Nas Bancas

Vicente Caldeira Pires: Um jovem empreendedor em tempos de crise

Rita Ferro conversou com o jovem gestor, que criou uma empresa que certifica o conteúdo dos currículos dos seus clientes. Uma mais-valia para o mercado de trabalho.

Rita Ferro
19 de outubro de 2013, 16:00

Casado e com uma filha, Vi­­cente Lemos Caldeira Pires tem 32 anos e nasceu em Lisboa. Cedo deixou o ténis pelo futebol. Jogou no Vitória Clube de Lisboa, de que hoje é presidente, e é membro do Conselho Fiscal e Disciplinar do Sporting. Licenciado em Direito, com paixão pelos números e pela gestão, criou recentemente a CV-DNA,  uma empresa original sediada na Avenida da República, em Lisboa, que constrói cur­riculum vitae exaustivos, como outras no mercado, mas com uma característica inédita que tranquiliza os recrutadores: todas as informações do candidato são verificadas e certificadas. Conversou connosco na sua casa da Praia Grande, em Sintra, para nos explicar de que modo este método se pode tornar a melhor solução para quem procura emprego.
– A ideia foi sua? Como lhe surgiu?
– O CV Certificado da CV-DNA é fruto de muitas ideias. Eu tive a primeira, mas que era muito diferente do que é hoje a nossa oferta. Estivemos, o meu sócio, José Quezada, eu e outros profissionais de Recursos Humanos (RH), mais de um ano a desenvolver o nosso CV.
– Ninguém faz o mesmo lá fora?
– Quando começámos a desenvolver o projecto, não existia absolutamente nada. Hoje existe um projecto similar nos EUA que também está a ter muito sucesso.
– Presume-se então que boa parte das pessoas mente nos seus CV. Inventam cursos que não têm e línguas que não falam?
– Alguns mentem, muitos exageram, “quem conta um conto acrescenta um ponto”. A certificação dos currículos tranquiliza quem recruta, mas não é o nosso único argumento. O CV que desenvolvemos vem ao encontro das necessidades de quem recruta, por isso achamos que quem tiver um CV-DNA aumenta as suas hipóteses num recrutamento, porque o recrutador vai dar atenção ao seu CV. Claro que o facto de o recrutador saber à partida que está perante informação que não carece de certificação é a principal vantagem.
– E como certi­ficam cada informação? A empresa tem um ‘detective’ nos seus quadros?
– A certificação é feita de acordo com a nossa Metodologia de Certificação, um procedimento rígido e controlado que é executado pelos nossos consultores, que são profissionais especializados em RH, e que, além de certificarem o CV, apoiam o candidato na sua elaboração, de acordo com o que os recrutadores procuram e valorizam num currículo.
– Mas, ainda sobre o alcance dos CV: há pessoas sem grandes habilitações que, uma vez vistas e conversadas, se revelam mais valiosas que outras, mais credenciadas. Por outro lado, as candidaturas antigas, ou seja, sem grelha normalizada por parâmetros internacionais, permitiam uma liberdade de exposição onde era possível entrever-se a criatividade das pessoas e outras valências. Estas novas não reduzem as chances de se demonstrar outras perícias, como a facilidade de escrita ou argumentativa?
– Se pensar que quem recruta, na primeira triagem, dedica poucos segundos a cada CV, o mais importante é não ficar pela fase em que nos excluem sem nos conhecerem. Passando esta fase, há muitas maneiras de mostrar quem somos. Ainda assim, quem recruta e procura, numa primeira análise, determinadas características, pode fazê-lo facilmente pela análise do gráfico de Perfil Comportamental que está na primeira página.
– Há uma idade preferencial para se fazer um CV?
– O CV não tem rela­ção com a ida­de dos profissionais. O nosso ser­viço é relevante para qualquer pessoa que se can­didate a um processo de recrutamento baseado no CV.
– Vamos então aos métodos: de que modo as pessoas se habilitam a uma candidatura feita pela CV-DNA?

– O processo começa com a inscrição no site e com a resposta a um questionário; de seguida, o nosso consultor contacta o clien­te por telefone e por e-mail enquanto vai certificando a informação, até que o cliente é convidado a ir aos nossos escritórios para fazer o Teste de Perfil Comporta­mental, tirar uma fotografia e concluir o seu CV.
– Os recrutadores in­te­res­sa­dos contactam convosco ou directamente com os candidatos?
– Os recrutadores estão em contacto com os candidatos, não connosco. Uma das características que distingue a nossa empresa é precisamente o facto de estarmos vocacionados para o candidato. O papel da CV-DNA não é “arranjar emprego”, não somos uma agência de recrutamento. Claro que o nosso serviço, indirectamente, oferece mais-valias às empresas. Se validamos e confirmamos a informação dos CV, elas não terão de o fazer, poupando dinheiro e tempo. Mas isso é uma consequência do nosso trabalho com os candidatos; o facto de ter vantagens para as empresas é a principal vantagem para eles.
– É um processo longo...
– O processo pode demorar de duas semanas a dois meses, dependendo da quantidade de informação a certificar. Há pessoas com mais experiência profissional do que outras. Mas se pensarmos que esta aposta pode representar a oportunidade de conseguir o emprego que se pretende, claramente vale a pena investir tempo.
– Quanto custa “fazer” um CV na vossa empresa?
– O CV Career, que é o produto base, custa 148 euros para profissionais empregados e tem o preço promocional de 98 euros para profissionais desempregados. O CV Graduate, que é o Career para finalistas e recém-licenciados, tem o preço de 98 euros, tendo em conta que tipicamente terão menos informação a certificar.
– Bom, não parece tão caro quando o encaramos friamente como um investimento...
– Nos dias de hoje, é necessário pensar na procura de um novo emprego precisamente dessa perspectiva: como um investimento.
– Estou aqui a pensar que pode representar um excelente presente para se dar a um filho, a um neto, a um afilhado...
– E está a pensar muito bem. Além de ser possível fazê-lo, adquirindo um simples voucher, e além de ser um presente original, pode fazer a diferença para alguém que procura uma mudança ou que está a entrar no mercado de trabalho.
– As pessoas estão a aderir?
– Estão a aderir e com gran­de entusiasmo! E não são só as pessoas, as empresas, os recrutadores, que têm expressado a sua satisfação em poder vir a receber o nosso CV. Quem recruta percebe logo as vantagens que lhes traz...
– A advocacia acrescenta valor a esta sua nova actividade?
– A advocacia acrescenta sempre valor! [risos] Tendo em conta que a minha área de advo­cacia está intimamente ligada ao empreendedorismo e à gestão, claramente que acrescenta valor.
– E como vai o Sporting, já agora? Continua com aquela resistência de guerrilha que faz de nós, adeptos, heróis formidáveis? [risos]
– O Sporting está melhor do que estava. A minha resistência de guerrilha deu lugar a uma resis­tência de trabalho, mas mante­nho-me fiel aos meus princípios e à defe­sa de um Sporting livre de interesses e de interesseiros.
Nota: por vontade da autora, este texto não segue as regras do novo acordo ortográfico

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras