Nas Bancas

Isabel Magalhães em família: “Crescer numa casa cheia é uma lição de vida”

A advogada posou para a CARAS na sua casa, em Cascais, ao lado do filho, Francisco, e dos irmãos.

Marta Mesquita
21 de julho de 2013, 16:00

Isabel Magalhães, de 56 anos,  é a mais nova de seis irmãos. Viver numa casa sempre cheia fê-la, como contou, “crescer mais depressa” e ajudou-a a desenvolver a “personalidade forte” que todos lhe reconhecem. Com 18 sobrinhos e 32 sobrinhos-netos, cedo se percebeu a capacidade de Isabel para liderar, primeiro em casa, depois no trabalho e mais tarde na intervenção cívica. Atualmente, a par do trabalho que desenvolve na Sociedade de Advogados Magalhães Associados, a advogada lidera ainda o Movimento Ser Cascais, sendo uma das candidatas à Câmara Municipal de Cascais já nas próximas eleições autárquicas.
Não obstante toda a sua dedicação às causas cívicas e políticas, Isabel Magalhães sempre conseguiu conciliar a sua vida pública com a privada. Depois de três casamentos, primeiro com Vasco Galvão, do qual nasceu a sua filha Leonor, agora com 35 anos, depois com Carlos Olavo, pai do seu filho Francisco, de 31, e mais recentemente com Filipe Soares Franco, a advogada garante que a união familiar sempre foi um dos valores que mais preservou.
Na sua casa, em Cascais, Isabel Ma­galhães posou ao lado do filho e dos cinco irmãos, Ana Maria, Teresa, Maria Manuela, António e Pedro, e partilhou com a CARAS o que faz de si uma mulher realizada e profundamente apaixonada pela vida.
– Como foi crescer numa casa cheia?
Isabel Magalhães
– Crescer numa casa cheia é uma grande lição de vida, porque se aprende a partilha, os afetos, o respeito e a alegria. Temos todos uma relação extraordinária, de grande solidariedade. Quando somos muitos, temos de partilhar muita coisa, como a casa de banho, o quarto, a roupa, e isso une-nos cada vez mais. Recebemos dos meus pais uma forte noção de família e nós, irmãos, somos realmente muito amigos e unidos. Temos um enorme respeito uns pelos outros. A relação de irmãos é importantíssima.
– E no meio de uma família grande houve espaço para afirmar a sua individualidade?
– Esse foi o meu maior desafio e acho que desenvolvi uma personalidade tão forte precisamente pela minha necessidade de afirmação. Eu era a mais nova, portanto, com quatro, cinco anos, já tinha irmãos no liceu e sentia-me inferiorizada. Acho que tudo isso me fez crescer mais depressa e me tornou um bocadinho precoce. Desde pequena que assistia a conversas sobre namorados, problemas com os amigos e até era cúmplice das minhas irmãs! Tudo isso puxou muito por mim. Nunca fui a menina mimadinha, porque era eu ainda pequena e a minha mãe já era avó! Com dez anos já tomava conta dos meus sobrinhos, com quem tenho uma relação estreita.
– Portanto, a sua primeira função como líder foi mesmo em casa...
– [risos] Foi mesmo! Tudo começou aí. Era líder das crianças. E no final da vida dos meus pais acabei por sê-lo também um bocadinho.
– O seu filho está neste momento a trabalhar em Portugal, mas a sua filha e os seus netos [André, de nove anos, Martim, de seis, e Madalena, de quatro] vivem no Brasil. Como lida com estas ausências?
– É horrível e lido com algum sofrimento. A saudade é algo que custa muito, embora hoje em dia tenhamos o Skype, que foi uma invenção extraordinária. Agora, os meus netos arranjaram uma conta autónoma para falarem comigo sempre que quiserem. Tenho também uma relação extraordinária com eles e vou várias vezes ao Brasil com o meu filho. E acho que esta minha maneira de ser alegre, solta, descomprometida, mas com valores bem definidos, proporciona uma relação próxima e cúmplice mesmo à distância. Tornar-me avó foi o momento mais mágico da minha vida, mais do que ser mãe, porque tive a sensação de que passava a ser um bocadinho imortal. E quando sentimos essa continuidade queremos deixar um exemplo de vida e um mundo melhor para eles.
– Há vários anos que se envolve em causas cívicas. Essa dedicação tem-lhe trazido mais alegrias ou dissabores?
– Por norma, vejo sempre o lado bom de tudo. Não gosto que os rancores e desesperos tomem conta do meu coração. Fui criada a dar graças a Deus pela vida e pelas coisas boas que tínhamos. E continuo com essa perspetiva. Confesso que na minha intervenção cívica tenho tido alguns desconsolos. Às vezes tenho certas expectativas em relação às pessoas e sofro algumas desilusões... Mas também têm sido poucas as vezes em que isso aconteceu. Acho que todos temos obrigação de dar à sociedade aquilo que recebemos dela. E confesso que sou um pouco rebelde... Nunca me conformo. A pior atitude que podemos ter na vida é conformarmo-nos. Te­mos de lutar por aquilo em que acreditamos.
Foi esse seu inconformismo que a fez seguir Direito?
– Por um lado sim, mas também quis ser missionária, com nove anos, e ainda quis ir para o teatro. Fiz teatro no liceu e na faculdade e queria imenso poder extravasar o que me ia na alma. Ponho a alma em cima da mesa para tudo. Só sei fazer as coisas com alma e paixão e às vezes as pessoas não estão preparadas para essa entrega e frontalidade... Mas também segui Direito pelas minhas causas. Sempre fui muito independente e como advogada não tinha de ter um patrão ou obedecer a alguém. E no Direito da Família fiz muito trabalho na perspetiva da intervenção social. Penso que aí dei de facto o meu contributo.
– Teve três casamentos. É uma mulher de paixões?
– Sim, sou uma mulher de paixões, completamente. Tive um casamento muito nova resultante de uma paixão de adolescentes. Foi numa fase em que não sabíamos muito bem o que era o amor. O meu segundo casamento foi mesmo uma paixão. Estava casada com alguém com uma inteligência superior e durou 24 anos. Depois, tive outra paixão, que nasceu de uma fase mais calma. Foi uma amizade que se transformou em paixão.
– Lamenta não ter tido uma vida familiar mais semelhante à dos seus pais, que construíram uma família grande e coesa?
– Sim, lamento um bocadinho. Se tivesse tido seis filhos, poderia ter alguns comigo! [risos] Não tive mais filhos porque eu já fazia tanta coisa que era impossível! Mas devo dizer que quando parto para uma nova relação vou com o sentimento de que é para a vida!

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras