Nas Bancas

Ute Lemper: “Aos 50 anos ainda me sinto uma mulher bonita e elegante”

A cantora alemã deu uma entrevista exclusiva à CARAS onde fala do amor pelo marido e pelos quatro filhos.

Cristiana Rodrigues
16 de março de 2014, 10:00

Veio a Portugal no dia 21 de fevereiro, para cantar poemas de amor do chileno Pablo Neruda no Grande Auditório do CCB, e foi a propósito deste regresso ao nosso país que Ute Lemper falou com a CARAS. A cantora alemã respondeu por e-mail a todas as nossas questões e, aos 50 anos, mostrou estar de bem com a vida. A residir em Nova Iorque, foi casada uma primeira vez com o ator David Tabatsky, pai dos seus dois filhos mais velhos, Max, de 19 anos, Stella, de 17, e desde há 15 anos que vive um amor sólido com o produtor Todd Turkisher, de quem tem também dois filhos, Julian, de oito, e Jonas, de quase três. E foi sobre a sua vida pessoal que incidimos nesta entrevista, já que a carreira desta talentosa artista, que já interpretou Jacques Brel, Kurt Weill, Astor Piazzolla ou Edith Piaf, está devidamente documentada.
– Tinha 31 anos quando foi mãe pela primeira vez e 47 quando nasceu o seu filho mais novo. Como é que se vive a maternidade numa e noutra idade?
Ute Lemper –
Foi muito mais difícil com 31! O primeiro bebé foi um choque, mas também um maravilhoso acordar para um mundo diferente. Descobri a mais bonita e incondicional forma de amar. E isso é a mais simples e eterna maravilha da minha vida. Adoro a minha vida com crianças, é de doidos, muito cansativa, mas animada. O meu último filho é muito fácil e sinto que nasceu numa grande família. Sou muito organizada a cuidar deles e tento ajudá-los em tudo.
– E quando anda em digressão, como é que faz, sobretudo com os seus filhos mais novos? Ainda precisam de muita atenção...
Conto com o meu marido, uma maravilhosa babysitter, a minha sogra e outras ajudas. E claro que o irmão mais velho e a irmã ajudam sempre que podem. Mas por vezes sinto-me triste quando ando na estrada. Adoro estar em casa, mas também adoro o que faço, é definitivamente um conflito complicado de gerir!
– Os mais velhos gostam de a acompanhar?
Os meus filhos mais velhos vão comigo bastantes vezes, aliás, fizeram-no também durante a infância, têm muitos carimbos no passaporte. Só o mais novo é que não tem andado muito comigo à volta do mundo. É muito difícil tratar deles em locais com fusos horários diferentes. É muito cansativo. Era mais fácil quando eu era mais nova.
– A adolescência deles é vivi­da com tranquilidade?
Sim, os meus dois filhos adolescentes são fáceis e muito terra-a-terra. Tenho uma relação muito liberal com eles. Cresceram em Nova Iorque com uma grande confiança e com uma educação de âmbito mundial e o normal conhecimento acerca das políticas no mundo. Têm uma grande maturidade, são pessoas fantásticas e inteligentes. Eles são os meus grandes amigos.
– Com a idade deles já cantava em bares. Eles vão pelo mesmo caminho ou a juventude deles é completamente diferente da sua?
Os meus filhos não têm uma grande paixão pela música. Gostam de música, mas não têm qualquer pretensão de ser artistas. Estudam ciências políticas, francês, e pode ser que a minha filha queira estudar medicina.
– Trouxe um espetáculo a Portugal no qual interpretou poemas de Pablo Neruda. Poemas de amor. Que significado tem o amor na sua vida?
Sinto que preciso de muito amor na minha vida. Do amor da minha família, do meu marido,  dos meus amigos e da música. O amor é a chama da vida.
– Vive intensamente o amor?
Intensamente, sempre. Mas o amor também pode ser muito destrutivo. É a mais inspiradora, mais criativa e também a mais devastadora força da vida. Mas quando uma relação chega a um momento mais pacífico, com confiança e amizade, é maravilhosa e mais duradoura. Há conflitos, e é muito difícil o homem e a mulher darem-se sempre bem, por isso é bom haver momentos de separação, para se redescobrirem e perceberem o que cada um significa para o outro na sua vida. O casamento dá trabalho.
– Tem 50 anos. É uma altura de traçar novas metas e de fazer balanços?
É um período interessante de reflexão, de nos focarmos no que realmente é mais importante na vida. O tempo passa muito depressa, mas, felizmente, a minha vida é muito rica em emoções. Rica na música e na criatividade, no amor, no cuidar, nas preocupações e até nos problemas normais do dia-a-dia. Cada capítulo da minha vida é o resultado de muito trabalho, semeei muitas plantas e agora tenho de tomar conta delas agora.
– Lida bem com a sua imagem?
Ainda me sinto bonita e elegante...
– Chegou a hora de amenizar rugas e de fazer desaparecer gorduras localizadas?
Nunca fiz isso. Preciso da minha cara natural para expressar a verdade e mostrar a alma.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras