Nas Bancas

José Costa Reis: “Gosto de partilhar tudo, sobretudo aquilo que sei”

O figurinista, cenógrafo e pintor recebeu a CARAS na sua casa na Graça, em Lisboa.

Inês Neves
30 de novembro de 2014, 14:00

Raramente dá entrevistas, mas para a CARAS José Costa Reis abriu uma exceção e recebeu-nos em sua casa, na Graça, em Lisboa. Durante uma manhã, o reconhecido pintor, cenógrafo e figurinista partilhou connosco histórias de uma carreira de quase 50 anos e falou-nos do seu maior projeto de vida, ser pai, e do orgulho que tem no filho, o ator Paulo Rocha. Mas como o pretexto desta ‘visita’ foi o seu trabalho no espetáculo Portugal à Gargalhada, de Filipe La Féria, José também nos levou ao Politeama, onde nos mostrou alguns dos 250 fatos que desenhou para esta produção.
– Raramente dá entrevistas. Quase toda a gente conhece o seu nome, mas não a si...
José Costa Reis – Pois, esta foi uma exceção, sobretudo porque acho que também tenho o dever de promover este grande espetáculo, o Portugal à Gargalhada. Não que ele precise que eu o promova, porque é realmente muito bom... Eu não gosto muito de aparecer e cada vez menos, acho que a partir de uma determinada idade o melhor é estar quieto e sossegado e prefiro que o meu nome seja mais conhecido do que eu próprio. Eu adoro isso, é excelente andar na rua e não ser reconhecido. Mas o curioso é que quando vou ao Porto muita gente me aborda na rua a dizer que conhece o meu trabalho. Aqui em Lisboa acho que isso me aconteceu umas duas vezes.
– Mas seja em Lisboa ou no Porto, sabe que é uma referência na sua área...
– Surgiu uma onda, há cerca de um ano, de toda a gente me tratar por mestre. O que quer dizer que estou a ficar velho [risos]. Acho é que não há muitos termos de comparação, infelizmente. Há poucas pessoas a trabalhar nesta área e também há poucos espetáculos que se possam dar ao luxo de investir numa grande produção. Os materiais custam muito dinheiro, as pessoas têm de ser pagas e demora tempo. Achei que a partir de determinada altura não deveria fazer certas coisas, nomeadamente estar a pintar fatos. Podia pintar um, mostrar como é que se faz... mas nós não podemos fazer só aquilo que é da nossa competência quando é preciso fazer. É o nosso nome, o nosso trabalho, que está em jogo, por isso, se é preciso pintar seis saias de bailarina mais duas para as atrizes, pinto. Por exemplo, neste espetáculo do Filipe La Féria tenho em cena 250 fatos.
– E dese­nhou-os todos...
– Sim, desenhei-os todos, acompanhei as provas de toda a gente, de bailarinos a primeiras figuras, não vai ninguém para cena que eu não veja e ponho o mesmo empenho em todos.
– Ainda se lembra do primeiro espetáculo que fez?
– Sim, foi feito em 1967 e estreou em 1968, chamava-se Amor 68. Só desenhei os figurinos, não me lembro de pormenores...
– E ao fim de tantos anos a trabalhar nisto, ainda faz as coisas com o mesmo gozo?
– Não se pode fazer de outra maneira, tem de se fazer sempre com o mesmo empenho e entusiasmo, porque cada espetáculo é diferente e depois é muito agradável quando nos sentamos e olhamos para o resultado. Estas profissões da área artística têm de ser encaradas com prazer, paixão, entrega, muito empenho e dedicação total. Por exemplo, um espetáculo destes tem tudo: colares, sapatos, brincos, lacinhos, gravatas, faixas, chapéus... Quando digo 250 figurinos, refiro-me ao conjunto completo, porque se multiplicarmos isto por peças... nem lhes fiz a conta. Tem de ser mesmo por amor.
– Um amor sem o qual não se consegue imaginar? Não pensa parar, deixar de trabalhar?
– Acho muito difícil. Para mim, descansar é fazer outra coisa, é pintar, é fazer coisas para esta casa... Oitenta por cento das coisas que estão aqui foram feitas por mim: bibelôs, quadros, peças... Também restauro peças degradadas. Tenho de estar sempre a fazer qualquer coisa. Acho que é uma grande maçada não fazer nada. Os chine­ses dizem uma coisa fantástica: “Ocupar as mãos para libertar o espírito.” E acho que grande parte da minha sanidade mental e boa disposição se devem a esta ocupação, de ter a sorte de fazer as coisas de que gosto e estar sempre disponível para ajudar gente mais nova. Não temos de guardar as coisas só para nós, gosto de partilhar tudo, sobretudo aquilo que sei. Todos os dias tenho pessoas a telefonarem-me a perguntarem-me coisas, onde se vende isto, como se arranja aquilo...
– Ser pai é o maior projeto que pode ter...
– Ser pai é uma coisa que acrescenta coisas impensáveis à vida e é uma tarefa para sempre. Apesar de o Paulo estar no Brasil, não estamos afastados, falamos muitas vezes. E ainda hoje ele não vai a lado nenhum, a uma inauguração, a uma estreia, que não me telefone pelo Skype a perguntar que sapatos deve levar, que gravata fica melhor, se vai de fato ou em mangas de camisa. Ele está agora a fazer a novela da Globo Império, onde faz de um pintor que falsifica quadros, e veio uma semana para aqui aprender comigo, para saber como se mexe nos pincéis, como se mexe as tintas, a postura junto aos quadros e aos cavaletes. Foi muito giro, passámos aqui uma semana muito engraçada.
– Quer que ele volte para Portugal?
– Tenho imensas saudades dele, mas o melhor para ele é ficar por lá. Preferia, claro, que tivesse uma carreira aqui, mas não há condições para isso. O Paulo aqui nunca teve um contrato. Chegou à Globo como ator convidado, fez uma novela e a seguir fizeram-lhe logo um contrato. E a Globo não faz favores, não é por ele ser giro e ter uns olhos bonitos que quiseram ficar com ele. Tenho muito orgulho nele.
– Conhecendo este meio artístico como conhece, tentou ajudá-lo ou deixou que ele conseguisse as coisas por si?
– Ele fez sempre tudo sozinho. Nem sequer tenho influências para isso nem sou pessoa para pedir favores. Ajudei naquilo que podia enquanto pai, dando opiniões, encorajando-o e prote­gendo-o.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras