Nas Bancas

Angélica Rosado fala da sua nova vida

“Sentir que estou viva é uma liberdade que ninguém me pode tirar”

Cláudia Alegria
9 de fevereiro de 2014, 10:00

Começou a trabalhar como modelo aos 18 anos, depois de ter conquistado o título de Primeira Dama de Honor no concurso Miss Portugal 1989. Formou-se na escola de Brian McCartney, trabalhou com Victor Nobre e foi o estilista José Carlos quem a incentivou a arriscar uma carreira internacional, tendo sido imagem das campanhas da marca de cosméticos italiana Diego Dalla Palma entre 1998 e 2003. “Costumo dizer que o meu coração é italiano, mas a minha alma é lisboeta”, assegurou Angélica Rosado à CARAS, durante uma conversa à beira-mar, junto à praia de Porto Novo,  no Vimeiro. Foi nesta zona que a modelo reencontrou a paz de espírito que procurava depois de ter perdido os pais. Foi para ali morar com o filho, José Pedro, de 11 anos, fruto do seu casamento com o consultor imobiliário Nuno Pinto Leite, de quem se separou em 2008.
– Deixar o centro de Lisboa, onde tinha a sua vida organizada, não deve ter sido uma decisão fácil...
Angélica Rosado –
Foi uma decisão muito ponderada, mas, estando ligada à publicidade, tenho flexibilidade de horários e tenho conseguido gerir tudo bem. Continuo a ir muito ao centro de Lisboa e aqui o meu filho encontrou a qualidade académica que procurava. Eu, como pai e mãe que sou, só posso ficar feliz com a alegria e a inspiração com que o José Pedro vive esta mudança e, enquanto tudo isto me fizer bem ao corpo e ao espírito, vou permanecer nesta zona.
– Diz que é mãe e pai do José Pedro. Não será esta uma responsabilidade grande demais para assumir sozinha?
Sim, mas fico muito contente por conseguir desempenhar esses dois papéis. Tenho percebido isso perfeitamente.
– Ser mãe era um desejo antigo?
Fui surpreendida tardiamente com a alegria da maternidade. E, como não vivo aos bocadinhos – sou uma mulher de paixões –, saboreio a maternida­de fração de segundo a fração de segundo. Sabe-me bem.
– Lamenta ter só um filho?
Pelo contrário, dou graças a Deus por ter um filho.
– Tem-se mantido afastada de eventos sociais. Não sente falta dos holofotes da fama?
Não, em tudo aprendo. Os holofotes são sempre enriquecedores, eu estou sempre a aprender. É claro que gosto de os ter, fazem parte de mim, fazem-me feliz.
– O que sente quando olha para as fotos que marcaram o início da sua carreira?
Ser-se jovem é uma doença que o tempo cura.
– Mas lida bem com a transformação da sua imagem ao longo dos anos?
Sim, sobretudo por ela estar mais apurada. Interiormente, as diferenças são boas. Saboreamos tudo de outra maneira.
– E as transformações exteriores?
Também, porque essas só acontecem porque estou viva, portanto, é ótimo.
– Aprendeu a dar mais valor à vida depois de ter perdido os seus pais?
A melhor coisa que posso sentir todos os dias é que estou viva, é uma liberdade que ninguém me pode tirar.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras