Nas Bancas

João Tordo fala da ida do pai para o Brasil: "Ele está super contente"

O filho de Fernando Tordo assistiu à antestreia de ‘O Filme Lego’ com o sobrinho, Matias, e falou do facto de o pai ter emigrado para o Brasil aos 65 anos. O músico viajou no passado dia 18 e já está estabelecido no Recife.

Inês Mestre
5 de março de 2014, 10:45

No passado dia 2 de fevereiro, Fernando Tordo, de 65 anos, publicou no seu Facebook um post em que anunciava que ia viver e trabalhar para o Brasil: “A vida aqui no meu País, ao fim de 50 anos de profissão, tornou-se impossível, sem trabalho. Mas vou sem amargura, sem tristeza; a vida ensina que enquanto houver caminho (...)” As reações a este post do autor e intérprete de Adeus Tristeza não se fizeram esperar, tanto na imprensa como nas redes sociais, onde proliferaram palavras de apoio, mas também muitas críticas, nomeadamente pelo seu passado ligado à música de intervenção.
Entretanto, no passado dia 18, Fernando rumou mesmo ao Brasil. No dia a seguir, o seu filho, o escritor João Tordo, de 38 anos, manifestou a sua tristeza com uma longa carta aberta dirigida ao pai, que publicou no seu blogue e da qual divulgamos alguns excertos: “Ontem, o meu pai foi-se embora. Não vem e já volta; emigrou para o Recife e deixou este país, onde nasceu e onde viveu durante 65 anos (...) Ontem, quando me deitei, senti-me triste. E, ao mesmo tempo, senti-me feliz. Triste, porque o mais normal é que os filhos emigrem e não os pais (...) Feliz, porque admiro-lhe a coragem de começar outra vez num país que quase desconhece (e onde quase o desconhecem), partindo animado pelas coisas novas que irá encontrar (...) quase sem o querer, li alguns dos comentários à sua partida. Muita gente se despediu com palavras de encorajamento. Outros, contudo, mandaram-no para Cuba. Ou para a Coreia do Norte. Ou disseram que já devia ter emigrado há muito. Que só faz falta quem cá está. Chamam-lhe palavrões dos duros. Associam-no à política, de que se dissociou activamente há décadas (...) Eu entendo o desamor (...) O que eu não entendo é o ódio (...) Quer se queira, quer não, ele faz parte da história da música em Portugal.”
A esta carta do filho, partilhada milhares de vezes nas redes sociais e também ela ora criticada ora louvada, Fernando Tordo respondeu pelo Facebook: “Não entristeças, João. Temos dado o melhor de nós.” Quatro dias depois da carta que escreveu ao pai, João Tordo esteve na antestreia de O Filme Lego, onde lhe perguntámos como estavam ele e o pai a lidar com toda esta controvérsia. “Esse é um assunto sem importância, mas que se transformou numa bola de neve. O meu pai está super contente e eu fico muito feliz por ele”, assegurou o Prémio José Saramago 2009.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras