Nas Bancas

Rosarinho Cruz: Paixão hereditária pela arte

A pintora reuniu a família na abertura da sua nova exposição, 'A Hereditariedade na Arte'.

Redação CARAS
6 de julho de 2014, 18:00

Sempre que fala do pai, o aguarelista António Cruz, os olhos de Rosarinho Cruz brilham. Ele é a grande influência na vida da pintora e designer de joias, tema que dá título à exposição patente na Casa Museu Guerra Junqueiro, na Sé do Porto: A Hereditariedade na Arte
“Não sei se a paixão que tenho pelo que faço é hereditária, mas sinto que estou ligada ao meu pai quando traba­lho. Talvez esta seja uma forma de colmatar a saudade que sinto. A morte do meu pai foi o acontecimento mais violento da minha vida e esta pode ser a forma que encontrei de o continuar a ter presente no meu dia-a-dia”, explica Rosarinho, que acrescenta: “A saudade e o que par­tilhamos faz com que eu crie o que crio.”
Trinta e um anos após a morte do pai, Rosarinho continua a falar dele no presente. “Eu e o meu pai temos uma ligação muito forte, sei que ele me está a ver e está orgulhoso em mim”, diz, referindo que quando está a trabalhar tem sempre por perto um livro com as aguarelas do pai.
Feliz com esta retrospetiva, Rosarinho partilhou o momento com o namorado, Nuno Pinto Leite, os filhos, João, Marta e Manuel, e com o neto, Mateus, de ano e meio, filho de Marta: “Estou a adorar ser avó, ele está numa fase muito gira e é um miúdo super independente. E já deu para perceber que gosta de pintar, diverte-se quando lhe dou pincéis.”

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras