Nas Bancas

Mico da Câmara Pereira: “Quando há uma separação, alguém falhou”

No último ano divorciou-se, foi viver para a Praia das Maçãs e começou a preparar o disco ‘Fado Meu’, que lança em breve. Mico está sereno. Não tem pressa de voltar a apaixonar-se, mas também não põe essa hipótese de parte. 

Cristiana Rodrigues
15 de março de 2015, 14:00
É tão genuíno que chega a ser desarmante. Mico da Câmara Pereira, 51 anos, está sereno, de bem com a vida e a fazer o que mais gosta: cantar. E desta vez, fado. Embora não imponha limites à conversa, pede discretamente para começarmos a falar da música antes de lhe perguntarmos como tem sido este ano e meio depois da separação da arquiteta Joana de Sousa Cardoso, e como gere a rotina dos dois filhos, Afonso, de 11 anos, fruto desta última união, e Francisco, de 18, do seu primeiro casamento, com Maria João Lima Mayer. Respeitamos o pedido. 
Mico, diminutivo de Domingos, nasceu e cresceu em Évora, com os pais e os sete irmãos, e já em criança cantarolava. Um dia, numa festa em que estava a cantar uns fados, foi malcriado e o pai pô-lo de castigo. Nunca mais cantou. Andou afastado da música até à adolescência, altura em que entrou para a tuna do liceu de Évora. A isto seguiu-se um percurso musical ao lado do irmão Nuno da Câmara Pereira. Tocava cavaquinho e entoava uns temas. Cansou-se, pegou na viola e pôs-se a cantar à noite em bares. Fez o que lhe apeteceu. Durante muitos e muitos anos. E só agora, depois dos 50, achou que tinha maturidade suficiente para editar um disco de fado, que coincide com uma nova etapa na vida. Está sozinho, a viver na zona da Praia das Maçãs, e já não tem um sítio fixo para cantar. Prepara-se para, no dia 21 de fevereiro, subir ao palco do Teatro Garcia de Resende, na sua terra natal.
– Uma grande responsabilidade cantar em Évora, não? 
Mico da Câmara Pereira – Tinha seis anos quando subi a esse palco pela primeira vez para cantar. E agora, tantos anos depois, vou viver a alegria de lá voltar. É um prazer muito grande e vai ser emotivo, não sei se vou aguentar sem chorar...  
– Porquê só agora um disco de fado? 
Só agora sinto que tenho maturidade suficiente e está a dar-me um gozo brutal.
– Até porque conta com a participação de algumas pessoas que admira... 
Sim, o Silvestre Fonseca, a Olga Prats, a Mafalda Arnauth, o Luís Represas, os meus irmãos Nuno, Gonçalo e Francisca, a Noa, a Samantha Castilho, e ainda conto com a genialidade da Mafalda Veiga, que escreveu uma letra brilhante, que eu não conseguiria nem nos meus melhores dias, para o fado Rua do Capelão, que tantas vezes ouvi a minha mãe cantar enquanto fazia a lida doméstica. Agora a letra fala de saudade e é o fado que abre os meus espetáculos e o primeiro do meu CD. 
– Há coisas de que tenha saudades? 
Tenho imensas saudades dos meus pais, eram os meus melhores amigos. Às vezes ainda pego no telefone para lhes ligar... 
– Deixou alguma coisa por dizer-lhes?
Os meus pais sabiam exatamente – e felizmente – o amor que eu tinha por eles. E tenho a consciência de que tudo fiz para que, nos últimos anos de vida, tivessem conforto e carinho. E também não tenho dúvidas do amor que eles tinham por mim.
– Faz o mesmo com os seus filhos? Diz-lhes tudo o que sente por eles?
Sim, tenho a certeza de que eles sabem o quanto os amo e o quanto tenho saudades deles. São miúdos bem formados, sensíveis e serenos. Quero que eles tenham em mim um grande amigo e estou aqui para o que eles quiserem.
– Porque nenhum deles está consigo a tempo inteiro... Imagino que lhe custe sobretudo estar longe do Afonso, que é o mais novo e com quem viveu durante 11 anos... 
Sim, claro. A parte mais difícil da separação é acordar e não ter lá o Afonso. Quase todos os dias era eu que o levava para a cama e são mimos que me fazem falta. Felizmente eu e a Joana damo-nos bem e ele está comigo quando entendemos. Não há horários rígidos.
– Foi um divórcio que ficou bem resolvido?
Sim, pacífico. A Joana é bem formada, estável, equilibrada, é mãe de um filho meu e a nossa preocupação é o Afonso.
– Lamenta que tenham seguido caminhos diferentes?
Quando nos casamos, é para a vida. O meu primeiro casamento durou nove meses e este 11 anos. Quando me casei nunca pensei que iria separar-me, ainda por cima com filhos. Por isso é sempre de lamentar, principalmente pelos filhos. Os grandes sofredores disto tudo não somos nós, temos idade para ter juízo e a culpa é sempre nossa.
– Os primeiros tempos são difíceis? 
São de adaptação, mas também depende da maneira como nos separamos. Quando há uma razão forte, uma mágoa, se um quer e o outro não, sim, pode ser difícil, mas não foi o nosso caso. Foi uma decisão ponderada, falada civilizadamente e cada um seguiu o seu caminho. Depois, há uma fase de adaptação a outra vida, um sem o outro, e cada um de nós sofreu com certeza, mas também cada um tem o seu timing... 
– Custou-lhe ver a Joana com um namorado?
Não. Se eu visse uma amiga minha, que ainda por cima foi minha mulher e é mãe de um filho meu, a ser maltratada, sim, isso iria custar-me. Como sei que eles gostam um do outro e que têm uma relação saudável, fico contente que ela esteja bem.
– Isso não é muito racional?
Claro que é...
– E como é que se consegue? [risos]
[risos] Com a idade! Quando tinha 20 anos provavelmente não responderia assim. Aos 50 é o que a vida nos ensina.
– Sente que falhou enquanto marido, enquanto companheiro?
Quando há uma separação, é porque alguém falhou. Eu sei que falhei. Mas também acho que a culpa é sempre dos dois. Mesmo quando existem infidelidades a culpa é dos dois, as infidelidades nunca são provocadas só por um. Não foi o nosso caso, felizmente.
– Alguma vez foi infiel?
Não.
– E já voltou a apaixonar-se?
Nunca foi muito fácil apaixonar-me. Desde miúdo. Quando tenho uma namorada, assumo e estou ali. E é difícil chegar a esse ponto de aceitação, de entrega. E com a idade torna-se cada vez mais difícil. A racionalidade que nos dá a idade é uma chatice. 
– Mas tem medo de voltar a apaixonar-se?
Não... O amor passa a ser mais racional, também, e perde um bocado a graça, mas é melhor assim. Não digo que não me volte a apaixonar e a ter uma namorada para a vida, uma família. Mas não ando à procura e agora a minha preocupação são os meus filhos e o meu disco. 

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras