Nas Bancas

Em Lisboa, Garrett McNamara admite: “Gosto muito de promover Portugal”

O surfista que entrou para o ‘Guiness’ ao surfar uma onda gigante na Nazaré conversou com a CARAS sobre as suas inspirações e a vida de casado.

Marta Mesquita
18 de janeiro de 2014, 12:00

Garrett McNamara, de 46 anos, tornou-se mundialmente conhecido ao surfar na Nazaré, em novembro de 2011, a maior onda do mundo, o que lhe valeu a entrada para o Livro do Guiness. Desde então, o surfista norte-americano passa grande parte do seu tempo nesta vila piscatória, onde já se considera “em casa”. Aliás, foi na Nazaré que Garrett e Nicole McNamara se casaram,  a 22 de novembro de 2012, numa cerimónia íntima e romântica.
O surfista e a mulher celebraram o seu primeiro aniversário de casamento em Lisboa, no Pestana Palace Hotel, onde McNamara conversou com a CARAS sobre o homem que é e os sonhos que quer realizar.
– Parabéns pelo seu primeiro aniversário de casamento. É bom ser um homem casado?
Garrett McNamara
– Sim, adoro ser um homem casado. Muitas das coisas que fazemos na vida são sustentadas pelo facto de termos uma boa relação. E por detrás de um homem de sucesso está uma mulher ainda mais fantástica. E sem dúvida que é esse o meu caso.
– A Nicole é o seu suporte para tudo o que faz na vida?
– Sim, a Nicole é tudo para mim.
– A sua mulher acompanhou-o nesta viagem a Lisboa. Ela viaja sempre consigo ou passam muito tempo separados?
– A única altura em que estamos separados é quando estou no mar. De resto, estamos sempre juntos.
– Viaja pelo mundo inteiro, mas ultimamente tem passado muito tempo na Nazaré. Portugal já é a sua segunda casa?
– Sim, considero que a minha casa é onde os meus pés estão. Como neste momento passo muito tempo cá, posso mesmo dizer que Portugal é a minha casa.
– E o que mais gosta no nosso país, além da ondas gigantes da Nazaré?
– Gosto muito do povo português. As pessoas são reais, muito orientadas para a família e são realmente acolhedoras.
– Promove as nossas ondas por todo o mundo. Já se sente um embaixador da Nazaré?
– Gosto muito de promover Portugal, mas tenho um carinho enorme pela Nazaré e por aquelas ondas. Não há outro lugar no mundo em que possamos ir até àquele penhasco e ver tão de perto o espetáculo daquelas ondas enormes. É ver a natureza no seu estado mais puro e conseguir sentir o chão a tremer... É maravilhoso. E depois, na Nazaré há diversas coisas fantásticas das quais podemos desfrutar.
– Depois de ter conquistado o recorde mundial ao surfar aquela onda gigante na Nazaré, qual é o desafio que se segue?
– Há ondas maiores do que aquela. E não só vou tentar surfar ondas maiores, como vou mesmo conseguir!
– Nunca duvida de si próprio? Como lida com o medo?
– Nós é que criamos o medo nas nossas mentes, quando começamos a pensar em tudo aquilo que pode acontecer. Temos de viver o momento e desfrutar de tudo aquilo que estamos a fazer ali, naquela altura, naquele espaço. E, claro, estarmos preparados é muito importante. A minha equipa e eu corremos sempre riscos calculados e valorizamos muito a segurança. Não tenho medo do mar. É um desafio muito maior vir a conduzir da Nazaré até Lisboa, por exemplo. [risos]
– Mas acredito que não seja tão fácil para a sua mulher e para a sua família lidarem com o perigo que corre quando vai para o mar surfar ondas tão grandes...
– A minha vida sempre foi esta, portanto, eles encaram isso com alguma naturalidade. A minha mulher só não quer que me aproxime das rochas. Mas tirando isso, ela não se importa.
– Hoje bate um recorde e, no dia seguinte, já há alguém a tentar fazer melhor. Como é que lida com a competição?
– Sou surfista por amor e não para conquistar recordes. Se consigo um recorde na Nazaré, fico contente, mas sobretudo porque assim estou a promover Portugal. É maior do que a competição. O que quero é retribuir e fazer parte de algo muito maior.
– O Garrett é admirado por pessoas no mundo inteiro. Gosta de sentir que é um ídolo?
– Gosto de aprender e de ser inspirado, por isso, se alguém aprender comigo ou se inspirar naquilo que sou ou faço, também fico contente.
– Sei que também está envolvido em muitas causas sociais...
– As causas sociais são uma parte importante na minha vida. Quando fazemos alguma coisa pelos outros, quando lhes proporcionamos alegria, é o melhor que podemos fazer por nós mesmos. Não há nada que me faça sentir melhor do que levar alegria aos outros. É muito especial conseguirmos fazer alguém sorrir. Sentimo-nos fantásticos.
– E quem é o Garrett McNamara na sua vida privada?
– Sou um homem normal que adora ondas grandes. Gosto muito de sentir o apoio e o entusiasmo das pessoas. No final de tudo, é isso que me leva para a frente. E gosto de estar com a Nicole e de desfrutar da vida.
– Ainda tem muitos sonhos por realizar?
– Acho que tenho realizado os meus sonhos... Quero continuar a incentivar as crianças a seguirem as suas paixões. É importante fazermos aquilo que realmente amamos.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras