Nas Bancas

Jacqueline Corado da Silva conta-nos a história da sua vida

A participação em ‘A Gaiola Dourada’ foi o ponto de partida para uma conversa com a atriz luso-francesa.

Inês Mestre
15 de fevereiro de 2014, 10:00

Nasceu em França, filha de pais portugueses. Sente-se francesa, mas com um “fortíssima componente portuguesa” e tenta transmitir ao filho, Vicente, de cinco anos, a cultura, língua e tradições lusas. Foi por todas estas razões, e por conhecer bem a comunidade portuguesa emigrante em Paris, que Jacqueline Corado da Silva quis fazer parte do filme A Gaiola Dourada, de Ruben Alves. Foi essa participação que serviu de ponto de partida para uma conversa com a atriz durante uma tarde passada no Chiado.
Como foi a experiência de participar no filme A Gaiola Dourada?
Jacqueline Corado
– Foi fabulosa a nível artístico e humano. Quando soube deste projeto, uma comédia sobre a minha comunidade, fiquei histérica e quis logo participar nele. Fiquei extasiada quando soube que tinha ficado com o papel da Lurdes e apaixonada e comovida quando li o guião. Percebi que o Ruben sabia retratar a nossa comunidade com muito carinho, amor, subtileza e uma profundeza que ia muito mais além do humor, sem querer dar lições. Também percebi que ele aceitava o lado francês e o português sem amargura, que havia uma harmonia e isso é muito bom.
Identifica-se com esta história, portanto.
– Muito! Quando acabaram as filmagens agradeci ao Ruben, enquanto atriz e membro desta comunidade, pois com este filme pude homenagear os meus pais. O filme é uma homenagem às pessoas que deixaram o seu país, trabalharam a vida toda e se sacrificaram pelos filhos. Fico-lhe muito grata por isso.
Vem muitas vezes a Por­tugal?
– Sim, tenho muita família cá, e tento estar cá nas férias e nos momentos importantes. Para mim, a família é o mais importante e acho que isso é algo muito português e que me foi transmitido pelos meus pais. É importante que o meu filho venha cá e tenha fortes elos, porque eu quero que ele fale português, se sinta português e se interesse pela cultura e cabe-me a mim transmitir-lhe isso.
Tenta passar a cultura portuguesa ao seu filho, então.
– Fui obrigada a definir as minhas próprias regras entre as fortes tradições que os meus pais traziam da aldeia e a sociedade de Paris pós-68. Uma vez que isso é feito e que assumimos que a dupla cultura não é um problema, mas uma riqueza, isso permite aceitar as duas e ter mais ângulos de visão. É muito importante transmitir essa riqueza e cultura ao meu filho.
Que tipo de mãe é?
– Não sou muito mãe-galinha. Sou exigente em algumas coisas e permissiva noutras. Por exemplo, deixo-o trepar para os móveis, mas sou imperdoável nas boas maneiras. Há regras de boa educação e princípios básicos que são muito importantes para mim.
Que valores lhe quer transmitir?
– O respeito pelos outros e pela própria liberdade, que assuma o que é e os seus gostos. Mas o meu filho também me está a ensinar porque eu nunca pensara ter filhos. Estou muito grata ao pai do meu filho por ter insistido para termos um. Estamos a descobrir aos poucos como ser mãe e filho, mas educo-o também com muito respeito e ele é um menino sensível e com uma grande inteligência.
Como é a relação com o pai do Vicente? Refere-se a ele como o pai do seu filho e não como seu companheiro...
– De facto, o Jean já não é o meu companheiro de vida. Foi uma história muito forte e foi com ele que quis ter um filho, pois sabia que seria um bom pai. Respeitamo-nos muito, gosto muito dele, trabalhamos e fazemos muitos programas juntos e queremos que o nosso filho perceba que nos respeitamos e que há muito amor à volta dele. É importante proteger o nosso filho e sinto que é uma falha não termos mantido a família. Mas vamos tentando e o Vicente está bem e feliz.
Como está a nível amoroso?
– A separação aconteceu há um ano e meio e vemo-nos quase todos os dias, por isso, ainda é complicado. Espero apaixonar-me novamente um dia.
Por que decidiu ser atriz?
– Os meus pais puseram-me na escola portuguesa aos cinco anos e o professor de português António Cravo tinha uma companhia de teatro, onde comecei. Eu venho de uma família latina, barulhenta e agitada e percebi que no palco as pessoas me ouviam e aplaudiam. E eu estava a falar português! Descobri uma paixão absoluta, que era o teatro, através de uma língua que era o português, o que me deu mais vontade de descobrir a cultura dos meus pais. A partir daí fiz sempre teatro amador e quem me conhecia achava que eu ia seguir essa carreira. Por isso, toda a gente ficou admirada quando decidi fazer Política Económica na Sorbonne, a Escola Superior de Comércio de Paris em Finanças, um MBA... Depois de ter vários cursos e diplomas, decidi voltar à minha paixão e apercebi-me de que os cursos que tirei eram a melhor maneira de agradecer aos meus pais todos os esforços que tinham feito por mim e pela minha irmã. Porque o maior desgosto da minha mãe, que é uma mulher brilhante e inteligente, era só ter a quarta classe.
Não deve ter sido fácil regressar ao teatro depois de toda a formação em áreas completamente diferentes...
– Não foi fácil, porque recusei trabalhos de 5 mil euros por mês para ganhar 200! E, aos 24 anos, passar do teatro amador para o profissional foi difícil, porque tive de recomeçar do zero. Passei muitas noites a chorar, mas no dia seguinte levantava-me e sabia que era mesmo o que queria fazer, era uma paixão. Mas espero que o meu filho não queira ser ator!
E se quiser, tem o seu apoio?
– Sim, claro, mas é uma profissão difícil. Pedem-nos para guardar uma hipersensibilidade, para mostrarmos as emoções quando se diz “ação”. Temos de fazer rir quando temos mágoas por dentro. E além dessa sensibilidade, ao mesmo tempo temos de ter uma resistência absoluta quando vamos fazer castings e somos rejeitados 10 ou 15 vezes porque somos gordas demais, magras demais, novas, velhas, altas, baixas... Temos de continuar a sorrir e não deixar a amargura ganhar. E esse equilíbrio é complexo. Por isso, as meninas que querem ser atrizes porque sonham com vestidos glamorosos e capas de revista têm de ter cuidado: não é tudo cor-de-rosa nesta área!

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras