Nas Bancas

Cláudia Vieira confessa: “Gosto de arriscar e de testar os meus limites”

A atriz conversou com a CARAS sobre os seus novos desafios profissionais.

Marta Mesquita
15 de setembro de 2013, 12:00

No dia-a-dia, Cláudia Vieira, de 35 anos, assume-se como uma mulher “descontraída e natural” que faz questão de viver sem “planos muito concretos.” Contudo, esta sua atitude não a impede de ser uma atriz que gosta de enfrentar novos desafios, sem medo de se expor ou de se pôr à prova.  Foi esta ambição natural, que a obriga muitas vezes a sair da sua zona de conforto, que a levou a ter formação para interpretar a Andreia Teles de Aragão, a sua personagem na novela da SIC Sol de Inverno, cuja estreia está marcada para esta segunda-feira.
Apesar de estar a apostar muito neste desafio profissional, Cláudia assegura que tem tido tempo para desfrutar do seu papel de mãe e de mulher. A viver uma relação feliz há quase nove anos com o ator Pedro Teixeira, a atriz garante que o ser mãe de Maria, de três anos, mudou a forma como encara a vida e não esconde o desejo de ter outro filho.
– Na novela da SIC Sol de Inverno, a Cláudia interpreta a sua primeira vilã. Como está a correr este novo desafio?
Cláudia Vieira
– A Andreia é uma vilã especial, porque não é a verdadeira vilã da história. É uma mulher muito ambiciosa, atenta e perspicaz que não olha a meios para atingir os seus objetivos. Mas ela tem um fundo bom e é amiga de algumas personagens. Tem é as prioridades um bocadinho trocadas.
– É uma personagem muito diferente da Cláudia...
– Sim, sem dúvida. Tem obje­tivos muito distintos dos meus e não temos características em comum. Mesmo a postura dela é muito diferente da minha. Eu sou muito mais descontraída e natural. E, por tudo isso, tem exigido de mim uma composição da personagem muito maior, o que me levou a fazer coaching com o diretor artístico António Terra. E é incrível gravar cenas que já tinha trabalhado com ele! É bom para um ator ir experi­mentando novas ferramentas que o obrigam a explorar fora das suas zonas de desconforto. Vou querer prolongar esta formação ao longo da novela, porque está a ser muito bom para mim como atriz.
– E esta Andreia deixa-lhe espaço para novos projetos?
– Sim, deixa. Quero continuar a ter a oportunidade de estar em bons projetos, de fazer coisas que me desafiem... Gostava, por exemplo, de ter um maior contacto com a apresentação. Também quero fazer mais teatro e cinema. Mas não faço planos concretos. Quero ter novos desafios, porque gosto de me pôr à pro­va. Faz-me bem desafiarem-me. Tenho uma constante necessidade de me superar, seja a fazer uma personagem ou na apresentação. Gosto de arriscar e de testar os meus limites. Só assim se aprende. Não me deixo ficar confortável com o que já tenho.
– Aos 35 anos, já sabe muito bem quem é o que quer ou ainda está um bocadinho à procura?
– Mais ou menos. Sei exatamente quem sou e aquilo que quero, mas não deixo de ter mil dúvidas e de questionar tudo! Mas sinto que ser mãe deu-me consciência do que é realmente importante.
– Sente que ainda tem muitas coisas de ‘miúda’?
– Sim, tenho mesmo. Aliás, até me vejo com menos idade! Muitas vezes ainda me sinto quase adolescente...
– Numa entrevista anterior, confessou que gostava que o seu segundo filho não tivesse uma idade muito distante da Maria.
– Mas já vai ter...
– Os desafios profissionais têm-na levado a adiar a realização desse sonho pessoal?
– Têm. Tinha muita vontade de ter sido mãe mais cedo, mas achei que seria bom consolidar a minha carreira e acabei por ter a Maria mais tarde do que desejava. E sempre disse que gostava que ela tivesse um intervalo pequeno do irmão. Isso já podia ter acontecido, mas senti que depois da Maria Mayer [papel que interpretou em Rosa Fogo] era importante ter uma personagem com menos incidência na novela para poder saborear a representação de uma outra maneira. E por isso temos vindo a adiar o segundo filho. Mas lido bem com isso, porque hoje em dia podemos ser mães até mais tarde.
– E assim até pode acompanhar de uma forma mais plena estes primeiros anos da Maria...
– Sim. E sinto que neste último ano aproveitei ao máximo a minha filha. É viciante estar com ela, sobretudo nesta fase tão gira!
– No dia do seu aniversário, o Pedro publicou na sua página do Facebook uma imagem muito romântica dos dois. É fácil manter o romantismo numa relação com quase nove anos?
– É fácil, porque de facto o Pedro é muito romântico. Temos vidas muito atribuladas e não é fácil fazermos a gestão do dia-a-dia. Mas como sempre foi assim, sa­bemos lidar muito bem com isso. E aprendemos a valorizar muito o outro, a nossa relação e a nossa família. Por isso tem sido fácil alimentar este romantismo. Estamos sempre em sintonia, mesmo que os nossos horários de trabalho não estejam.
– Recentemente, a Cláudia foi eleita pela L’Oréal Paris para ser a mulher Elnett Lisíssimo e dar a cara por esta laca. Acre­dito que faça muito bem ao ego estar a representar uma marca que tem como imagem algumas das mulheres mais bonitas do mundo...
– Sim, faz muito bem ao ego representar as mulheres e a beleza. Fiquei muito contente por ter sido escolhida. A laca Elnett faz parte da minha vida desde sempre. A minha avó sempre gostou de se arranjar e usava esta laca, um hábito que passou para a minha mãe e para mim.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras