Nas Bancas

Manuel Luís Goucha contra a violência doméstica

“Uso todos os meios ao meu alcance para o denunciar e levantar questões”

Redação CARAS
2 de novembro de 2014, 13:18

"Sou dos que não se cala perante o crime de violência doméstica. Uso todos os meios ao meu alcance para o denunciar e levantar questões. Se já o fazia na televisão, faço-o agora também no meu blogue”, escreve Manuel Luís Goucha na sua página de Facebook, remetendo para o texto da sua autoria, intitulado Até que a Morte nos Separe?, e que a CARAS aqui reproduz:

“Trinta e duas mulheres perderam a vida às mãos dos namorados ou companheiros e ainda o ano não se finou. O número dá que pensar: em que falhámos na luta, já de décadas, contra a violência doméstica? O que falta às mulheres moídas de pancada para que entendam, de uma vez por todas, que têm de vencer o medo de apresentar queixa, de denunciar, de dizer basta, antes que a morte aconteça? Em nome de quê suportam a humilhação e aniquilação? Em nome do amor que os seus algozes juram? Que amor? O amor é o que temos de melhor a propor, não o pior. O amor transcende, não mata. E nós, os que estamos, ou nos colocamos, de fora, que fazemos? Pactuamos através da nossa apatia ou antes agimos delatando a agressão que sabemos existir na casa de amigos, familiares ou vizinhos? É crime público, sabemo-lo desde 2007, e então? Reduzimo-nos, covarde e criminosamente, à condição de cúmplice ou assumimos, na prática, a nossa indignação?

E que apoio efectivo é dado às mulheres vítimas de agressão? Sabemos do trabalho das várias associações no terreno, mas será este suficiente? E a Justiça? Terá ela mão pesada para com estes criminosos? Depende de quem julga, mas ouvir de um juiz que “uma bofetada dada numa mulher nem sempre é violência!” não me deixa grandes dúvidas. Há toda uma pedagogia a fazer, na escola, nos locais de trabalho e até em altas instâncias, onde muitos vestem a “pele de cordeiro”.
Quantas perguntas e inquietações! Certeza, mesmo, só tenho uma, abjecta, implacável:
trinta e duas mulheres foram mortas, este ano, pelos “seus” homens. Homens?
Homúnculos é o que são. Ser Homem é outra coisa!

www.apav.pt
Linha de apoio à vítima
707 200 077

 

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras