Nas Bancas

Festival Música em Leiria anima a cidade durante vários dias

Festival mais antigo do país decorre entre 30 de maio e 28 de junho

Redação CARAS
14 de maio de 2014, 14:25

Organizado pelo Orfeão de Leiria Conservatório de Artes (OL|CA), o Festival Música em Leiria decorre entre 30 de maio e 28 de junho sob a direção artística de Miguel Sobral Cid, diretor adjunto do Serviço de Música da Fundação Calouste Gulbenkian.

O festival mais antigo de Portugal, que agora celebra a sua 32.ª edição, é composto por sete espetáculos que oscilam entre a música e a dança. Tendo como palco dois teatros leirienses, o Teatro José Lúcio da Siva e o Teatro Miguel Franco, todas as iniciativas se realizam às 21h30.

Este ano a programação inicia-se a 30 de maio com Perccussive Sung Songs de Rita RedShoes e Nuno Aroso, uma performance que junta em palco diversos instrumentos como marimba, tambores vários, guitarras, organetas, eletrónica, vibrafone, kalimbas e até instrumentos reciclados como espátulas de pintura, plásticos ou ruidosos rádios.

A 8 de junho juntam-se em palco o Coro do Orfeão de Leiria, o Coro da Câmara do Orfeão de Leiria, o Royal Voices Choir e a Orquestra Sinfónica de Leiria interpretando o Requiem de Fauré, obra que poderá, isoladamente, definir por completo o seu autor, e por isso uma circunstância rara na história da música. Neste espetáculo único serão ainda apresentadas obras em estreia absoluta de compositores do Orfeão de Leiria.

A música das PortuGoesas chega para nos conquistar a 19 de junho, através de um reportório baseado num dos cancioneiros menos conhecidos da lusofonia – Goa, Índia. E como habitualmente no percurso do trio, as abordagens clássicas complementam-se com as interpretações de temas tradicionais e populares portugueses, onde pontua um arranjo ousado para um tema de Manuel Freire.

No sábado seguinte, 21 de junho, a música europeia e norte-americana vai estar em destaque através da Orquestra Filarmonia das Beiras que com a sua atuação irá traçar uma linha que nos leva de Richard Wagner a Aaron Copland e que passa por Bohuslav Martinú e Igor Stravinsky, precisamente dois dos compositores que fizeram a ponte entre os dois continentes.

O piano de Joana Sá traz, a 26 de junho, o “Elogio da Desordem”, um monólogo interior para piano semi-preparado acompanhado por instalação de campainhas e sirenes, toy piano, caixas de ruído, mini-amplificadores, voz e eletrónica. Aproximando-se do teatro instrumental, Elogio da Desordem procura um discurso musical no qual irrompe ocasionalmente a palavra.

O festival Música em Leiria termina a 28 de junho com a dança da Companhia Olga Roriz que leva ao palco do Teatro José Lúcio da Silva o espetáculo A Sagração da Primavera. Trata-se de um duplo desafio para esta reconhecida artista: a revisitação de uma obra maior como é A Sagração da Primavera e a insistência na sua longevidade como bailarina e intérprete.

Os bilhetes para o festival Música em Leiria vão estar à venda a partir de 5 de maio no Orfeão de Leiria Conservatório de Artes (onde também podem ser feitas reservas), na bilheteira do Teatro José Lúcio da Silva e online: www.teatrojlsilva.pt

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras