Nas Bancas

Especial Manoel de Oliveira: O humor em grande plano

Talvez fosse o seu passado de ator – atividade que experimentou nos anos 1930, embora ressalvasse: “nunca fui lá grande ator” –, ou apenas a sua personalidade descontraída, a verdade é que Manoel sabia usar a imagem, proporcionando muitos retratos bem-humorados e momentos carregados de ironia.

CARAS
21 de abril de 2015, 15:00

Indubitavelmenrte respeitado, mas autor de uma obra in­­compreendida por muitos, que a consideravam “aborrecida”. Nada poderia estar mais longe da personalidade cativante, do sentido de humor vibrante e da energia de Manoel de Oliveira, que facilmente conquistava simpatias. “Era uma criança sábia,  muito divertido, com sentido de humor, libidinoso, pecador e muito católico”, resumiu por estes dias o ator Rogério Samora. E há de facto uma ironia subtil e simultaneamente acutilante nos seus filmes. “Colecionava catos para não matar alguém”, diz-se em Espelho Mágico. É fácil imaginar Oliveira a dizer o mesmo.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras