Nas Bancas

Marta Aragão Pinto e Filipe Terruta felizes com a família que construíram

A empresária e o diretor criativo e de ‘marketing’ de programas da TVI estiveram de férias em São Martinho do Porto com Vera e Mónica, filhas de Marta, e Joana, que já nasceu deste casamento.

Marta Mesquita
6 de outubro de 2013, 10:00

Marta Aragão Pinto e Filipe Terruta, ambos de 36 anos, não gostam de fazer planos. Contudo, há algo que a empresária faz questão de marcar com um ano de antecedência: férias em família em São Martinho do Porto. Ao lado de Mónica, de 11 anos, de Vera, de nove, filhas de Marta, e de Joana, de cinco, que já nasceu deste casamento, a empresária e o marido partilharam como vivem estes dias de descanso.
– Marta, São Martinho do Porto é um sítio muito especial para si...
Marta Aragão Pinto – Sim, sem dúvida. São Martinho é a minha terra. Não nasci cá, mas é um local que está ligado à minha história familiar. As famílias dos meus pais vinham para cá e eles conheceram-se aqui. E é em São Martinho que consigo desligar completamente, porque não há confusão. É um sítio de encontros felizes, seja com a família ou com os amigos. Aqui, cresci a sentir-me livre e quero passar isso às minhas filhas.
Filipe Terruta
– Sei que a Marta ama vir para São Martinho e, por isso, também venho. Desde que a Marta esteja bem, eu também estou.
– E as suas filhas já sentem essa mesma ligação a esta terra?
Marta – Completamente. O ano passado fomos com elas ao México e, apesar de terem adorado, dizem que preferem São Martinho. Elas contam os dias para virem para cá! Aqui sentem-se realmente felizes.
– E o Filipe consegue desligar por completo do trabalho nas férias?
Filipe – Ultimamente tem sido complicado desligar completamente, mesmo nas férias. Profissionalmente, tenho novas responsabilidades, o que me obrigou a aprender a trabalhar em novas áreas. Tem sido um ano de muito trabalho e felizmente que a minha mulher e a minha família compreendem esta exigência.
– Com três crianças e vidas profissionais tão preenchidas, preocupam-se ainda em arranjar tempo para os dois? Ou, neste momento, isso não é uma prioridade?
Marta – Acho que é muito importante termos tempo para estarmos só os dois. Adoramos estar com elas e divertimo-nos imenso os cinco. Elas já entram em todos os nossos programas e são uma excelente companhia. E esse tempo de qualidade que temos nas férias com elas é muito importante para nós, porque andamos todo o ano a correr. Mas mesmo que me custe ir para algum lado sem elas, depois acabo por valorizar muito a viagem que fazemos só os dois. Nas nossas viagens, o Filipe e eu divertimo-nos muito, estamos horas à conversa e isso, no dia-a-dia, quando se tem três crianças, não é fácil.
Filipe
– As mulheres são muito egocêntricas na relação que têm com os filhos e eu, por ter horários mais complicados, não intervenho tanto nos programas de família. E custa não poder estar sempre presente nas coisas que são importantes para elas.
– A Marta acaba, então, por estar mais presente na rotina familiar do que o Filipe. Para si tem sido fácil equilibrar o papel de empresária com o de mãe e o de mulher?
Marta – Até agora, desenvolvi o meu percurso profissional dentro da minha zona de conforto, porque quis estar sempre disponível para as minhas filhas. Ter tempo para elas acabou sempre por pesar mais do que arriscar e ir atrás de novos projetos profissionais. Decidi ser mãe nova e soube assumir essa responsabilidade. Decidi que as minhas filhas iam estar sempre em primeiro lugar e vai ser assim até ao fim da minha vida, mas agora que elas estão mais independentes, sinto que posso começar a arriscar novos caminhos. Continuo com o meu blogue, o Mapshow, que me permite fazer outras coisas, como escrever e ter um contacto diferente com as marcas. Por exemplo, a Pampa Mia pediu-me para assinar uma coleção de acessórios que se identificasse comigo. E adorei! Gosto muito de explorar o meu lado criativo. E vou aos poucos agarrando coisas que também gosto de fazer.
– Acredito que educar as meninas seja o maior desafio das vossas vidas, sobretudo agora, com uma pré-adolescente em casa...

– É muito complicado. Eu também já fui adolescente e sei que nessa altura pensamos que só nós é que temos razão e a Mónica está a entrar nessa fase. Ela nunca abdica daquilo que pensa ou quer e só espero que se agarre sempre aos valores que lhe transmitimos. Quero que ela saiba que nós vamos ser sempre os seus melhores amigos. E todos os dias digo às minhas filhas: “Por favor, quando chegar a idade de começarem a sair à noite, escolham sempre a companhia da mãe e do pai. Não me larguem!” Custa-me pensar que um dia elas vão preferir outras companhias.
Filipe
– Não é a questão de ser o maior desafio das nossas vidas e sim a maior responsabi­lidade que temos. Não vamos pelo facilitismo de deixá-las fazer tudo o que querem e às vezes entramos em choque com os egos delas. E o problema é que nunca temos uma discussão de dois para um! É sempre de dois para três, porque elas são um ‘mini-clã’! Mas nós somos ainda mais teimosos do que elas. E no meio de tudo isto, sou o único homem. Mas já me habituei. É esta a minha vida. [risos]

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras