Nas Bancas

Cayetana de Alba, a duquesa excêntrica que viveu intensamente os seus 88 anos

A duquesa de Alba morreu no passado dia 20 de novembro, 

CARAS
4 de dezembro de 2014, 15:00
Gostava de ser tratada por Cayetana. Só Cayetana. Conhecida pelo seu cabelo branco, a roupa colorida que gostava de usar, pelos títulos nobiliárquicos e pela sua imensa fortuna, era excêntrica e divertida. Rebelde e sem papas na língua. Uma mulher que viveu intensamente, D. Maria del Rosário Cayetana Paloma Alfonsa Victoria Eugenia Francisca Fitz-James Stuart y Silva nasceu no dia 28 de março de 1926 no Palácio de Liria, em Madrid. Filha única do 17.º Duque de Alba, Jacobo Fitz-James Stuart y Falcó, aos seis anos sofreu com a morte da mãe, D. Maria del Rosario de Silva y Gurtubay. Estudou em Paris, viveu em Londres, mas Sevilha era a cidade do seu coração. No Palácio de Dueñas, onde cresceu e acabou por morrer, no passado dia 20, foi muito feliz.
Casou-se três vezes. A primeira aos 21 anos, com Luis Martínez de Irujo (pai dos seus seis filhos, Carlos (66 anos), Alfonso (64), Jacobo (60), Fernando (55), Cayetano (51) e Eugenia (46). Com ele viveu um casa­mento de 25 anos, altura em que o aristocrata morreu com leucemia. Seguiu-se uma relação de 21 anos com um ex-padre jesuíta, Jesus Aguirre, de quem veio a ficar viúva em 2001. Alguns anos depois a duquesa voltou a apaixonar-se. E foi nesta altura que muita tinta voltou a correr na imprensa cor-de-rosa. Alfonso Díez era um funcionário da Segu­rança Social, 25 anos mais novo. Os dois conheciam-se há mais de 30 anos, desde um encontro numa loja de antiguidades, em Madrid, que pertencia aos pais da duquesa. Reencontraram-se casualmente numa ida ao cinema, em 2007. Cayetana de Alba deixou-se encantar por Alfonso Díez, com quem tinha muito em comum. A paixão também acabou em casamento. E assim, no dia 5 de outubro de 2011, os dois subiam ao altar. Contra tudo e contra todos: para unir a sua vida à de Alfonso, a duquesa foi obrigada a enfrentar os filhos que viam o funcionário público como um oportunista interessado em dar o golpe do baú. E foi por isso que a mulher com mais títulos nobiliárquicos do mundo decidiu, quatro meses antes do casamento, dividir o seu património, avaliado em mais de três mil milhões de euros (entre palácios, quintas, antiguidades e obras de arte), pelos seus herdeiros. De acordo com alguma im­prensa espanhola, a única compensação de Alfonso é uma pensão vitalícia no valor de dois mil euros mensais. A provar que as suspeitas de ser um caçador de fortuna eram infundadas, Díez chegou mesmo a assegurar ao jornal El Mundo: “Na minha idade, ninguém se casa por dinheiro. Além disso, nunca me faltou nada e não tenho dívidas.”
No último ano, aquela que foi a 18.ª duquesa de Alba enfrentou vários problemas de saúde que a deixaram debilitada. Em 2013 sofreu um acidente em Roma, no qual partiu o fémur e teve de ser operada de urgência. Já no inverno seguinte, passou por severos problemas intestinais que, aliados à convalescença da fratura, a fragilizaram.
Eram 9h51 do passado dia 20 quando Juan Ignacio Zoido, presidente da Câmara de Sevilha, anunciou a morte da duquesa de Alba: “Dona Cayetana sempre teve Sevilha no coração, por isso ficará para sempre no coração de Sevilha. Descanse em paz.”

Fotos: Atlântico Press/Cordon Press/Feriaque/Getty Images/João Lima/SplashNews-VMI

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras