Nas Bancas

AVidaUmPresente_k.jpg

D.R. / Getty Images / Reuters

María de Villota: Autobiografia da piloto espanhola que morreu em 2013

Depois do gravíssimo acidente que sofreu em julho de 2012, María conseguiu recuperar saúde suficiente para ir retomando a vida normal a pouco e pouco e até se casou. Tinha esperança na recuperação, mas acabou por sobreviver pouco mais de um ano.

Redação CARAS
19 de março de 2014, 01:23

No dia 2 de julho de 2012, no aeródromo de Duxford, Inglaterra, durante uma sessão de testes a um carro de Fórmula 1, a piloto espanhola María de Villota, de 32 anos (filha do ex-piloto de F1 Emilio de Villota), sofreu um acidente que a deixou entre a vida e a morte. Um ano depois, terminou um livro em que falava da sua experiência e da forma como o acidente, no qual perdeu um olho, a fez encarar a vida de outra forma. As sequelas, infelizmente, foram inultrapassáveis, e a espanhola acabaria por morrer a 11 de outubro de 2013, quando já fazia uma vida razoavelmente normal e três meses depois de se ter casado com Rodrigo García Millán. Fazemos a pré-publicação desse livro, que chega agora às livrarias portuguesas.
“María de Villota: A Vida é um Presente”
“Ter um acidente que nos dei­xa em perigo de vida pode ser uma coisa terrível, mas, se conse­guirmos salvar-nos e viver com dignidade, pode ser uma dádiva, tão grande que nos devolve a infância, nos tira de cima alguns anos e a armadura, redireciona os olhos para a alma e nos faz sentir como se tivéssemos acabado de nascer. E assim é, porque aca­bámos de nascer. (...)
Mesmo quando estamos à beira da morte, podemos decidir se continuamos a lutar ou se abandonamos o barco. Eu não vi um túnel, nem uma luz. Sou crente, mas não vi ninguém nem ninguém me disse nada. No entanto, estava a travar um combate, naquela sala de operações, ao ponto de sentir uma fadiga indescritível. Mas decidi continuar a lutar. (...) Sinto que podia ter desistido, mas a minha essência, a minha alma, decidiu continuar a lutar.”
No Hospital
“Sinto que preciso de silêncio. De descansar. Quero que parem, que acabem com aquilo.(...) Foram cinco dias em coma, três operações e mais de trinta horas de intervenções no total. ‘Ainda bem que estava em forma, María’, disseram-me mais tarde os cirurgiões. ‘Pudemos continuar a operar, porque o seu coração respondia bem.’
A realidade é que entrei na sala de operações em estado crítico e fui submetida a várias operações de alto risco por causa da lesão cranioencefálica e cerebral causada pelo impacto. A primeira e mais importante durou 17 horas e a minha família já não acreditava que conseguisse resistir. Fui operada mais duas vezes, porque a reconstrução facial também era importante e necessária.”
O Acidente
“Mais um dia de chuva no Reino Unido. (...) Era um dia por que tinha esperado. (...)Nesse dia, daria mais um passo na minha carreira; não era um dia difícil, mas era importante, muito importante para mim.
Quando entra no carro, o piloto de corridas não sente medo. Não é por sermos loucos, mas porque trabalhamos minuciosamente no pormenor, no controlo, na segurança. Sentimos que está nas nossas mãos.
Nesse dia, não esteve. Nos meus pesadelos e fora deles, revivi vezes sem conta cada pormenor daquele momento e não havia nada que eu pudesse ter feito para alterar o resultado. Naquele aeródromo de Duxford, poucos minutos depois de começar o teste, iria haver uma certidão de óbito. A minha.
Lá no alto não quiseram que eu morresse e, agora, só quero que o que me aconteceu não se repita. (...)”
A Família
“Uma ambulância chegou ao hospital de Addenbrooke. (...)Cheguei com a cara desfeita mas com vida, acompanhada pela minha irmã mais velha, Isabel. (...) Os meus pais, o meu irmão Emilio e o meu namorado, Rodrigo, apanharam um avião assim que souberam. (...) Encontraram-se todos nas urgências, em Cambridge. Nenhum deles fala comigo sobre esse momento. Penso que há sentimentos que não é possível expressar.
(...) Só os meus pais e a minha irmã foram autorizados a ver-me, por causa do aspeto horrível que eu tinha. Prefiro guardar para mim os pormenores. Mas estava viva. (...) Estavam preocupados porque, no momento em que tive a primeira reação, os médicos lhes disseram que não sabiam se eu ia poder mexer as mãos e os pés. Também não sabiam se ia conseguir falar, porque a rampa do camião causara uma lesão na parte frontal direita do cérebro, e isso podia igualmente acarretar problemas na gestão de tarefas e, inclusive, provocar transtornos de personalidade. O médico pediu-me que mexesse as mãos e eu respondi... mexendo-as! (...) Não sei quanto tempo passou, mas também comecei a falar. (...) O médico disse-me: ‘Foi um acidente muito grave, María. Não sabíamos se íamos conseguir salvar-lhe a vida.’ E prosseguiu: ‘María, não conseguimos salvar o seu olho.’ Nesse momento, dei-me conta de que não podia abrir o olho direito, não havia nenhum movimento, nem sequer a pálpebra se mexia.”
Perder um Olho
“Só pensava no meu olho. Chorei, ao mesmo tempo que me dava conta da presença da minha família, que me beijava com o olhar. Creio que ainda chorava com os dois olhos: pelo menos foi o que senti. Desde esse dia, já só choro com um. Acabei por me render. (...) Dizem que, quando acordei pela primeira vez, perguntei pelo Rodrigo. Não me lembro disso. Recordo-me, sim, de que ele estava sempre presente nos meus sonhos. Encontrava-me na cama, quando o vi espreitar à porta do quarto. Sorria e aproximou-se para me pegar na mão. Estava ali! Que alegria! (...) Não tinha consciência de que estava a ver-me com mais de cem pontos na cara, com a pálpebra fechada e gases a tapar o osso lacrimal, para proteger o enxerto de pele que tinham tido que fazer. Além disso, tinha metade da cabeça rapada, não mexia bem os músculos da cara e o meu sorriso era só meio sorriso. Mas eu não sabia disso. (...)
A operação para tratamento da lesão cranioencefálica parecia ter sido um êxito: tinha cinco placas de titânio na cabeça, mas o que mais os preocupava era o cérebro. Algum tempo depois, fiquei a saber que perdera massa cerebral, ou seja, um pedaço do cérebro.”
Ao Espelho
“Passei por uma casa de banho e disse à minha mãe que parasse: havia um espelho, mas penso que ela não teve consciência da minha intenção. Olhou para mim diretamente, enquanto eu ficava estupefacta. Caiu-me a alma aos pés. Vi a cara de uma mulher com o semblante contorcido, atravessado por uma cruz de pontos que ia da testa ao canto da boca, passando pelo nariz. A pálpebra direita estava fechada, mas a minha cara estava tapada por uma gaze unida por pontos, desde o osso lacrimal, e a pálpebra inferior era contornada por mais uma cicatriz que ia até à orelha e me dava a volta à cabeça. A minha expressão facial era uma careta, os músculos não eram simétricos, a minha cara não era simétrica, o lado direito da minha cabeça parecia ter sido passado a ferro. No pescoço havia outro corte profundo e feio. Do mais fundo do meu ser, e quase como um suspiro, disse: ‘Quem é que vai gostar de mim?...’ A minha pobre mãe (...) não conteve as lágrimas e, quando vi a cara dela, a minha atitude mudou radicalmente, como se tivesse acordado daquele pesadelo. Então, gracejando, disse ao espelho: ‘Vai-te embora, bicho!’ E desatei a rir. Apesar de ainda ter lágrimas nos olhos, a minha mãe não conseguiu deixar de se rir também. Levou-me para o quarto e comuniquei a toda a gente que já me tinha visto ao espelho. (...) Tínhamos dado mais um passo.”
Rodrigo
Depois de me ter visto ao espelho (...) preocupava-me aquilo que o Rodrigo sentiria e o nosso futuro. (...) Ele sentou-se no lado esquerdo da cama e, num alarde de coragem, tentei afastá-lo. Disse-lhe que ainda não sabíamos como ia ser o meu futuro, se poderia ser uma mulher independente (...) ‘Não quero que estejas comigo por pena’ (...) Fiquei à espera da resposta, com um nó na garganta. Aquilo saiu-me de uma tirada, sem que a voz me tremesse, sem chorar, mas sabia que estava à beira do abismo. Ele pegou-me na mão e disse que, apesar de tudo, estava apaixonado. Que, antes de me ver não sabia como ia reagir mas que agora tinha a certeza de que queria estar comigo. (...) Foi um momento crucial para o meu regresso à vida, porque comecei a sonhar, comecei a contagem a partir do zero.”

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras