Nas Bancas

Rui Massena: "O lugar de maestro é muito criticado e pouco amado”

O conhecido maestro abriu o seu coração e contou como a música tem 'orquestrado' a sua vida.

Andreia Cardinali
1 de maio de 2015, 15:00
Com apenas seis anos, Rui Massena, agora com 42 anos, já tocava piano e a música revelava-se uma arte cada vez mais próxima. Cresceu, investiu na sua formação, concretizou projetos e conquistou o seu lugar no panorama nacional da músi­ca clássica. Homem de desafios, decidiu que estava na altura de se lançar noutros voos e apresentou recentemente o seu primeiro álbum enquanto pianista e compositor, Solo. Neste momento, é também jurado no programa da RTP Got Talent Portugal.
A seu lado em todas as ocasiões tem contado com o apoio da mulher, Clara Coelho, médica, de 42 anos, de quem tem dois filhos, Pedro, de 11 anos, e Manuel, de seis.
– Como surgiu a paixão pela música?
Rui Massena – Não sei. A imagem que tenho é a de estar a estudar, aos seis anos, com o compositor César Morais, em casa dele, ao piano. Ele dormitava e, sempre que eu errava uma nota, acordava. Mais tarde, lembro-me das matinés em casa dos meus pais com amigos deles, numa altura em que apareceram as aparelhagens e ouvíamos muitos discos, ou com amigos deles que tocavam. Como eu estudava música, o meu pai gostava de me chamar nessas ocasiões e pedia-me para tocar para os amigos. Não gostava muito [risos].
– Mas para se tornar maes­tro teve de percorrer um longo caminho...
Claro. Depois de muitos estudos, com 16 anos comecei a compor as minhas coisas, a dirigir orquestras e coros e há uma altura em que o diretor da Academia de Música de Vilar do Paraíso, aquela que hoje é a melhor escola de arte privada portuguesa, me oferece uma batuta e acho que aquilo me pôs a pensar de que forma poderia usar aquele instrumento. Sempre gostei de dirigir, de comunicar com pessoas e achei que poderia seguir aquele caminho e desenvolver este gosto. Vim para Lisboa e comecei a estudar direção de orquestra. Fui a única pessoa do meu ano a entrar e aí começou a minha vida na música feita com pessoas.
– Como é que se cria uma ligação com a batuta?
Através da música. A grande aprendi­zagem na direção de orquestra é a ligação ao texto dos grandes compositores. A batuta é apenas uma extensão do braço. O intérprete tem de ser o mais rigoroso possível em relação ao texto e fazer com que toda a orquestra se una no sentido de recriar aquela obra de arte. 
– Tornou-se rapidamente conhecido. Lidou bem com isso?
O reconhecimento faz parte de quem escolhe o palco e preparei-me desde muito cedo para isso. A quantidade de exposição que me foi aparecendo foi fruto de duas ou três coisas mais emblemáticas, como os 12 anos em que dirigi a Orquestra Nacional da Madeira e o projeto que fiz em Guimarães, na altura que foi ca­pital da cultura... Quando comecei a aparecer na televisão com o programa Nascer para Cantar, na TVI, a Ope­ração Triunfo e o Música Maes­tro, ambos na RTP, começo a ficar mais próximo das pessoas que entendem que eu represento a música clássica. Há alturas em que naturalmente nos encantamos, mas também acho que, fruto da minha profissão, nunca me pude encantar muito, já que o lugar de maestro é muito criticado e pouco amado. Temos de fazer tudo com muita humildade.
– É comum os maestros terem um lado irreverente. É a música que traz isso ou a personalidade?
Acho que faz parte da personalidade. Ainda não era maestro e já gostava de uma certa excentricidade. Acho que no fundo tem a ver com o facto de ser apaixonado pelas coisas que faço e porque me dedico a elas com intensidade. Deixo-me ir na corrente das coisas. Acho que a minha irreverência surge porque não posso tomar liberdades na música enquanto maestro e acabo por fazê-lo na vida pessoal. 
– E foi essa necessidade de liberdade que o levou a criar o álbum Solo? 
Sim. Como não posso mexer nas palavras de um Mozart ou de um Shakespeare, achei que poderia fazer as minhas canções. Tardei tanto a fazê-las porque conheci tantos sons tão bons que era difícil achar que poderia fazer alguma coisa de jeito. Acho que o facto de conhecer coisas tão boas me trouxe o receio de errar. Tive de perceber que tenho um mundo enquanto maestro e diretor artístico e outro enquanto compositor. Acho que é um disco que proporciona bem-estar e era isso que me apetecia neste momento. Nunca quis mostrar que sei tocar piano ou que sou virtuoso, são só as minhas palavras. 
– A escolha do piano reve­lou-se como um regresso ao início de tudo? 
Acho que sim. A relação com o piano é muito boa, sai só de mim e dá voz àquilo que sinto. No fundo, também senti uma necessidade de, ao fim de tantos anos rodeado de pessoas, me isolar e existir de outra maneira. 
– Há um Rui antes e depois deste álbum?
Claro. Podia continuar na imagem do maestro, mas decidi ir atrás de algo que me faz feliz e é isso que vou continuar a fazer.
– Com a dedicação à carrei­ra, sobra tempo para a família? 
A minha mulher tem sido fundamental em todo o meu percurso. Ela é uma brilhante médica internista, mas sobretudo uma brilhante companheira. É a minha musa inspiradora. Fomos feitos um para o outro. Os meus filhos... têm o meu exemplo, de uma pessoa que se sujeita à crítica, mas ultrapassa o medo de arriscar. Acho que isto faz com que eles entendam os meus momentos de ausência. 
– Os seus filhos demonstram aptidão pela música? 
Gostam de me ouvir tocar e convivem naturalmente com as artes. Por acaso estudam música, mas serão aquilo que quiserem.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras