Nas Bancas

Manuel Luís Goucha revela que a mãe está a recuperar de um cancro da mama

“Orgulho-me de ser um filho dedicado, atento e presente.” (Manuel Luís Goucha)

Redação CARAS
31 de outubro de 2014, 13:00
O acidente doméstico que Maria de Lourdes Sousa sofreu no passado dia 13 – um ferimento no pescoço que a obrigou a receber cuidados médicos nos Hospitais da Universidade de Coimbra – acabou por desencadear as preocupações de Manuel Luís Goucha em relação à mãe, com quem tem uma relação de enorme cumplicidade e respeito. 
Confrontado com a publicação de notícias que referiam que o acidente teria resultado de uma chamada de atenção aos filhos ou que Maria de Loures se sentiria solitária, o apresenta­dor, de 59 anos, rompeu o silêncio e, através da sua página de Face­book, negou estas acusações e confirmou que a mãe está a recu­perar de um cancro da mama. 
“Cancro? Sim, é verdade. Teve-o, infelizmente, como milhares e milhares de outras mulheres. Foi-lhe detetado há um mês e meio (cancro da mama lobular) e ficou resolvido em duas semanas. (...) Foi submetida a uma mastectomia unilateral na Clínica Sanfil, em Coimbra, e nessa tarde, logo após a apresentação do Você na TV, estava a seu lado jubilando pelo facto de a ver bem disposta, sem dores, como se nada fosse. Cinco dias depois teve alta e regressou à sua casa, sem necessidade de outro tratamento que não seja o hormonal. Um cancro de mama aos 91 anos, mas também a prova de que o cancro pode morrer em vez de matar. Solidão? Em momento algum. A minha mãe vive em Coimbra porque assim o quer. Está na mesma cidade onde vive um outro filho, nora e netos, que a visitam diariamente. Tem a companhia, de manhã à noite, de uma senhora com quem passeia pela baixa da cidade, faz compras, vai ao cabeleireiro, visita as amigas... É ela quem gere o seu tempo e a sua vida, não permitindo qualquer intromissão que seja, mesmo dos filhos. Vem a minha casa quando lhe apetece, não sem antes me advertir que não tolera que eu altere as suas regras. Confesso que me agrada esta independência e até rebeldia, por nela me rever, e entendo que a devo respeitar e promover o mais possível. Tirar um(a) velho(a) lúcido(a) e autónomo(a) do seu ambiente é “matá-lo(a)”. E esse é atualmente o meu maior dilema: quero-a comigo mas sei que o que ela quer é a sua casa. Irritado? Eu? Sim, pelo “circo” montado à volta de um acidente doméstico que outros rotularam de “chamada de atenção”. Chamada de atenção? Porquê? Para quê? [...] Se é verdade que, como ser humano, terei muitas falhas, que aliás procuro trabalhar diariamente, orgulho-me de ser um filho dedicado, atento e presente. Diria mesmo: sei que sou um filho excecional. Não por ser a minha mãe, mas por ser uma mãe que merece que eu assim seja.”

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras