Nas Bancas

Patrícia e Rui Pereira da Silva: “Temos uma casa muito alegre”

Teresa, de três anos, e Leonor, de nove meses, são o centro das atenções em casa de Patrícia e Rui Pereira da Silva, que se sentem muito felizes ao ver como entre as duas irmãs já existe uma cumplicidade especial.

Joana Brandão
25 de dezembro de 2013, 12:00

Em cinco anos e meio de vida comum, Patrícia e Rui Pereira da Silva construíram uma família feliz e um negócio de sucesso. E o bem-estar e a educação das filhas, Teresa, de três anos, e Leonor, de nove meses, são hoje mais incentivos para serem bem sucedidos na sua empresa de produção de framboesas, que exportam para a Europa do Norte. Rui e Patrícia (que também faz auditoria), receberam-nos na sua casa, em Leça da Palmeira, onde vivem desde que nasceu a primeira filha. Felizes, comunicativos e cativantes, partilharam com a CARAS a sua história.
No último Natal, estava grávida da Leonor. O que mudou na vossa vida, agora que têm duas filhas?
Patrícia P. da Silva – Temos uma casa ainda mais alegre. A Leonor é uma bebé fácil, está sempre bem disposta, dorme bem, alinha nos nossos programas e é muito querida. Além disso, estou a gostar bastante de ver a relação entre ela e a Teresinha que, embora ainda seja pequenina, já tem uma linguagem própria com a irmã. Eu e o Rui, como pais, ficamos muito felizes por saber que elas vão crescer juntas e ser companheiras.
A Patrícia já voltou ao trabalho e tem uma vida bastante ativa. Como gerem o dia-a-dia?
Rui Pereira da Silva – A minha família é do Porto e dá-nos muito apoio. No entanto, com o nasci­mento da Leonor decidimos arranjar uma empregada interna e esta mudança foi crucial para que pudéssemos manter as nossas obrigações e estilo de vida. A Isa é fantástica, uma ajuda fabulosa.
Patrícia – É um descanso muito grande saber que as nossas filhas estão bem quando estamos fora a trabalhar. A minha sogra ajuda com a Teresinha, vai levá-la e buscá-la à escola quando é preciso, e a Isa assegura as coisas cá em casa.
Este Natal será ainda mais alegre, com mais um bebé. Como vão celebrar estas festas?
Rui – Como a família da Patrí­cia celebra o Natal no dia 25 ao jantar, passamos sempre a véspera com a minha família, na quinta, em Valença. Almoçamos lá e depois metemo-nos à estrada para ir jantar a Lisboa. Calha bem, porque assim conseguimos festejar com todos.
Patrícia – O Natal é sempre um momento especial, porque a família está toda reunida, algo que é muito difícil de se conseguir ao longo do ano.
– E quem cozinha?
– Em minha casa a ceia está a cargo da minha mãe, tia, avó e tia-avó. Já na família do Rui, é a mãe dele que trata de tudo. Eu ainda não tive o Natal da família a meu cargo, só trato dos jantares que fazemos cá em casa com os amigos durante o mês de dezembro.
O país atravessa uma fase difícil e o Natal é, por norma, uma época de muitos pedidos. A Teresinha já pede muitas coisas?
– Este ano ela vai escrever ao Pai Natal pela primeira vez, para pedir uma bicicleta cor de rosa. Mas não é pedinchona, se lhe dermos um ovo de chocolate fica feliz.
Rui – A Teresinha tem uma vida feliz, não sente necessidade de ter mais nada. Desde pequenina que vai connosco para todo o lado, em Valença brinca com os animais da quinta, tem uma vida animada e preenchida. E como está sempre ocupada, não tem tempo para pensar em mais nada. Felizmente, não é daquelas crianças que andam sempre agarradas aos jogos no iPad.
É verdade que elas vos acompanham para todo o lado. E quando vos encontramos, elas estão sempre vestidas de igual...
Patrícia – Acho que ficam giríssimas vestidas de igual! Além disso, quando saímos as três, também tento ir ou igual ou a condizer com as roupas delas.
A Patrícia e o Rui estão juntos há cinco anos e meio. Sentem-se feli­zes com o que construíram?
– Estamos muito orgulhosos da família que temos e do que conseguimos alcan­çar juntos em termos profissionais.
– Trabalham bem em equipa?
– A produção das framboesas e toda a parte operacional está a cargo do Rui e os resultados estão à vista. Já eu, trato da parte burocrática e dá-me muito gozo, porque estou a tratar das nossas coisas. Somos uma equipa, complementamo-nos. Claro que às vezes chocamos nas ideias, mas o resultado é sempre positivo. Não é fácil, mas creio que quando se ultrapassam as diferenças são mais as vanta­gens que as desvantagens. Eu sou mais pragmática do que o Rui, que é um sonhador.
Rui – Para mim não há impossíveis e quando tenho uma ideia, faço tudo para conseguir concretizá-la.
É o facto de estar sempre muito ocupada que a ajuda a manter a forma e a recuperar tão bem das gravidezes?
Patrícia – Nem me lembro como foi a recuperação do parto da Leonor... com ela e a Teresinha a precisarem de atenção, não tive tempo para mim! A sorte foi que não tinha engordado muito durante a gravidez, por isso foi fácil ir ao sítio. E agora que a Leonor já tem nove meses, voltei ao ginásio, estou a fazer tratamentos de tonificação na Clínica Persona das Caldas da Rainha e massagens modeladoras na clínica Saudarte.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras