Nas Bancas

Cruzeiro Seixas numa ‘jarra-quadro’: “Tenho saudades de pintar... É como se já tivesse morrido”

No dia do seu 93.º aniversário, o pintor apresentou uma jarra de edição limitada feita pela Vista Alegre.

Redação CARAS
19 de dezembro de 2013, 19:00

“Não fiz mais que um depoimento, é assim que vejo a minha obra. Um depoimento, porque passou pelo mundo bastante aflito e atrapalhado da vida e fez o que fez para conseguir respirar. Se não o tivesse feito, tinha morrido sufocado.” Foi assim, com simples humildade, que no dia do seu 93.º aniversário o pintor Artur Cruzeiro Seixas explicou o seu percurso. Depois, numa alusão à sua faceta de poeta, comentou ainda: “A poesia era também um dos meus pulmões, outra forma de respirar. Eu não sou artista. Sou um tipo que fez coisas.”
Neste dia, Cruzeiro Seixas esteve no Porto para a apresentação de uma jarra de edição limitada feita pela Vista Alegre a partir de uma serigrafia sua, A Luz Ainda Não Está Madura. “Está muito bonita, espero que este seja o início de uma colaboração”, declarou o pintor, para depois, lúcido, lamentar a perda da visão, há dois anos. “Tenho muitas saudades de pintar, é como se já tivesse morrido. Este que está aqui não é o Cruzeiro Seixas.”
“Expoente maior do Surrealismo português”, como referiu na ocasião a crítica de arte Maria João Fernandes, o pintor não tem dúvidas de que “o Surrealismo está vivíssimo. É uma das grandes forças do futuro, não tem nada a ver com o passado. É o futuro que interessa realmente ao Surrealismo”. Revelando que tem obras que ainda não foram expostas, fez questão de dizer que as suas portas estão abertas a todos os que as quiserem conhecer.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras