Nas Bancas

0.jpg

Getty Images / Reuters

95.º aniversário de Nelson Mandela celebrado em todo o mundo

O líder histórico da África do Sul continua internado num hospital de Pretória, em estado preocupante, devido a um a infeção pulmonar recorrente, uma sequela dos 27 anos que passou na prisão.

Redação CARAS
18 de julho de 2013, 12:07

Apesar de Nelson Mandela continuar hospitalizado e das informações sobre o seu estado de saúde serem contraditórias – a sua filha Zindzi garante que está a melhorar e que poderá “ir para casa em breve” e o gabinete do presidente sul-africano Jacob Zuma diz que o seu estado é “crítico, mas estável” e que continua a comunicar com a família através do olhar – o seu 95.º aniversário vai ser celebrado na África do Sul e em todo o mundo.
Em 2010, as Nações Unidas declararam 18 de Julho como o Mandela Day e, nesta data, a organização apela a todos para fazerem uma boa ação em honra do antigo líder sul-africano e que dediquem simbolicamente 67 minutos do seu dia em memória dos 67 anos que Nelson Mandela esteve preso.
Em Nova Iorque, a ONU tem agendada uma reunião informal da sua assembleia geral, que terá como oradores o antigo presidente dos Estados Unidos Bill Clinton, o reverendo Jesse Jackson, o ator e ativista Harry Belafonte e Andrew Mlangeni, de 87 anos, com que Madiba esteve preso.
Além disso, coros infantis relembram a importância desta data em todo o mundo e cantam os parabéns a Nelson Mandela; foi organizada uma subida ao Kilimanjaro; serão exibidas bandeiras na etapa de hoje da Volta a França; serão oferecidas roupas aos mais pobres; pintadas escolas sul-africanas; limpas sepulturas dos veteranos da luta anti-apartheid; e organizados debates e conferências para assinalar o dia de aniversário do Nobel da Paz, entre muitos outros eventos.
Nelson Rolihlahla Mandela nasceu a 18 de julho de 1918, em Mvezo, e marcou para sempre a história da África do Sul ao ter sido eleito, em 1994, o primeiro presidente negro do país, depois de décadas de luta contra o apartheid. Foi eleito Nobel da Paz em 1993, depois de ter liderado com o último presidente pela minoria branca, Frederik de Klerk, uma transição para a democracia baseada na reconciliação nacional.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras