Nas Bancas

Elsa Quintela: “Faço por ter sucesso enquanto mãe, mulher e empresária”

Foi na casa de família, em Lisboa, que a dona da loja Nude nos contou a sua história e apresentou a filha, Carlota, de seis meses, fruto do seu amor com Jorge Fróis.

Inês Neves
12 de fevereiro de 2013, 17:00

Asua paixão é a moda. Logo em pequena Elsa Quintela habituou-se a ir àsfeiras de moda com a mãe, Maria Salema Quintela, ajudando-a a escolhercoleções para as lojas que mantêm ainda no Alentejo. E foi assim que começouesta parceria de negócios entre mãe e filha que as levou a abrir a loja Nude,em Lisboa. Em paralelo, conta, está também “metida no negócio dos homens dafamília: o imobiliário”, ao qual tenta levar “alguma cor e alegria”.É feliz e luta todos os dias para ser uma mulher de sucesso nos negócios, masnão hesitaria em desistir de uma das profissões para estar mais tempo com afilha, Carlota, de seis meses, porque essa, sim, é a sua prioridade. Aempresária confessa que sem a ajuda do companheiro, Jorge Fróis, comquem está há quatro anos, não conseguiria gerir tudo.
– De todos os filhos, foi a única que seguiu as pisadas da sua mãe?
Elsa – Sim, por enquanto. Somos cinco irmãos, três rapazes e duasraparigas, e ainda pode haver alguma surpresa. Mas para já é um negócio sónosso, que começou há 22 anos, com uma loja em Santiago do Cacém, no Alentejo,e que evoluiu até à Nude, em Lisboa, a nossa quarta loja. Tinha 12 anos quandocomecei a ir com a minha mãe ver as coleções e adorava, para mim era um mundofantástico. E ainda é.
Maria Salema – E estou muito orgulhosa dela. A Elsa sempre teve jeito eaptidão natural para a moda. Já em pequena gostava de alterar a roupa dela edava-me sempre imensos conselhos. De todos os filhos, acho que é aquela que temtoda a apetência para continuar o meu trabalho. E eu fico muito orgulhosa comisso.
– Como é trabalhar com a sua mãe?
Elsa – Tem a certeza de que quer fazer essa pergunta? [risos}
– Há assim tantas discussões...?
Maria Salema – Não muitas. En­tendemo-nos perfeitamente e o nosso gostocoincide. Temos uma sintonia muito grande!
Elsa – Com o tempo, aprendi a separar a mãe da sócia. Isso foifundamental quando os negócios ganharam algum volume. Respeitamos o espaço e asopiniões uma da outra, o que tem sido um pouco o segredo do nosso sucesso.
– Esta parceria melhorou a vossa relação?
–Acredito que sim. Nós sempre fomos muito próximas, mas acho que as coisas nãose misturam. Claro que acabamos por passar muito mais tempo juntas... Mas somosmuito independentes uma da outra. Durante dez anos fui a única rapariga no meiode três rapazes e isso também me preparou para os negócios. Tive de aprender adefender-me, a definir o meu lugar e a lutar num mundo de homens. Até porquetambém estou metida no negócio dos homens da família: o imobiliário.
– Duas áreas distintas...
– É verdade, é uma área completamente diferente, muito mais cinzenta, se bemque eu tento levar-lhe alegria e alguma cor. Mas é na loja que me sinto feliz.Adoro ir às feiras, ver as coleções, escolher as peças, descobrir marcas...
– Pois, para uma mulher costuma ser divertido passar o dia a ver roupa...
– Sim, é divertido e tentador! É como estar nos melhores closets duranteuma semana a ver as coisas mais giras. Depois, o difícil é editar. Porque avontade é de trazer tudo! E é terrível não poder ficar com tudo para mim[risos]. Mas é engraçado, porque é-me muito mais fácil preparar os lookspara as minhas clientes do que para mim e às vezes tenho jantares e chego apensar que não tenho nada para vestir.
– Considera-se uma mulher de sucesso?
– Faço por ser uma mulher de sucesso. Faço por ter sucesso enquanto mãe, mulhere empresária, por ir realizando coisas dia a dia e viver o momento, porque àsvezes esquecemo-nos de estar presente nos momentos, são tantas as solicitações,o trabalho, agora este meu superpapel de mãe, que não quero deixar nem umbocadinho para trás...
– E como consegue conciliar o papel de mãe com o de empresária e mulher?
– Não digo que seja fácil. Às vezes chego exausta, mas o meu objetivo échegar a casa com um sorriso para a minha Carlota. E consigo, com muitaginástica e disciplina, organizar tudo. Tive de ir priorizando o que era maisimportante na minha vida, deixando para trás outras coisas.
– E o Jorge, ajuda-a?
– Sim, o Jorge é um apoio fundamental para tudo funcionar. Incentiva-me imensono meu trabalho e é um pai muito presente. Estamos tão felizes com o nascimentoda Carlota! É mesmo a nossa princesa. E os momentos a três são fantásticos.
– Seria capaz de deixar uma das suas ocupações profissionais pela sua filha?
– Se fosse necessário, sim. Mas tenho conciliado tudo sem deixar nada paratrás, principalmente sem a deixar a ela. É a minha prioridade, sem dúvida! Nãoquero perder nada do crescimento da Carlota, todos os dias faz coisas novas eeu quero estar presente para ver isso. Por outro lado, também sou profissional,trabalho com o objetivo de que ela tenha orgulho em mim mais tarde e, quemsabe, possa ser a terceira geração a gerir o negócio da família.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras