Nas Bancas

Sara Esteves Cardoso: "Quero passar toda a magia do Natal ao Vicente"

A relações-públicas e o músico João Campos foram pais há um ano e sentem-se hoje mais completos e felizes. Admitem que se tornaram pessoas diferentes com o nascimento de Vicente e a sua principal preocupação é, naturalmente, o bem-estar e o crescimento dele.

Andreia Cardinali
25 de dezembro de 2014, 16:00
Apesar de não ter sido um filho planeado, desde o início da gravidez que Sara Esteves Cardoso, de 33 anos, e João Campos, de 41, aceitaram a mudança inevitável que sabiam que Vicente traria às suas vidas. Um ano depois, reconhecem ser o melhor que têm na vida e é com descontração que encaram a menor disponibilidade de tempo para namorar. Foi no Castelo da CARAS, em Estremoz, que a relações-públicas e o músico falaram sobre este amor incondicional. 
– Quando se é pai e mãe, tudo gira em torno de um filho... 
Sara E. Cardoso – Quan­­do somos pais, temos o dever de cuidar dos filhos e protegê-los. A noção de tempo e espaço das crianças é diferente da nossa, e dependem de rotinas diárias para se habituarem aos ritmos e aprenderem a orientar-se no mundo. Portanto, ajudar a disciplinar. Não tem necessariamente a ver com o mundo girar em torno dele, mas sim adaptar o nosso mundo ao dele e vice-versa.
João Campos – Somos aquela espécie de mamífero que demora muito tempo a ser autossuficien­te, por isso, cabe a nós, pais, garantir, cuidar, proteger, ensinar, apoiar, amar esta cria que de nós depende. Nós somos o mundo deles até perceberem que há um infinito a descobrir para além dos pais. Todo este processo exige de nós essa presença 24 horas por dia. Esse mundo gira à volta dos três.
– O Vicente é crescido para a idade. Sai a quem?
À mãe, claro, e à família da mãe, tanto paterna como materna. São todos altos! Tenho em gerações anteriores pessoas altas na família, mas somos latinos no  que respeita à altura. 
Sara – É bom para, daqui a uns anos, pôr o braço em cima do meu ombro e levar-me ao colo [risos].
– A vossa vida mudou muito com a chegada dele?
Mudou, até na forma de se ver o mundo. Esta pessoa, que é fruto de uma união, revolucionou as nossas vidas e os nossos sentidos. É a melhor sensação do mundo vê-lo descobrir diariamente as coisas da vida e até a chamar-nos a atenção para tantas já esquecidas. Aprendemos com ele diariamente.
João – Tudo isto é avassalador. É maior que nós, é difícil explicar. A vida muda, é inegável. Exige de nós muita atenção, dedicação, e pelo menos uma vez por dia pensar no futuro. O que será do futuro? Isso é assustador por vezes, observando o mundo, mas é apaixonante saber que eu e a Sara vamos ter a oportunidade de conviver com ele a vida inteira.
– Há uniões que não resistem à chegada de um filho. O Vicente veio fortalecer a vossa ou por vezes sentem saudades da vida que tinham antes?
As uniões entre duas pessoas são postas à prova em várias situações durante a vida em comum. Um casal que resiste não desiste, investe e cuida da relação, deverá passar por este desafio com um sorriso nos lábios, por mais difícil que possa parecer em certos momentos. É exigente, sim. É avassalador, sim. É gratificante como nada na vida, sem dúvida. Temos a perfeita noção de que saudades vamos ter, daqui a uns anos, de quando ele era bebé.
– E o Natal, ganhou outra importância?
Para mim, sim. O Natal com crianças é mais bonito e agora que tenho também uma sobrinha, já anseio ver papel de embrulho rasgado à frente da lareira e olhos a brilhar com os presentes.
Sara – Claro! A magia voltou. Quero passar essa magia, tão especial, do Natal para o Vicente. Fui educada assim, com renas e as suas cenouras, Pai Natal, meias para presentes, a meia-noite e a ansiedade, copo de leite e bolachas para o Pai Natal, tudo o que tem a ver com o Natal. Quero todo esse imaginário na infância do Vicente.
– Como vai ser passado o Natal?
Em família. Aproveitar cada momento com as pessoas de quem mais gostamos, mimar o Vicen­te, comer doces e partilhar esses momentos todos agora com mais este presente chamado Vicente.
– Em que fase é que ele está?
João – Só vê a mãe à frente. É lindo observar e ser espectador dessa relação tão única e especial. Eu sou o parceiro para a destruição e brincadeiras que extrapolam a própria fragilidade física dos objetos: explorações quiméricas do sofá até ao móvel. Somos dois conquistadores sob o olhar protetor da deusa mãe. É um constante mundo novo para o Vicente e ele dá-me a mão para o descobrir com ele, é incrível.
– Desde que ele nasceu já conseguiram ter algum momen­to a dois ou tudo só faz sentido se ele estiver presente?
Muito poucos, admitimos até essa falta. Mas estamos verda­deiramente rendidos a esta unidade a que chamamos ‘bolha’. Sempre nos custou afastarmo-nos dele. Já o deixámos com as avós algumas vezes para desfrutar desses momentos. Tudo a seu tempo. Sabe bem estarmos os três.
– O Vicente já está na escola ou a liberdade que têm de horários faz com que queiram aproveitar todos os momentos do seu crescimento?
Sara – Ainda não. Optámos por ficar com ele para o aproveitar, seguindo fielmente as instruções do “nosso” pediatra. Irá para o ano. Essa decisão, aliada aos nossos horários profissionais, fez com que pudéssemos usufruir e presenciar cada segundo do crescimento do Vicente. Tem sido um privilégio assistir a tudo. Somos felizes. 

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras