Nas Bancas

Kika, a cantora que conquistou um lugar ao sol com apenas 16 anos

Com uma voz grave e segura, improvável para a sua idade, a jovem portuense conquistou o sucesso. Este verão até já cantou no Sudoeste.

Joana Brandão
6 de outubro de 2013, 16:00

Com apenas 16 anos,Francisca Osório de Castro é a mais recente revelação da música portuguesa. Empoucos meses, Kika – como é conhecida desde pequenina – lançou GuessIt’s Alright, o single de avanço do seu álbum de estreia homónimo,conquistando as playlists das rádios nacionais. Gravada por RedOne,produtor de Lady Gaga e Michael Jackson, a música serviu decartão de visita para a cantora que, entretanto, já tem mais dois temas a rodarcom insistência: Love Life, um dueto com o francês John Mamann, eI Want You Back, uma versão dos Jackson 5 que serve de banda sonora auma campanha publicitária. Kika veio para ficar, e isso mesmo ficou provado noseu concerto no Festival Sudoeste. Na primeira vez que foi à Zambujeira do Mar,Kika entrou pela porta grande, ocupando o palco principal.
Educada, inteligente e bem-humorada, a jovem conta com o apoio da família paratudo e tem nos pais, os advogados Andreia e Carlos Osório de Castro,e na irmã, Mariana, os seus maiores fãs. Com os pés bem assentes nochão, não se deixa deslumbrar: diz que o seu futuro passa pela faculdade e, seo tempo o permitir, pela música.
Já se habituou ao mediatismo, aos autógrafos e aos fãs que conquistou nosúltimos meses?
Kika – Sim, apesar disso tudo, têm sido meses bastante normais. Sei queas pessoas já conhecem a Guess It’s Alright, mas não sei até que pontosabem que sou eu que a canto. Portanto, ainda faço a minha vida normal. A únicacoisa que mudou foi a frequência dos ensaios.
– E a ouvir-se na rádio? Já é normal ou ainda estranha?
– No início foi estranho, mas com o tempo habituei-me e é uma sensação muitoboa. No entanto, gosto mais quando ouço as músicas novas a passar, como a LoveLife e a I Want You Back .
– Na Love Life faz um dueto com o cantor francês  John Mamann e o I Want You Back é umaversão do original dos Jackson 5 que serve de banda sonora a uma publicidade.Como surgiram estes convites?
– O produtor do meu disco, RedOne, é o compositor do John Mamann, e quandoestive lá a gravar ele perguntou-me se queria fazer um dueto com um artistafrancês. Disse-lhe que sim – se o RedOne achava que o devia fazer, ia ser comcerteza uma boa oportunidade. A música é brutal e as reações estão a ser muitoboas. Entretanto, já estive em Nice a cantar com ele na Volta a França, o quefoi ótimo.
– Os seus pais acompanham-na para todo o lado. Sente-se mais segura com elespor perto?
 – A minha família apoia-me muito. Aminha irmã incentiva-me imenso, canta as músicas todas. O meu pai foi, semdúvida, a pessoa que mais vezes ouviu as minhas músicas. Durante meses, nãoouviu mais nada, mas, ao contrário da minha irmã, não sabe nenhuma letra decor. Já a minha mãe, chorou na primeira vez que ouvimos a música a passar narádio. Acho que eles ficam felizes com as minhas músicas e têm orgulho em mim,o que me deixa muito feliz, claro!
Com cinco anos começou a aprender piano e desde então a música faz parteda sua vida. Quando começou a cantar?
– Em pequenina fazia concertos na cozinha com a minha irmã. Cantávamos comuma colher a fazer de microfone e achávamos que éramos o máximo. A minha mãeaplaudia e incentivava, nunca nos demoveu da ideia. Depois, comecei a cantar aopiano, para fugir à música clássica. Nessa altura, tinha acabado de estrear omusical Camp Rock, da Disney, e eu adorava a música This Is Me.Foi então que pedi ao meu professor para ma ensinar. Depois veio a guitarra,bem mais fácil de transportar para todo o lado. O meu pai é que não gostoumuito que eu tivesse trocado o piano pela guitarra, porque ele gosta mais dosom do piano. No entanto, é o meu maior apoio, agradeço-lhe muito. Se eles nãoestivessem de acordo com isto, eu não teria chegado tão longe.
Em breve começam as aulas. Passou para o 11.º ano e espera-a um anoimportante na escola. Já pensou como vai gerir o tempo?
– Este ano consegui gerir tudo muito bem, e só faltei uns dias. Felizmente, osmeus professores são muito flexíveis, o que ajuda bastante. O meu colégio – oCLIP – incentiva as artes, a música em particular, por isso acho que ficamcontentes com o meu percurso. Afinal, foi lá que tudo começou.
– A faculdade está quase a chegar. Que curso pensa tirar?
– Interesso-me mais por Economia do que por Ciências. Talvez Gestão ou Direito,como os meus pais, a minha tia e o meu avô. Venho de uma família de advogados,mas ainda tenho algum tempo para decidir.
A música vai continuar a ser um hobby ou gostaria defazer carreira?
– Eu adoro música, e enquanto conseguir conciliar com os estudos, continuarei afa­zê-la. Mas também me faz falta ter um curso e conhecimento académico sobrealguma coisa. Infelizmente, em Portugal não dá para viver só da música.
– Como é que os seus colegas de colégio têm acompanhado os seus feitos namúsica? Sente-se uma estrela entre eles?
– De maneira nenhuma! Ao contrário de outras escolas, o CLIP é pequeno e toda agente se conhece. Portanto, já todos me tinham ouvido cantar antes de eu editaro CD ou passar na rádio. Além disso, não faz o meu género armar-me em estrela.
– E tem tempo para namorar?
– Não sei, neste momento nem penso nisso, estou concentrada na música. Averdade é que me sobra pouco tempo para os amigos e para a família, portanto, omelhor é não complicar. Mas é engraçado ver que, de repente, fiquei muito maisgira e fantástica aos olhos das outras pessoas! É o glamour da coisa afuncionar!
Antes de tudo começar, qual foi o con­selho que os seus pais lhe deram?
– Disseram-me para não me deixar levar pela novidade e pelo entusiasmo dacoisa, para não achar que sou a maior, quando isto é só um começo. Já o meuprodutor, o RedOne, disse-me que a família e os amigos iam ser sempre o meupilar, e que se perder essas pessoas, perco tudo.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras