Nas Bancas

São e António Taborda: Otimismo e amor no combate à crise

O casal abriu-nos as portas da sua casa na Quinta Patiño e partilhou as preocupações que enfrentam.

Andreia Cardinali
20 de outubro de 2012, 16:00

Proprietários das lojas Hera e Loja Amarela,  São Taborda, de 54 anos, e António Ta­borda, de 64, partilham há 27 anos a vida pessoal e profissional. Companheiros de todas as horas, enfrentam um novo desafio, já que a crise em que o país mergulhou os obrigou a reinventar os negócios. Porque o equilíbrio familiar também passa pelo sucesso profissional, até porque as duas filhas da designer, Inês Monget Sattoul (que tem já, ela própria, duas filhas) e Susana Kerardo, também trabalham na empresa, São e António acreditam que dias melhores virão e tudo fazem para que isso aconteça. Foi na sua casa, na Quinta Patiño, que conversámos com os dois.
– Qual é o segredo de um ca­samento tão duradouro?
São Taborda – O António tem muito bom feitio [risos]. Ele tem uma educação que admiro imenso, já que eu sou mais impulsiva, e depois acha que eu sou muito boa a fazer tudo. Está sempre a valorizar-me. Sabe o feitio que eu tenho e que não é fácil, mas elogia as minhas qualidades.
António Ta­borda – Acho que existe uma grande cumplicidade entre nós. O engraçado nisto tudo é que sempre nos demos muito bem, mas cada vez nos damos melhor. A vida é cada vez mais exigente e obriga-nos a tomar atitudes mais duras no que diz respeito ao trabalho e eu tenho de defender a São em todas as situações, já que ela é muito dedicada. Eu já tinha a Hera, mas foi a São que a tornou o que é hoje e sou-lhe agradecido.
– Como é que a São se interessou pelo calçado ao ponto de até ter começado a desenhar modelos depois de conhecer o António?
São – Bom, conheci as fábricas, fui conhecendo o meio e senti que poderia fazer parte dele. Comecei a desenhar sapatos com receio de que não resultasse, mas foi um sucesso, já quer consigo juntar design, confor­to e funcionalidade. E sempre fiz roupa, que adoro.
– Como se consegue equilibrar uma relação que passa também pela vida profissional?
Talvez seja mais fácil por não trabalharmos propriamente juntos, pois o António está mais na parte administrativa e eu na criativa.
– Sei que as suas filhas também trabalham convosco. Não é difícil conciliar o papel de mãe com o de patroa?
Tivemos de definir funções para não haver esses problemas. A Inês está mais ligada à área de exportação e a Susana às lojas. Elas ajudam-me muito e estão dedicadas a isto há mais de uma década, começaram com 14 e 16 anos. Eu sou muito exigente e elas trabalham e cumprem horários como todos os empregados. Sou um bocadinho autoritária [risos].
– Foi a crise vos conduziu à exportação?
É verdade. Hoje em dia, ou se fecha as portas, ou se vai para fora, devido à falta de consumo interno. Fechar está fora dos planos, já que temos muitas pessoas que dependem de nós. Teremos até de começar a trabalhar aos fins de semana.
– Esta fase mais difícil que atravessam aproxima a família?
Acredito que sim. Quando estava tudo fabuloso, se calhar as minhas filhas não eram tão par­ticipativas, agora estamos todos unidos com o mesmo objetivo e isso é muito bom e reforça os laços familiares.
– Neste ponto da vida, não será fácil começar de novo...
Não é nada fácil e realmente é como se estivéssemos a começar do zero. O negócio da exportação precisa de capital para avançar, os empréstimos já não se fazem com a mesma facilidade e tudo isso nos tira o sono...
– Com tantas preocupações, consegue ter tempo familiar de qualidade?
Está a sobrar muito pouco tempo familiar e isso preocupa-nos bastante, mas não há outra hipótese. Está complicado e temos mesmo de ‘arregaçar as mangas’. Se virarmos as costas acho que perdemos tudo o que temos, o negócio acaba e não queremos nada disso. Queremos ter um futuro e dar aos nossos um futuro sorridente.
– E momentos a dois, ainda conseguem tê-los?
António Taborda – Até aqui passávamos muitos fins de semana os dois, numa casa de família que temos no campo. E nessa altura queremos é descansar ou namorar. A partir daqui, logo se verá, mas havemos de conseguir...

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras