Nas Bancas

Realizada e feliz, Mariza reconhece: “Tenho a família que sempre idealizei”

A CARAS acompanhou Mariza no dia em que recebeu o prémio Artista Womex 2014, em Santiago de Compostela. 

Joana Brandão
7 de dezembro de 2014, 14:00

Aos 41 anos, Mariza sente-se uma mulher plena. Com uma carreira de sucesso, leva o nome de Portugal a todo o mundo, distingue-se pela voz e carisma e o reconhecimento é diário. Doze anos depois de se ter dado a conhecer ao mundo naquela que é a maior montra de world music, a fadista recebeu o prémio Artista Womex 2014 – equivalente ao Grammy da world music – numa cerimónia emotiva e com grande significado para ela.
Com milhares de discos vendidos e inúmeras distinções, a fadista vive uma nova fase e, em conversa com a CARAS, conta o que mudou nestes três anos com o nascimento do filho. Fruto do casamento com o empresário António Ferreira, Martim é o centro das atenções da cantora que, diz, reaprendeu a viver e a dar valor ao que é realmente importante.
Feliz e serena, para 2015 promete um novo álbum, com uma sonoridade que represente melhor a sua vida de hoje.
Doze anos depois de se ter estreado naquela que é uma das maiores montras de músicas do mundo, voltou para receber o prémio Artista Womex 2014. Em palco, apresentaram-na como “a nova Amália”. Como se sentiu?
Mariza – Fiquei muito emocionada e houve um momento em que quase comecei a chorar. À saída do palco procurei os olhares das pessoas, como faço sempre, porque é importante para mim, e senti um carinho tão grande que quase desabei. Odeio chorar em público, acho que é muito feio.
Porquê?
– Há pessoas que olham para mim e percebem o que estou a sentir, mas é possível que haja quem pense que estou a “fazer fita” e é isso que me faz confusão. Não consigo equacionar que alguém possa achar que o que eu estou a fazer é falso, porque quando subo ao palco não há um momento que seja maquinado.
Durante a sessão fotográfica, a caminho do auditório, aproveitou para passear um bocadinho e até comprou uns brincos. Consegue ir conhecendo os locais por onde passa?
– Foi uma manhã atípica, mas gostei do passeio. E como me tinha esquecido de trazer brincos, vi estes e achei-os bonitos. Mas não é muito usual ter este tempo. Desde que o Martim nasceu que, quando tenho de viajar, saio de Lisboa o mais tarde possível e tento regressar o mais cedo possível, para poder estar com ele.
– Como diz a sua nova música, “o tempo não para”. A falta de tempo é um dos males do século XXI...
– Há dias fui jantar com o Miguel Gameiro e perguntei-lhe como é que ele se lembrou de escrever esta letra. Ele contou-me que estava a conversar com a mulher e ela sugeriu que ele escre­vesse algo que tivesse a ver comigo e falasse de tempo. E assim nasceu a O Tempo Não Para. Disse-lhe que foi a mão de Deus que o ajudou, porque não podia ser mais assertiva. É exatamente isto que peço a Deus todos os dias, que me dê tempo para ver o meu filho crescer. Quero muito que ele seja um homem às direitas.
– Mas a verdade é que o tempo não para e o Martim já tem três anos. Como tem sido?
– Têm sido três anos maravilhosos. Sou uma mãe muito babada e o Martim surpreende-me todos os dias. Ele é bilingue, fala português e inglês, e, como todas as crianças bilingues, ainda fala pouco. Então, está na fase em que mistura as duas línguas na mesma conversa, é muito engraçado. E também gosta muito de cantar, é super afinado, e é louco pela guitarra portuguesa. Às vezes chega ao pé de mim com a guitarra pequenina que tem e pede-me para cantar as músicas dele. Mas também adora esse tema de que falávamos, fica quietinho a ouvir. E quando eu pergunto de quem é a música, ele responde que é do Martim.
Hoje tem uma vida plena, com uma família feliz e uma carreira de sucesso.
– É maravilhoso poder ter os dois lados da moeda. Não podia escolher uma vida melhor. Tenho a família que sempre idealizei: um marido fantástico, os meus pais são os meus heróis, e o meu filho veio ensinar-me o que é o amor. O Martim ensinou-me o que é realmente importante. Às vezes olho para ele e digo: és tão pequenino e consegues ensinar-me tanto... Ele tem um peso incrível na minha vida e não há nada que eu faça sem pensar na família. Antes só pensava na música. Hoje continuo a precisar de música para respirar, mas tenho uma família que amo e está sempre no meu pensamento.
Planeado não poderia ter corrido melhor: durante 12 anos construiu uma carreira de sucesso e agora pode geri-la mais tranquilamente...
– É por isso que acredito em Deus e no destino. Cada vez tenho mais a certeza de que nada na vida acontece por acaso. Mesmo nada. Às vezes acontecem coisas que nos fazem questionar tudo, mas, mais cedo ou mais tarde, acabamos por perceber o seu sentido. Hoje vivo intensamente, estou a redescobrir-me, e a descobrir o amor, a família.
Renasceu depois do grande teste que foi o nascimento do Martim, que nasceu prematuro. Imagino que tenha questionado tudo...
– O nascimento do Martim foi um teste gigante... E sim, questionei Deus, a minha vida e se queria voltar a cantar. Acho que se tivesse acontecido alguma coisa ao Martim nada mais faria sentido.
– Três anos depois, acha que o que aconteceu foi um teste para saber quão forte é?
– Foi. Testei a minha capacidade de encaixe e aprendi imenso. São provas que doem muito, que põem a vida à prova, mas acredito que há pessoas que já passaram por coisas piores. Há três anos Deus mostrou-me que, afinal, a música não é o que vem em primeiro lugar na vida, como eu pensava. Em primeiro lugar está este ser humano que me veio pôr à prova. Quando estive internada, antes do nascimento do Martim, o meu marido perguntou-me muitas vezes se eu tinha a certeza do que estava a fazer e eu pedi-lhe para confiar em mim, sabia que ele ia nascer. Quando o Martim nasceu é que questionei a decisão que tinha tomado: afinal, tinha sido eu a decidir não interromper a gravidez. Seria correto colocar o meu filho, o meu marido, os meus pais, naquele sofrimento atroz? Quando se vê um bebé tão pequenino, com 500 gramas, a lutar todos os dias, questiona-se tudo. Mas quando ele veio para casa foi inacreditavelmente bom.
Pensa ter outro filho?
– Sinceramente, nunca pensei nisso, mas a verdade é que também nunca tinha pensado em ter filhos. Sempre disse que um dia havia de acontecer até que aconteceu. E ainda bem que aconteceu. Acho que se tiver mais um filho é porque tem de ser, porque Deus quis. Mas não gosto de fazer grandes planos porque a vida com planos não tem muito interesse. O Martim é um menino super feliz, tem muitos amigos, e não sei se irá sentir falta de um irmão se isso não acontecer. Não sei o que a vida me vai trazer, mas a verdade é que tenho 41 anos e seria uma grávida de risco. Está na mão de Deus e do destino.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras