Nas Bancas

Conrad Murray, acusado da morte de Michael Jackson, recorre da sentença

A advoada do médico considera que houve vários erros durante o julgamento e que este foi influenciado devido à fama do Rei da 'Pop' e pela mediatização de todo o processo.

Redação CARAS
24 de abril de 2013, 11:46

Conrad Murray, foi acusado da morte de Michael Jackson, em novembro de 2011, mas recorreu da pena de quatro anos de prisão por homicídio involuntário.
A advogada do médico, Valerie Wass apresentou 230 páginas de documentos nas quais afirma que não havia provas suficientes de que tenha sido o médico a administra a dose fatal de propofol ao músico.
O recurso, entregue 18 meses depois de Conrad Murray ter sido acusado, afirma que devido à fama de Michael Jackson e mediatização de todo o processo, o juíz deu ao médico a pena máxim para homicídio involuntário, quatro anos.
"A fama sem precednets da vítima em combinação com a universalidade dos média modernos fizeram com que fosse quase impossível o apelante ter um julgamento justo com um júri que não estivesse exposto num caso que apareceu na televisão e em direto para o mundo inteiro", pode ler-se no recurso.
Valerie Wass pede para que a pena de Conrad Murray seja reduzida, ainda que o veredicto se mantenha inalterado.
O médico pode ser libertado em outubro deste ano, quando cumprirá metade da sua pena.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras