Nas Bancas

Adeus emocionado a Paulo Rocha

O mundo da cultura e do cinema português ficou mais pobre com a morte do realizador de 'Verdes Anos' que faleceu, aos 77 anos, no dia 29 de dezembro.

Redação CARAS
2 de janeiro de 2013, 10:43

O último dia de 2012 ficou marcado pelo adeus ao realizador portuense que, aos 77 anos, partiu vítima de doença prolongada, deixando saudade e admiração entre os amigos e familiares que fizeram questão de prestar homenagem.
"O Paulo Rocha, ao longo de várias gerações, alimentou com os seus filmes, mas também com a sua pedagogia e a sua magia, o trabalho de realizadores, produtores, estudiosos e críticos de cinema. Estar aqui hoje é, simplesmente, um testemunho da presença do Paulo e do modo como ele vai continuar a alimentar o cinema português", afirmou o secretário de Estado da Cultura, Jorge Barreto Xavier, que considerou este "um dia muito triste" para o cinema português.
Também Maria João Seixas viajou de Lisboa ao Porto para se despedir do realizador de Verdes Anos, o filme "mais forte" de Paulo Rocha que lhe "iluminou o olhar nos anos 60". "Depois de o ver, nunca deixei de me apaixonar por cada imagem dos filmes dele. Temos a sorte de, sendo pequeninos, termos grandes, muito grandes, a criarem para nós." Sentida, a diretora da Cinemateca Portuguesa diz sentir "uma dívida enorme" para com Paulo Rocha, e explica: "Ele embelezou o mundo com as suas imagens e, pelo cinema, fez acreditar numa outra história para a vida deste país. Esse é o meu grande luto, é o nosso grande luto, e peço a todos que vejam o cinema de Paulo Rocha."
"O Paulo foi o meu companheiro de toda a vida", desabafou, emocionado, Nuno Portas. "Lembro-me, quando foi a estreia do primeiro filme dele, que me levantei aos gritos a dizer: Começou o cinema português! Foi o começo de um novo cinema, o que a gente chamava o Cinema Novo", afirmou o arquiteto.
"É um dia triste, mas os filmes do Paulo Rocha ficam e temos que os ver", considerou, por sua vez, o ex-diretor do Museu de Serralves, João Fernandes.
A cerimónia religiosa terminou com a interpretação de Verdes Anos, o tema de Carlos Paredes que serve de banda sonora ao filme de estreia de Paulo Rocha,  pelo guitarrista e amigo do falecido realizador Samuel Cabral.
Da Igreja de S. João da Foz, o corpo de Paulo Rocha seguiu para o crematório do Prado do Repouso.

Palavras-chave

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras