Nas Bancas

Última homenagem ao arquiteto Alcino Soutinho

O arquiteto morreu este domingo, dia 24, no Porto.

Joana Brandão
26 de novembro de 2013, 16:33

Álvaro Siza Vieira, Eduardo Souto Moura e Rogério Cavaca foram alguns dos arquitetos de renome internacional que marcaram presença no funeral de Alcino Soutinho. Amigos e colegas de profissão, despediram-se de um dos ícones da ‘Escola do Porto’ e vencedor do Prémio Europa Nostra em 1982, esta manhã, na Igreja do Cristo Rei, na Boavista.
Autor de um diversificado conjunto de edifícios, como por exemplo a Câmara Municipal, o auditório e a biblioteca de Matosinhos, o Castelo do Prado, o Edifício Delfim Pereira da Costa, além da Casa-Museu Guerra Junqueiro, no Porto, e o Museu Amadeo de Sousa-Cardozo, em Amarante, Alcino Soutinho deixa para a posteridade a sua obra e legado. Figura fundamental da arquitetura portuguesa, foi recordado por Rui Moreira como "uma referência como cidadão, homem da cultura e arquiteto". O presidente da autarquia portuense referiu ainda, no voto de pesar, que a morte de Alcino Soutinho "constitui uma enorme perda para a arquitetura portuguesa”, destacando “a sua dedicação à investigação, ao ensino e à renovação da paisagem urbana em Portugal”.
Já Eduardo Souto Moura recordou que Alcino Soutinho "foi um grande professor e é uma das maiores figuras da arquitectura portuguesa", lembrando os quase 30 anos em que o primeiro leccionou na Escola Superior de Belas Artes do Porto.
Casado com Laura, com quem tem duas filhas, Andreia e Cláudia, Alcino Soutinho deixa saudade entre a família e os amigos que o lembram pelo seu génio, espírito livre e alegre, pela simpatia e gentileza.
Recorde-se que o arquiteto morreu em casa no domingo, dia 24, vítima de doença prolongada.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras