Nas Bancas

Dânia Neto: “Já acreditei no amor para a vida toda”

A atriz de ‘Sol de Inverno’, da SIC, conta com dez anos de carreira na área da representação e tem deixado para segundo plano a sua vida pessoal, da qual faz parte o desejo de ser mãe.

Cristiana Rodrigues
23 de março de 2014, 12:00

Deixou o Algarve aos 17 anos e instalou-se em Lisboa para cumprir alguns dos seus sonhos. Tornou-se modelo, deu os primeiros passos na representação, em Maré Alta e Morangos com Açúcar. Seguiram-se algumas participações em séries e novelas, mas pelo meio pensou desistir e regressar a casa. Precisava de alguma estabilidade financeira. Acabou por trabalhar como barmaid numa discoteca para conseguir pagar as contas ao fim do mês e entretanto acabaram por surgir oportunidades de trabalho na sua área. Laços de Sangue deu-lhe visibilidade, Rosa Fogo trouxe-lhe popularidade. Agora, em Sol de Inverno, interpreta a secretária Benedita, que vive um triângulo amoroso. E por falar em amor, este é um capítulo da vida de Dânia que, por enquanto, está suspenso.
– Na novela vive um triângu­lo amoroso e a sua personagem passa a ser a má da fita...
Dânia Neto –
Toda a gente tem a ideia de que a amante é a vilã de um trio amoroso, mas quando existe uma relação sólida e bem resolvida, não há espaço para entrarem terceiras pessoas... Não desejo isso para mim nem para as pessoas de quem gosto, porque acho que são relações que não são saudáveis, mas existem.
– Vai viver um amor que não corresponde aos seus desejos... Já lhe aconteceu?
[risos] Bem, eu nunca vivi um amor impossível.
– Vive sempre em busca do amor?
Acho que a vida de todos nós anda muito à volta do amor nas relações, sejam familiares, sejam de amizade ou entre um homem e uma mulher. É fundamental para nós, seres humanos, sermos amados e darmos amor.
– Antes de começarmos a entrevista dizia-me que gostaria de ser mãe. Sente o tempo a passar?
Fiz 30 anos e confesso que gostaria de ser mãe não muito tarde, mas neste momento não tenho planos, aliás, antes disso tenho de encontrar um pai para a criança! [risos]
– O facto de não assumir uma relação faz com que se especule sobre a sua vida e são-lhe atribuídos namorados. Como é que encara isso?
No início ria-me muito, mas depois houve uma altura em que começou a incomodar-me.
– Chegou a falar-se num romance com o Futre...
Sim, e na altura em que surgiu esse boato deu-me vontade de rir, porque eu tinha-o visto apenas três vezes e achei incrível como é que já diziam que tínhamos um caso. Mesmo tendo ele uma namorada espanhola, a imprensa continuava a escrever que tínhamos um romance, e houve uma altura em que começou mesmo a ser maçador.
– É difícil garantir a sua privacidade?
As pessoas gostam de saber um bo­cadinho mais sobre quem aparece na televisão, mas a exposição que tenho é consequência do meu trabalho. As pessoas olham para mim com carinho e tratam-me sempre bem, por isso, respeito a sua curiosidade, mas também peço que respeitem o lado mais íntimo da minha vida.
– É filha de pais separados. Quando se vive essa experiência, quer-se um amor para a vida ou não se acredita nele?
Durante muito tempo, acreditei que era possível um amor para a vida, mas hoje não sei responder a essa pergunta com tanta certeza. [risos] Admiro os casais que estão juntos há mais de 50 anos e que continuam a olhar de forma carinhosa um para o outro. Gostava de ter essa relação de amizade, amor, irmandade. Vamos ver o que o futuro me reserva...

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras