Nas Bancas

PJF-varela019.jpg

Paulo Jorge Figueiredo

Ex-mulher de Manuel Maria Carrilho descreve-o como "uma pessoa violenta por natureza"

Joana Morais Varela mostra-se solidária com Bárbara Guimarães e afirma, em entrevista ao DN, que foi "espancada durante um dia inteiro" e teve "uma faca encostada ao pescoço".

Redação CARAS
30 de outubro de 2013, 11:06

A violenta separação de Manuel Maria Carrilho e Bárbara Guimarães continua a dar que falar. Agora foi a vez da ex-mulher do antigo Ministro da Cultura vir a público falar da violência que sofreu e demonstrar a sua solidariedade à apresentadora da SIC, tendo-se já oferecido para ser sua testemunha em tribunal.
Em entrevista ao Diário de Notícias, Joana Varela descreve Carrilho como “uma pessoa violenta por natureza”, “sem consciência” e “com pouco sentido de dignidade”. Sem medo das palavras, a ex-diretora da revista Colóquio Letras, de 60 anos, fala em espancamento e recorda o primeiro episódio de violência de que foi vítima, aos 25 anos: "Fui espancada durante um dia inteiro e tive uma faca encostada ao pescoço (...) E deu-me imensos pontapés". Joana Varela explica que essa agressão aconteceu depois de ter confessado uma traição que cometeu depois de, alegadamente, ter descoberto que o marido “tinha um caso”. Na altura não apresentou queixa e continuaram a partilhar a mesma casa. “Não raciocinei, tinha 25 anos, sabia lá que havia advogados. (…) Mas aí o nosso casamento estava acabado. (…) [Depois disso] pus-lhe os palitos todas as vezes que me apeteceu”. A decisão de sair de casa só foi tomada por Joana Varela depois de ter anunciado que pretendia divorciar-se e de, alegadamente, ter sido ameaçada com uma faca. "Fez-me sentir abaixo de cão", recorda.
Ao mesmo jornal, Manuel Maria Carrilho “desmente categoricamente” todas as acusações da ex-mulher, que descreve como “uma louca varrida, uma pessoa delirante”, que esteve internada num hospital psiquiátrico várias vezes. Estes internamentos são confirmados pela própria, que refere um diagnóstico de doença bipolar e uma depressão grave originada pela perda do emprego na Gulbenkian.
Joana Varela deixou também uma mensagem para Bárbara Guimarães no Facebook. “Se alguém conhece a Bárbara Guimarães (eu não conheço), digam-lhe que eu testemunho a verdade dela”, escreveu, acrescentando ainda: “Fizeste-lhe o que ele me fez: ficaste-lhe com o filho e com a casa (a vingança é um prato que se serve frio)”. Manuel Maria Carrilho e Joana Varela têm um filho em comum, José Maria Varela Carrilho.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras