Nas Bancas

Renato Seabra

Renato Seabra

Reuters

Renato Seabra diz ter sido vítima de abuso sexual quando era criança

O jovem recordou o episódio em conversa com um psicólogo.

Redação CARAS
19 de outubro de 2012, 23:03

Jeffrey Singer, o psicólogo que ouviu Renato Seabra depois do homicídio de Carlos Castro, primeiro no Bellevue Hospital e depois na prisão de alta segurança de Rikers Island, foi uma das testemunhas desta sexta-feira no julgamento que está a decorrer no Supremo Tribunal de Nova Iorque. Segundo o técnico, o modelo contou que tinha sido abusado por um vizinho quando tinha apenas oito anos e que “entre os 16 e os 18 anos” mantinha relações homossexuais com os primos. O especialista, arrolado pela defesa de Renato Seabra, liderada pelo advogado David Touger, concluiu que o jovem de Cantanhede é bissexual, uma vez que também teve várias relações com mulheres.
Durante uma dessas sessões de terapia, Seabra terá assumido que o relacionamento com o cronista social aconteceu por “ puro interesse” e recordado como ambos se conheceram. O primeiro encontro teve lugar no Porto, onde Carlos Castro o terá convidado a subir ao quarto de hotel para lhe mostrar o seu livro, e aproveitando o facto de estarem a sozinhos "o beijou". “Não vou dizer nada pois esta é a minha oportunidade de chegar mais longe na moda”, pensou Renato Seabra na altura, de acordo com o especialista. Jeffrey Singer confirma assim a tese de "surto psicótico" e revelou que o modelo "pode ter bebido sangue" do cronista social após a sua morte.
Recorde-se que Carlos Castro foi encontrado morto no quarto do Hotel Intercontinental, em Nova Iorque, no dia 7 de janeiro de 2011.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras