Nas Bancas

Teresa Tavares: “Sou uma pessoa com grandes inquietações”

A uma semana de estrear a peça ‘Radiografia de um Nevoeiro Imperturbável’ no Teatro Nacional D. Maria II, a atriz, de 31 anos, marcou encontro com a CARAS para nos falar dos seus sonhos e projetos.

Cláudia Alegria
6 de dezembro de 2014, 10:00

Fez o primeiro casting para uma novela aos 17 anos, juntando-se então a um grupo de jovens atores que se estreava  em televisão com Jardins Proibidos. Passaram 14 anos e foi com entusiasmo que Teresa Tavares aceitou o convite para participar na sequela daquela novela, dando vida à professora Sofia Rosa. Mais experiente e segura, a atriz, de 31 anos, tem conciliado as gravações com os ensaios da peça Radiografia de um Nevoeiro Imperturbável, que estreia a 13 de novembro no Teatro D. Maria II.
– Como recebeu o convite para fazer a sequela de uma novela 14 anos mais tarde?
Teresa Tavares – Não esta­va à espera e tem sido muito  divertido. Havia muitas pessoas com quem não trabalhava desde então e esse foi o meu primeiro trabalho e o de muita gente, como a Maya Booth ou a Vera Kolodzig... Todas nós queríamos ser atrizes, era um passo muito importante. Voltar tem qualquer coisa de regresso a casa. É, de facto, uma experiência especial.
– Tem conciliado as gravações com os ensaios da peça e mais uns tantos projetos profissionais. É muito organizada?
– Organizada no sentido tradicional não sei se sou, mas organizo muito bem a minha cabeça. Posso não ter as coisas todas no sítio certo, mas, se são projetos importantes para mim, como este espetáculo e a novela, acho que tenho, de facto, uma grande capacidade de dedicação e de gestão das coisas. De vez em quando fico a dever umas horas ao sono, mas quem corre por gosto acho mesmo que não cansa, e é maravilhoso estar a conciliar isto tudo.
– Esta peça está ligada à asso­ciação de atores da qual é cofundadora. O teatro foi a sua primeira paixão?
– Para ser completamente sincera, a minha primeira paixão foi o cinema. Quando era miúda não havia uma sala de cinema em Azambuja, onde eu vivia. Tínhamos de ir a Vila Franca ou a Lisboa. Portanto, para mim o cinema era uma coisa absolutamente mágica. Eu dizia que queria ter uma sala de cinema em casa! Mas acho que a minha paixão é, de facto, ser atriz e tem sido uma grande sorte e uma grande felicidade poder fazer teatro, cinema e televisão. É muito enriquecedor e acho que todos ganhamos muito em ter esta capacidade de nos entre­garmos a projetos diferentes. Acho que isso só nos valoriza.
– E porquê fundar uma companhia de atores?
– Não é propriamente uma companhia, é uma associação cultural. Chama-se Teatro do Vão. Esta aventura começou toda depois do Conservatório...
– Chegou a concluir o Con­servatório?
– Concluí, com muitas interrupções, mas consegui [risos]. Nessa altura comecei a trabalhar mais em teatro e, em 2010, eu e o encenador Daniel Gorjão vencemos os Emergentes – Ciclo Novos Criadores/Novas Linguagens do Teatro Nacional com o espetáculo Um Dia Dancei, Só Dancei um Dia. A partir do momento em que partes de uma ideia e as coisas se concretizam, porque é que não hás de voltar a fazer o mesmo? Eu e o Daniel somos muito próximos, pessoal e profissionalmente, e acabou por fazer sentido montar esta estrutura de produção, para irmos fazendo os nossos projetos, explorando linguagens e valências das várias pessoas que fazem parte da estrutura. É uma forma de nos mantermos ativos e evoluirmos.
– A sua personagem na novela é uma mulher de grande leveza, alegria e jovialidade. A Teresa também é leve e bem disposta?
– Sou. Sou uma pessoa com grandes inquietações, com muitas questões, sempre à procura de algo mais. Mas acho que isso é completamente conciliável com leveza e abertura para com tudo o que nos acontece. É importante haver inquietação para avançar e lido com isso com otimismo. Não sou cinzenta.
– Costuma dizer também que o melhor ainda está para vir. É uma filosofia de vida?
– As coisas vão surgindo na minha vida e, ao estar sempre a evoluir, só posso acreditar que o melhor está para vir. Há evidentemente uma lista de coisas que gostava de fazer, mas para mim é importante concentrar-me no que estou a fazer no momento, porque acredito que é isso que me dá o foco para as coisas que quero fazer. E quando elas chegarem, ou quando eu chegar até elas, irei dedicar-lhes esta mesma atenção. Acho que só saboreando o que vai acontecendo é que se usufrui verdadeiramente das coisas. É importante fazer as coisas com paixão, empenho, dedicação e alegria. É isso que nos permite alcançar tudo o resto, em vez de ficar só a pensar nisso.
– E quer partilhar algumas das coisas que gostava de fazer no futuro?
– A lista é grande, mas na realidade tu­do se resume a continuar a ter projetos como atriz que me desafiem profundamente, em teatro, cinema e televisão, ter esta oportunidade de me expressar através do meu trabalho, de estar rodeada das pessoas que amo e ter, claro, saúde, que é indispensável para isto tudo, e sorte. A sorte e a saúde não se controlam, o resto, trabalha-se para isso.
– Manteve durante muito tempo um relacionamento que entretanto chegou ao fim...
– Tento salvaguardar ao máxi­mo a minha vida pessoal... O que posso dizer é que estou solteira e muito feliz.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras