Nas Bancas

Renato Seabra, Vanda Pires e Carlos Castro

Renato Seabra, Vanda Pires e Carlos Castro

D.R.

Médica legista afirma que “Carlos Castro estava vivo quando foi castrado”

O cronista social foi espancado na cabeça até ficar inconsciente e ainda respirava quando foi violentamente mutilado pelo jovem modelo.

Redação CARAS
18 de outubro de 2012, 12:26

Durante mais uma sessão de julgamento de Renato Seabra, ontem no Supremo Tribunal de Nova Iorque, a responsável pela autópsia de Carlos Castro afirmou que a morte terá ocorrido às 17h30 (hora local) do dia 7 de janeiro de 2011, no Hotel Intercontinental, a mesma versão apurada pela polícia, que sustenta que o jovem modelo teria passado várias horas ao lado do cronista social já inconsciente.
Na audiência, o detetive Richard Tirelli e médica legista Michelle Sloan confirmaram que Carlos Castro foi espancado na cabeça até ficar inconsciente e que ainda respirava quando foi violentamente mutilado nos genitais, com um saca-rolhas, por Renato Seabra. “Estava vivo quando foi castrado”, afirmaram.
No dia 7 de janeiro, o jovem, de 22 anos, deu entrada no Saint Luke’s Hospital depois das 19h00 acompanhado pelo taxista que o tinha levado até ao local. Seabra tinha uma aparência calma e inclusivamente permitiu que fosse o condutor a falar com o rececionista, pois tentava estancar uma hemorragia que tinha no pulso, alegadamente devido a uma tentativa de suicídio.
Mais tarde, o jovem foi transferido para o Bellevue Hospital, especializado em doenças psiquiátricas, onde foi preso. As roupas e os sapatos que Renato Seabra usava nesse dia tinham vestígios de sangue.
No julgamento, David Touger, advogado do jovem, exaltou-se ao questionar a credibilidade do relatório da confissão de Seabra, no dia 8 de janeiro, já no Bellevue Hospital. “Não queria saber por que razão ele cometeu o crime. Você só queria a sua confissão”, declarou, dirigindo-se a Richard Tirelli.
Na passada terça-feira, dia 16, foram divulgadas imagens de videovigilância do hotel - onde Seabra falou com Vanda Pires, amiga do cronista, após o crime - e do hospital. Na sessão de ontem, o jovem manteve-se imperturbável, no entanto, desviou o olhar algumas vezes quando foram mostradas as imagens do corpo de Carlos Castro.

Comentários

ATENÇÃO: ESTE É UM ESPAÇO PÚBLICO E MODERADO. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

Nas Bancas

Newsletters

Receba grátis no seu email as notícias, as últimas caras!

Caras Nas Redes

Mais na Caras