rendi-me completamente. Quando fiz os Morangos com Açúcar decidi que queria mesmo dedicar-me à repre­sentação e apostei em formação. Entrei na Act, mas sempre a fazer a faculdade em paralelo, tirei Gestão de Marketing. A família do meu pai é um bocado mais conservadora e quis que eu fizesse o curso. Depois de ter feito a Lua Vermelha fui para Los Angeles estudar, para o [instituto] Lee Strasberg. Paguei tudo com o dinheiro que tinha ganho e foi a minha aventura.
– Diz isso com orgulho. Foi bom tê-lo conseguido por si?
– Sim, claro. Eu fui muito mima­do, a minha mãe é uma mãe-galinha, mas desde muito cedo que os meus pais me ensinaram a importância de poupar e de saber usar o dinheiro. Dá-me muito mais gozo ter as coisas assim do que recebê-las de mão beijada.
– A sua mãe é a sua maior fã?
– É, ela é incrível. E eu sou muito ‘menino da mamã’. [risos] Ela vê tudo o que faço e diz sempre bem. Da família da parte do meu pai também somos imensos, o meu pai tem oito irmãos, tenho 30 primos e damo-nos todos muito bem. Todas as terças-feiras almoço com os meus primos em casa da minha avó, e aos domingos temos almoço da família toda. A minha vida é muito familiar. Quando morava em casa da minha mãe, tinha que estar todos os dias às 20h30 à mesa. Agora que vivo sozinho, o que é que acontece à minha vida? Segunda, jantar da minha mãe, quinta, jantar do meu pai, terça, almoço de primos, e domingo, almoço da família. [risos]
– Sendo tão apegado à família, foi fácil tomar a decisão de ir morar sozinho?
– Desde o início do ano que partilho casa com um amigo. A minha mãe dizia que eu nunca sairia de casa e acho que aquilo me fez um clique. Até os meus amigos diziam o mesmo. Talvez por tanto ouvir isto, mal um amigo meu me disse que ia viver sozinho, eu disse-lhe que também ia. Mas a minha mãe não estava à espera e custou-lhe.
– Agora que é mais conhecido, a família também funciona como um balão de oxigénio?
– Sem dúvida. Não me deslumbro facilmente, tenho a opinião de tanta gente que estou sempre a descer à Terra. Se for preciso, mandam-me logo baixar a garimpa e isso é ótimo. Estou sempre bem protegido e saber disso é muito bom.
– Além do reconhecimento público, o que é que o Messias lhe trouxe?
– Trouxe-me muitas coisas boas. Trouxe felicidade à minha vida, sou muito feliz a fazer o Messias. Para já, trabalho com alguns dos melhores atores por­tugueses. Admiro muito as pessoas com quem gravo e saio de lá feliz. Sinto que este papel foi a oportunidade que procurava para mostrar o meu valor.
– Sente que teve que lutar mais pelo seu lugar por ser enteado do Nicolau Breyner?
– Nós sempre fizemos coisas totalmente diferentes e separamos bem a vida profissional da pessoal. Sempre tive que lutar um bocadinho mais, mas acho que a partir do momento em que as pessoas me conhecem, e conhecem a minha família, sabem que é um disparate pensar até em favoritismos. Ele vê o que faço, dá-me a opinião dele e fica orgulhoso por ver que estou a trilhar o meu próprio caminho.
– Neste momento, a felici­da­de de que falava estende-se, também, à sua vida pessoal. É sabido que namora com a Filipa Areosa, colega de elenco...
– Sim, é uma coisa recente. Aconteceu naturalmente.
– Já se conheciam?
– Não. Sabia quem ela era, mas só nos conhecemos nas gravações. Demo-nos logo bem, ela é uma divertida, é muito parecida comigo. Chamou-me logo a atenção. Admiro-a imenso como atriz e acabei por me apaixonar por ela. Estamos felizes, estamos bem.

 

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras