Lorenzo Carvalho Leal, o jovem piloto que trocou o Brasil por Portugal

O piloto recebeu a CARAS em casa, na linha do Estoril, com os pais, Luiz Carlos Leal e Cleyci Rita de Carvalho.

12 Janeiro 2013 às 14:00

LC-Lorenzo Carvalho8.jpg
Luiz Carlos Leal, Lorenzoo Carvalho Leal e Cleyci Rita de Carvalho
Luís Coelho
fullscreen

A paixão por carros e motas foi herdada do pai, Luiz Carlos Leal, de 51, e Lorenzo Carvalho Leal leva essa paixão para as pistas quando corre pela Ferrari em GT3. O piloto luso-brasileiro nasceu há 21 anos no Brasil, onde cresceu, e viveu em Milão entre 2003 e agosto de 2012, quando trocou Itália por Portugal. A CARAS foi conhecer este jovem piloto, que nos contou como a família é importante para ele, sobretudo o apoio da mãe, Cleyci Rita de Carvalho, de 56 anos. Por isso, assume ter “planos para muitos filhos”.

Além dos carros, que hobbies tem?

Lorenzo Carvalho Leal
– Adoro carros, tenho a minha coleção e gosto de cuidar deles e de treinar. A minha grande paixão são os motores. Além disso, gosto muito de viajar, pois aprende-se muito; é a melhor escola que se pode ter.

Agora que está instalado em Portugal, quais são os seus objetivos?

– Aspiro chegar ao topo na carreira de piloto, quero ajudar a minha mãe na empresa [de cosmética] e tenho intenção de criar uma academia da Ferrari em Portugal. Gosto muito de ter as coisas boas que o dinheiro traz, mas penso no futuro e tenho os pés bem assentes na terra. Além disso, tenho a minha namorada e planos para muitos filhos. Tenho a certeza de que vou ter uma família grande.

O que mais o atrai nas corridas?

– A adrenalina antes da corrida. E o desafio. Gosto de lutar para obter o que quero. Não há satisfação maior do que lutar muito por uma coisa e consegui-la.

– É uma pessoa determinada...

– Sim, e sou um pouco radical. Comigo é tudo oito ou oitenta. Às vezes, isso é mau, mas eu não sei ser falso, digo o que tenho a dizer. Sou um livro aberto. Gosto de agradar às pessoas, mas também gosto de respeitar e ser respeitado.

E gosta de fazer planos ou deixa as coisas acontecerem?

– No geral, deixo as coisas correrem, mas, se vejo que estão a ‘escorregar’, controlo. Mas só até onde posso. Não sou prepotente nem acho que consigo fazer tudo sozinho. A minha mãe sempre foi o meu ponto de apoio e dou muito valor ao conselho das pessoas mais velhas, que têm mais sabedoria e experiência de vida.

Palavras-chave do artigo
Brasil, Portugal, Ferrari, Lorenzo Carvalho Leal, piloto

Relacionados

Comentários
Atenção:
este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

 

ÚLTIMAS

Relacionados

Inquérito

Espanha

Espanha

Estará Letizia preparada para ser rainha?

EM DEBATE
no Momento
Share