Nas Bancas

Inês Castel-Branco: “Adorava ter mais filhos, não me conformo com a ideia de ter só um”

Aos 31 anos, a atriz diz ser uma mãe babada, nada ‘galinha’ e muito exigente com a educação do filho, Simão, de três anos. Até porque não gosta de crianças mal-educadas.

Inês Neves
21 de dezembro de 2013, 10:00

Inês Castel-Branco reconhece que não é uma pessoa “de sorriso fácil para as câmaras, mas na vida, sim”. Especialmente quando fala do filho, Simão, de três anos. Apesar de não querer comentar a sua separação de Filipe Pinto Soares, pai de Simão, nem o recente namoro com o humorista César Mourão, a atriz falou sem reservas do seu papel de mãe.
– Depois de gravar as cenas da novela Sol de Inverno onde interpreta uma doente com insuficiência renal que chora muito, só mesmo o sorriso do seu filho para aliviar a carga emocional?
– Mesmo. No fim do dia, quando acabo de gravar, sinto-me pesada e com a emoção à flor da pele... mas depois chego a casa, está lá o meu filho a sorrir e corre tudo bem. Com esta personagem fiquei muito alerta para as questões de saúde dele e dos que me rodeiam.
– Se o Simão espirra fica logo preocupada?
– Não, fico mais alerta. O Simão passou os primeiros dois anos doente, teve imensos problemas pulmonares. Agora está bem e eu respiro de alívio. Mas só de pensar noutro tipo de doenças... aí sim, fico preocupada.
– Sofreu bastante nesses dois anos...
– Foram muito complicados. Ele tinha de fazer uma medicação diária, andar com uma bomba de asma... Mas depois a situação foi estabilizando. O primeiro ano foi complicado, mal respirava, não dormia, só tossia...
– E ao primeiro filho, ao mínimo sinal quase se entra em pânico...
– É verdade. Mas por acaso até acho que aprendi a descontrair dentro do problema, porque achei sempre que ele sentia quando eu ficava aflita, e acabei por ir mantendo a calma.
– É uma criança tranquila?
– Tranquilíssima. Agora começou a fazer as suas primeiras birras, mas controladas. Ele experimenta, nós não deixamos, e acaba ali. Sou muito exigente com a sua educação e nada ‘galinha’. Acho que as crianças têm de se magoar, cair e aprender a viver com os perigos que existem. Não tiro uma mesa da minha sala porque é perigosa e ele pode bater com a cabeça no canto. Aviso, e se ele bater uma vez, já não vai bater a segunda.
– Não é mãe galinha, mas é babada. Sempre a mostrar as fotos do Simão que tem no telemóvel...
– É verdade, também gosto de ‘postar’ fotos dele na minha página pessoal de Facebook... sou mesmo uma mãe babada. E se por um lado o quero proteger desta exposição pública, por outro apetece-me mostrar a toda a gente como ele é lindo. Ele fez agora três anos e ainda não percebe bem o meu trabalho ou porque é que as pessoas pedem para tirar fotos comigo...
– Ainda é muito pequeno para perceber o que sai na imprensa, neste caso o que tem sido publicado em relação à sua separação e ao namoro com César Mourão...
– O que sai na imprensa é sempre controlável para as crianças desta idade. Ele também não vai a papelarias ou quiosques e na escola não se fala nisso. Estou tranquila.
– O Simão fez três anos há pouco tempo e desde aí muito mudou na sua vida...
– O que incomodava deixou de me incomodar, deixou de ter importância. As minhas prioridades e objetivos mudaram completamente para se focarem nele, no seu bem-estar e felicidade. E a isso vêm associados alguns sentimentos de culpa, acho sempre que se falho, isso vai refletir-se na sua personalidade e vida futura. A pressão do que ele pode vir a tornar-se é grande.
– Tem muitas vezes esse sentimento de culpa?
– Acho que sou boa mãe. O meu único sentimento de culpa é em relação ao tempo que tenho com ele, porque muitas vezes estou a trabalhar até às 20 horas e ele sai da escola às 16. Se por um lado tenho fases em que estou a trabalhar neste registo, por outro tenho outras em que estou, por exemplo, seis meses completamente dedicada a ele. Por isso, acho que acabo por compensar. Mas custa muito estar longe dele, fico cheia de saudades... E quando estou com ele, tento muito não deixar que esta culpa me torne mais permissiva, acho que isso é um erro. No tempo que estou com ele continuo a educar, mantenho a exigência habitual.
– Atualmente está nessa fase de trabalhar até às 20 horas. Como faz para estar com ele, levá-lo à escola...?
– Tenho muitas ajudas. Tenho a ajuda da escola dele, que abre mais cedo só para o receber (é escola onde andei, a diretora foi minha professora), tenho a ajuda da minha mãe, dos meus irmãos e de algumas amigas. Normalmente, quando recebo os planos da semana seguinte, percebo logo em que dias vou precisar de ajuda e mando logo mensagens para este leque de pessoas. Como ele é uma criança fácil e muito agradável de se estar, tenho sempre alguém que se oferece para ficar com ele.
– E ele fica bem?
– Fica. Às vezes, quando o vão buscar à escola, ele pergunta por mim e faz um beicinho, mas depois distrai-se com outra coisa qualquer. E isso dá-me um aperto no coração, por isso já pedi para não me contarem. Mas ele agora já fala imenso e diz-me: “Fiquei triste porque não era a mãe.” E eu explico-lhe que estava a trabalhar. E ele diz: “A mãe trabalha muito.” Já comecei a explicar-lhe que trabalho para ganhar dinheiro, e para que serve o dinheiro... Acho bom ele ter uma justificação para a minha ausência.
– Já o levou consigo para as gravações?
– Já, para ele entender melhor o que faço e onde estou quando digo que vou trabalhar. E quero levá-lo mais vezes. Levei num dia em que gravei exteriores e que havia cavalos, e como adora animais, nem sequer olhou mais para mim e foi à vida dele.
– Depois de um dia de gravações, quando chega a casa ainda há paciência para passear e brincar com o Simão?
– Claro, adoro ir a jardins com ele. Mas ele é muito caseiro, diz-me que prefere ficar em casa e eu tento contrariar isso. Ao fim de semana fazemos sempre um programa cultural, seja ir ao teatro, a uma exposição, nem que seja para ele associar os meus fins de semana à cultura. E temos sempre a casa cheia de amigos, primos... Ele está sempre muito acompanhado e sempre com pessoas diferentes desde que nasceu, acho que isso é muito importante para a sua personalidade, a forma como lida com os adultos é muito boa, não se retrai, não é envergonhado.
– Não se acha demasiado educativa e menos brincalhona com o seu filho?
– Desde o início que esse sempre foi um dos nossos objetivos, tanto meu como do pai, que ele seja uma criança bem-educada. Primeiro porque não suporto crianças mal-educadas, e depois para se viver em comunidade é importante ter-se certos valores, como respeito pelo próximo. E ele ainda nem falava já eu lhe dizia que tínhamos sempre de dizer ‘obrigado’, ‘se faz o favor’. Acho isso muito importante. A minha mãe fazia isso comigo e eu estou a repetir esses comportamentos e não tenho vergonha nenhuma, até porque a longo prazo isso vai ser importante na vida dele assim como foi na minha. Lembro-me, por exemplo, de que quando comecei a trabalhar em televisão me diziam frequentemente que eu era muito educada e formada, que agradecia tudo e não tratava mal ninguém. E eu quero passar isso para ele. A mãe não tem de ser amiga, mas sim educadora, amigos são os da escola. Os pais podem sentir um sentimento parecido com a amizade, mas é amor.
– Disse em tempos que queria ter uma menina, queria dar uma irmã ao Simão...
– Adoraria ter mais filhos, não me consigo conformar que só vou ter um. Espero mesmo ter mais, e se for menina, melhor.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras