Nas Bancas

António Pedro Cerdeira apaixonado: "A Susana tem muito a ver comigo na forma de estar"

O ator fala da fase feliz e serena que vive junto da namorada, Susana Silva, e dos novos desafios profissionais.

Andreia Cardinali
6 de abril de 2014, 14:00

Depois de ter vivido uma fase mais atribulada na sua vida amorosa com o fim do casamento com Rita Guerra e a relação com a atriz Sofia Grillo, o que coincidiu com um momento de alguma estagnação profissional, António Pedro Cerdeira sente-se agora "muito mais completo e sereno”. O ator trocou o contrato de um ano que tinha com a TVI pela participação na série da RTP Bem-Vindos a Beirais e ainda voltou a encontrar o amor, junto de Susana Silva.
Durante a conferência de imprensa de apresentação do filme Sei Lá, de Joaquim Leitão, cujo elenco integra, o ator falou desta fase.
– O cinema é fundamental para um ator?
António Pedro Cerdeira –
Muito. Con­sidero-me um ator com técnica em televisão e teatro e alguma em cinema, mas descobri neste filme, através do Joaquim, muita coisa que desconhecia. Há um modo de representação diferente que nos enriquece. Aprendi muito. É raro o trabalho que não me deixa nervoso, o que é muito bom, pelo desafio que traz.
– Trocou o contrato de um ano na TVI pela participação numa série. Nesta fase de crise, é preciso ter coragem...
Sim e às vezes ainda paro para pensar se fiz bem. Segui a minha intuição, mas também me aconselhei e a maior parte das pessoas dizia-me para não o fazer e eu fiz exatamente o contrário. Acima de tudo, foi um ato de coragem e de verdade para mim mesmo. Sentia-me de alguma forma estagnado. Devo muito à TVI, também dei muito, mas pontualmente senti-me desvalorizado. Senti que precisava de um estímulo, mesmo sabendo que ia correr riscos financeiros. Uma coisa é ter um contrato de um ano, outra embarcar num projeto que depende das audiências. Sentia-me acomodado e achei que era importante trabalhar com outras pessoas.
– E esta série é o desafio que procurava?
Obriga-me a ter um lado mais sério como ator, com um toque de comédia suave. Obriga-me a trabalhar noutras coisas. É um projeto feito com solidez e tenho-me sentido muito bem.
– Esta forma de encarar a vida sem medos, com a capacidade de sair da zona de conforto, é também um exemplo de educação para os seus filhos, Lourenço, de 12 anos, e António, de nove...
Creio que sim. Acho que é importante arriscarmos e pelo menos tenho orgulho que eles possam saber que o pai não teve receios. Conversei com eles e expliquei-lhes que faz sentido acreditarmos na nossa intuição. Mesmo que as coisas corram mal, posso dizer que tentei e não me acobardei. Nunca tive medo de trabalhar. Se tiver de fazer outra coisa na minha vida, faço-o tranquilamente, aos meus filhos nunca faltará nada. Faço tudo para que não lhes falte nada, mas também não me quero aburguesar por isso.
– Agora que eles estão mais crescidos, já se queixam das suas ausências?
Nunca senti isso da parte deles. Falo com eles todos os dias e sou muito presente. Tenho uma relação ótima com eles e sinto-os muito próximos.
– Entretanto, refez a sua vida amorosa...
Sim, é verdade. Estou ótimo, a viver a vida com calma. Não programo as coisas, tudo acontece naturalmente. Tenho tido um lado mais exposto, por ter tido relações mediáticas, mas neste caso a Susana não tem nada a ver com o meio. Foi algo que aconteceu naturalmente e que tenciono continuar a descobrir com calma. Apesar de ser ambicioso, nunca tive metas a atingir e gosto de ir usufruindo do que o presente me dá.
– Foi a Susana que trouxe essa tranquilidade visível ou também tem a ver com a idade?
Acho que as duas coisas. Cada vez procuro mais ter uma vida recatada e a Susana partilha isso comigo. Uma relação séria espelha duas pessoas. Uma influencia a outra e elas de certa forma tornam-se parecidas. Numa relação a sério as pessoas beneficiam. A Susana é uma mulher com M maiúsculo e isso também traz um lado bom, de segurança. Tive relações que não me davam isso, por diversas razões, o que fez com que falhassem. A Susana tem muito a ver comigo na forma de estar e encarar a vida.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras