Nas Bancas

Ana Rocha em Cannes, entre as grandes estrelas do cinema

A realizadora participou, pelo segundo ano consecutivo, no Festival de Cinema de Cannes com uma curta-metragem. ‘Minha Alma and You’, que foi exibida no Short Film Corner do certame. Oportunidades que a deixam muito satisfeita e expectante em relação ao futuro.

Redação CARAS
30 de junho de 2013, 12:00

Em 2010, Ana Rocha trocou Lisboa por Londres, onde foi estudar Realização e Cinema. E a troca parece ter dado frutos pois a atriz e realizadora viu, pelo segundo ano consecutivo, uma das suas curtas-metragens exibida numa das mais importantes mostras cinematográficas do mundo: o Festival de Cinema de Cannes. Minha Alma and You esteve em exibição no Short Film Corner do certame e a CARAS falou com a realizadora sobre a experiência.
– Como se sentiu quando soube que o seu filme tinha sido selecionado para Cannes?
Ana Rocha – Achei impossível acontecer-me dois anos seguidos, mas aconteceu e fiquei muito feliz, claro! O Short Film Corner é, como costumo dizer, o melhor cantinho do mundo. Não são os grandes filmes do festival de Cannes em competição, mas é uma mostra de novos talentos, do cinema que se faz no mundo. No fundo, é uma mostra dos cineastas que podem vir a caminho. E é uma honra. Dá-me uma sensação de esperança e reafirmação. Grão a grão, estou a construir o meu caminho e não tenho pressa.
É estimulante participar neste festival?
– Muito. Ali respira-se cinema e percebe-se o quão difícil é fazer cine­ma, pela dimensão da competição e pela quantidade de talento que há no mundo. No ano passado, nos primeiros dias, andava meio perdida. Este ano foi mais fácil. Fui a três grandes estreias em competição. Estive na estreia do filme do meu realizador favorito, Hirokazu Kore-eda, e foi inesquecível. Não é todos os dias que se está numa plateia em Cannes a aplaudir uma obra-prima de pé durante 15 minutos. Nem é todos os dias que nos sentamos na mesma plateia que a Sofia Coppola a ver um filme. Não sou nada fascinada com estas coisas, somos todos pessoas, mas refiro porque ali o cinema está no mais pequeno detalhe. Da passadeira vermelha à esplanada do café.
Conseguiu passear na cidade?
– Sim. Desta vez até ao Mónaco fui. Fui a todo o lado. Devia ter dormido um bocadinho mais, mas deixei isso para depois!
O que nos pode contar sobre Minha Alma and You?
– É um intenso drama doméstico sobre duas irmãs portuguesas que vivem sozinhas num apartamento de um bairro social em Londres. Esperança (Teresa Tavares), dedica a sua vida a tomar conta da irmã, Alma (Helena Freitas), que é autista. A única ligação ao mundo exterior é Adil, um homem que as assiste socialmente numa missão porta a porta distribuindo comida diariamente. Adil e Esperança desenvolvem uma ligação forte e o amor entre eles chega a um ponto em que Esperança tem de escolher: ou aceita ajuda ou perde Adil.  É uma história simples que exige um trabalho imenso por parte dos atores.
Como correram as filmagens?
– As filmagens decorreram em Lon­dres e foram intensas e difíceis. Tive o privilégio de filmar em película, o que é raro nos dias que correm. E foi uma sensação única dirigir atores portugueses num universo diferente, em que quase toda a equipa era estrangeira. É daqueles filmes que vou lembrar sempre. Em que tanta, mas tanta coisa correu ao contrário. Muitos contratempos, daqueles em que se aprende a sério. Que nos tiram a respiração e em que se acha que “Ai, desta vez não vai dar...” Mas a minha estrelinha nunca me falhou. Tudo o que correu ao contrário acabou por ser transformado numa mais-valia. Aprendi muito.
Já era amiga da Teresa Tavares?
– Não. Tinha-me cruzado com a Teresa uma ou duas vezes antes, conhecia apenas o trabalho dela. A nossa primeira reunião foi “divina”. Quando falei do guião à Teresa, as lágrimas caíam-lhe. Havia grandes coincidências que eram tocantes. A Teresa aceitou e eu sabia que ela era a minha “Esperança”.
Terminou o curso em Londres em março. Já se mudou de vez para Portugal?
– Sou uma cidadã do mundo. Apesar de viver fora, nunca saí de Portugal. Tenho o fado em mim. Em tudo o que faço. Mesmo em inglês... É uma espécie de fado inglês. Vou andar pelo mundo. Portugal é a minha casa, o coração, mas ando pelo mundo.
Agora que está cá, já deu para matar as saudades da família e dos amigos?
– Nunca dá! O tempo não tem sido suficiente, pois tenho estado constantemente a viajar.
Quais são os seus próximos projetos?
– A minha primeira longa-metragem, que ainda estou a escrever. O meu filme de graduação No Mar, o mais recente, só brevemente começará a ser enviado para festivais. Mas tenho particular interesse em desenvolver documentários. O meu primeiro filme, Laundriness, era um documentário e fez um sucesso invulgar para um simples exercício de escola. Na London Film School o meu documentário é um caso de estudo e até foi ao Japão! Isso deixa-me orgulhosa, claro. São momentos únicos que contarei aos meus filhos.
Na última entrevista disse que queria crescer a nível profissional, mas também ter uma família. Tem namorado?
– Eu tenho uma família. Grande, enorme e mais que unida. Parecemos uma família italiana! O que disse foi que não queria abdicar da minha vida pessoal, emocional, para viver apenas a realização profissional. A profissão é muito importante, mas na vida o que importa mesmo são as pessoas... As nossas pessoas. Partilhar a vida, os momentos com ‘A’ pessoa e as nossas pessoas.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras