Nas Bancas

Raquel Prates: “Não é uma roupa bonita que faz uma pessoa elegante”

Eleita a mulher mais elegante pelos leitores da CARAS, a galerista gosta de arriscar nos ‘looks’ e de transmitir emoções através do que escolhe usar.

CARAS
26 de março de 2015, 10:30

Estreou-se em televisão com apenas 17 anos, como apresentadora do Portugal Radical, e o público não a esqueceu. Galerista e autora do UP Blog, Raquel Prates ficou naturalmente feliz ao receber o primeiro prémio da XX Eleição de Elegância da CARAS.
– Tem sido, ao longo dos anos, uma presença muito regular nesta eleição...
Raquel Prates – O que é profundamente lisonjeador. Comecei a trabalhar em televisão aos 17 anos e a CARAS tem acompanhado o meu crescimento, as minhas alegrias e tristezas... Este ano vou fazer 40 anos e continuar a receber este carinho tão grande é muito importante.
– Dos 17 aos 40 anos, acha que tem crescido elegantemente enquanto pessoa?
– Acho que sim. É difícil falar de elegância na primeira pessoa. Esforço-me todos os dias para ser melhor, o que, para mim, é uma forma de elegância, tal como a dignidade, os princípios e valores, a forma como nos relacionamos e nos preocupamos com os outros. A elegância é muito mais simples do que por vezes as pessoas tendem a achar. Não é uma roupa bonita que faz uma pessoa elegante. Conheço inúmeras mulheres anónimas profundamente elegantes, no trato e na forma como se relacionam com os outros.
No entanto, uma pessoa com exposição pública deverá ter, também, alguma preocupação com a imagem. No seu caso, sempre foi uma pessoa muito atenta às tendências, que gosta de arriscar...
– É verdade. As pessoas acham que tenho um estilo muito clássico, mas na verdade há sempre um apontamento que é a extensão da minha personalidade e que acaba por ser um pouco mais divertido ou provocador, conforme aquilo que quero comunicar. A arte de vestir também é algo divertido e uma forma de comunicar. E eu sempre tive essa vertente estética. Também tive muita sorte, porque sempre vivi rodeada de pessoas criativas e o facto de privar com artistas permitiu-me essa liberdade de arriscar. Muitas vezes sou contida nos gestos e nas palavras mas a minha postura – aquilo que visto não são acasos – é também uma forma de comunicar.
– No caso deste visual, o que é que quis transmitir?
– Costumo preparar duas ou três coisas, mas o dia é que dita o que sinto que devo vestir. Tem a ver com um lado emocional, não é só uma vertente estética. E hoje resolvi brincar com um smoking masculino que tenho já há muitos anos (não é a primeira vez que o uso, mas sempre me trouxe muitas alegrias), escolhi um body Nizza, que faz parte do meu projeto de apadrinhar marcas emergentes nacionais na 39A Concept Store, trouxe uma estola, porque é tendência e achei que era um contraste engraçado e depois desmontei tudo com uma clutch feita de materiais diferentes, que conjuguei com a riqueza das joias de autor Swarovski. É um clássico, mas sempre com uma vertente mais excêntrica.
– Preocupa-a estar quase nos 40 anos?
– Não, de todo. Estou muito feliz com a minha maturidade, com a forma como atualmente vejo o mundo... Antes corria demais, era muito alarmista e demasiado rigorosa comigo mesma, agora, curiosamente, estou muito mais calma e descontraída. A idade traz-nos esses pequenos luxos, de optarmos por aquilo que realmente gostamos e começarmos a dizer que não.
– Quer identificar algo que considere deselegante?
– Há tantas coisas deselegantes... Infelizmente assistimos a agressões diárias, entre marido e mulher, amigos, família, pessoas desconhecidas na rua. Vive-se uma intolerância constante. Acho que nós não estamos feitos para esta velocidade. E, portanto, perdoo a maioria das deselegâncias a que assisto, porque as compreendo, de alguma forma. Vivemos todos em sobressalto. Acho que entrámos todos numa fase de sobrevivência a que nunca tínhamos assistido de forma tão alarmante. A solidão e o finito são coisas que também me assustam muito, não sei se podemos considerar deselegantes, mas são situações com as quais me debato diariamente e nas quais penso muito. É tudo demasiado rápido.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras