Nas Bancas

Tasha de Vasconcelos: “Uso a beleza para alcançar os meus objetivos”

Nascida em Moçambique, a modelo anglo-portuguesa, de 48 anos, foi nomeada Cônsul Honorária do Malawi no Mónaco, país onde reside, pelo príncipe Alberto II, de quem é amiga pessoal há vários anos.

CARAS
14 de março de 2015, 14:00

Com uma longa carreira ligada à moda, enquanto top model internacional, Tasha de Vasconcelos tem aproveitado a fama e os seus contactos privilegiados para chamar a atenção de algumas causas humanitárias em que acredita. “Um médico tem os seus instrumentos de trabalho, o meu instrumento de trabalho é o meu corpo. Uso minha beleza para alcançar os meus objetivos e ajudar o país onde nasci. Isso tem-me permitido superar obstáculos e abrir portas”, defende a top model. Filha de pai português e mãe britânica, e natural de Moçambique, Tasha de Vasconcelos criou há nove anos a Amor, uma fundação cujo objetivo é ajudar a reduzir a taxa de mortalidade e a transmissão do vírus da sida durante a maternidade, no Malawi.
Conhecida por ter sido apontada como namorada de Alberto do Mónaco, a top model revela que o príncipe tem apoiado, desde o início, os seus projetos naquele país da África Oriental.
Voltou recentemente do Malawi, onde esteve na con­dição de embaixadora da União Europeia para as Causas Humanitárias e representante da fundação Amor, da qual o príncipe Alberto é patrono...
Tasha de Vasconcelos – A Amor não é apenas a minha missão, é também a minha paixão. Uma fundação que se dedica a ajudar mães e crianças necessitadas em situação de perigo em África, o continente onde nasci. O facto de ser top model tem-me ajudado a abrir algumas portas e, nesta viagem ao Malawi, fi­quei consciente de que há muito trabalho por fazer. É uma realidade muito dura... Não fizemos mais do que tocar a superfície. As necessidades são enormes.
– Que progressos têm sido  feitos? O que continua a faltar às crianças do Malawi?
Estamos a construir o nosso  quarto hospital, o que é um avanço enorme. Dói-me o coração cada vez que olho para os números da taxa de mortalidade. Atualmente, um em cada oito bebés é portador do vírus da sida. Estamos a fazer com que as coisas mudem, mas há muito trabalho por fazer. Continuamos a ajudar as crianças órfãs. Já construímos uma escola e agora estamos a construir outra para meninas. É mesmo necessário ajudar as meninas, que muitas vezes são vítimas de maus tratos e abandonam os estudos numa idade precoce [aos oito anos]. A taxa de mortalidade é de 38 por cento. A incidência da sida, malária e outras doenças é muito elevada e, agora, têm enfrentado inundações sem precedentes. A Amor acabou de estabelecer uma aliança com a primeira-dama do Malawi, Gertrude Mutharika, para dar outro impulso à saúde e à educação.
– Inaugurou, em 2009, um hospital com a ajuda do prínci­pe Alberto...
Graças à minha profissão e à minha condição de top model, houve muita gente a ajudar a Amor. O príncipe Alberto é meu amigo há muito tempo. Tem apoiado a fundação desde o início e foi, de facto, à inauguração do nosso primeiro hospital. Atualmente sou cônsul honorária do Malawi no Mónaco, nomeada pelo príncipe Alberto.
– Há uns tempos descreveram-na como “um pássaro que voa atrás do mundo”. O que é que, hoje, dá verdadeiramente sentido à sua vida?
– Bom, a minha profissão é uma plataforma que me tem dado liberdade, que faz com que me sinta realizada e possa ajudar os outros. Todos os dias me questiono como poderei angariar mais dinheiro e se teremos apoios financeiros para dar continuidade aos nossos projetos. Assim, exerço o cargo de conselheira delegada, colaboro em ações humanitárias e também trabalho como embaixadora da marca. Tudo isso dá sentido à minha vida.
– A moda e o cinema passaram para segundo plano na sua vida? Ou tem algum projeto nestas áreas?
– Continuo a ser convidada para representar algumas marcas de cosméticos, moda e joias de prestígio. Isto inclui aparições públicas. Não poderíamos ter alcançado o que alcançámos com a Amor sem a visibilidade e a plataforma proporcio­nadas pela minha carreira como modelo e atriz de cinema. As causas humanitárias são a minha paixão e o que me move. Ser modelo é a minha profissão.
– Onde estão as suas raízes? Em que país se sente em casa?
– Moro no Mónaco. Nasci em África, mas considero-me uma cidadã do mundo, por conseguinte, sinto-me bem em qualquer parte.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras