Nas Bancas

John Galliano

John Galliano

Getty Images

John Galliano sobre os comentários antissemitas: "Foi a pior coisa que disse na minha vida"

O estilista foi despedido da Dior por causa das suas declarações proferidas em outubro de 2010 e fevereiro de 2011 e comentou o assunto pela primeira vez.

Redação CARAS
6 de junho de 2013, 12:08

O caso já é antigo, mas teve repercussões na vida de John Galliano até hoje. O designer proferiu ofensas antissemitas e racistas em outubro de 2010 e fevereiro de 2011, que levaram a que fosse despedido da casa Dior e condenado a pagar uma multa de seis mil euros.
Agora, o estilista falou pela primeira vez acerca da situação num café quando insultou três pessoas afirmando: "Adoro o Hitler". Um momento que foi filmado e que levou à revolta de várias associações que lutam contra o racismo. "Foi a pior coisa que disse na minha vida, mas foi sem intenção... Agora percebo que eu estava tão zangado e descontente comigo próprio que disse a pior coisa que podia", explicou o estilista em entrevista à Vanity Fair.
Galliano conta que, na altura, estava completamente dependente das drogas e do álcool e que não se lembra do que aconteceu. O estilista apenas soube do que se tinha passado quando a agente lhe contou e afirma ainda que, quando viu o vídeo, vomitou. De seguida deu entrada numa clínica de reabilitação.
O designer recorda ainda que a sua entrada no mundo das drogas e do álcool aconteceu de forma gradual e que foi Kate Moss quem o ajudou a recuperar quando lhe pediu para desenhar o seu vestido de noiva. “Criar o vestido de noiva da Kate Moss salvou-me porque foi a minha reabilitação criativa. Ela desafiou-me a ser eu próprio".

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras