Nas Bancas

Branca Cuvier, a ‘designer’ de joias que leva o nome de Portugal além-fronteiras

“Pensei que se conseguisse viver em Portugal e vender as minhas peças para fora seria o ideal. Foi isso que fiz e assim consigo dar um bocadinho de protagonismo a Portugal lá fora.” (Branca Cuvier)

Inês Neves
12 de outubro de 2013, 14:00

Aos 28 anos, Branca Cuvier orgulha-se de levar o nome de Portugal além-fronteiras com as suas criações, que vende para 26 países. “Vendo muito mais para fora do que para cá, nem tem comparação. As minhas peças são diferentes, exclusivas, irreverentes, e acho que os portugueses não gostam de arriscar muito”, conta a designer de joias no seu ateliê, em Lisboa, na reta final da gravidez do seu primeiro filho, que vai chamar-se Bartolomeu.
Branca pertence a uma linhagem de mulheres artistas, e o seu avô foi Leopoldo de Al­meida, escultor do Padrão dos Descobrimentos. “A minha mãe puxava imenso pela minha criatividade e ajudou-me a desenvolver o lado artístico, dando-me liberdade de criação. Se eu não queria ir à escola, dava-me uns materiais e fazíamos qualquer coisa. Fazíamos imensas joias que eu depois oferecia.”
As brincadeiras com a mãe tornaram-se algo sério e hoje são a paixão de Branca, que tem duas marcas, uma com o seu nome e a Baguera. Antes disso estudou em Amesterdão e acabou por estagiar no prestigiado ateliê de Lucy McRae, onde chegou a fazer joias para Lady Gaga. Depois, conta, quis voltar para Portugal “porque estava cheia de saudades do meu namorado, da família e dos amigos” e acabou por ser vencedora dos prémios POP – Projectos Originais Portugueses. “Pensei que se conseguisse viver em Portugal e vender as peças para fora seria o ideal. Foi isso que fiz e assim consigo trazer dinheiro para cá e dar um bocadinho de protagonismo a Portugal lá fora. Mas não foi fácil. Quando criei a Baguera, nos primeiros três meses nem saía de casa, estava sempre a trabalhar, ouvi imensos ‘nãos’, não sabia bem como fazer as coisas... Precisava de um site, mas não tinha dinheiro para pagar a ninguém que o fizesse, então, fui eu que o criei. Com a produção foi igual. Tudo o que consegui foi fruto do meu trabalho.” O sucesso valeu-lhe ser escolhida para integrar um grupo de mulheres que a marca de sapatos Zilian escolheu como exemplo de determinação e exceção na campanha que assinalou o seu quinto aniversário. “Tra­balhei imenso, quando ponho uma coisa na cabeça, não descanso até conseguir, adoro desafios. E neste momento sinto-me cada vez mais realizada, estou num caminho mais firme e sinto que o sonho já é real”, conclui Branca.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras